Distribuição espacial de casos da Doença Falciforme em um estado do sul do Brasil com base no Componente Especializado da Assistência Farmacêutica

Autores

  • Cassiela Roman Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Denise Bueno Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p%25p

Palavras-chave:

Assistência farmacêutica, análise espacial, doença falciforme, saúde pública, vigilância em saúde.

Resumo

A doença falciforme é considerada a doença genética com maior prevalência mundial, configurando-se como um grave problema de saúde pública devido a sua relevância clínica e morbimortalidade da população acometida. Por ser associada a questões de vulnerabilidade social por vezes torna-se invisível no território, dificultando a gestão do cuidado em saúde de forma longitudinal. Este estudo objetivou identificar os pacientes com doença falciforme e verificar a sua distribuição espacial no Rio Grande do Sul. Estudo descritivo com desenho transversal, realizado por meio da coleta de dados do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica do estado. Tendo por base os CIDs contemplados no protocolo clínico para a doença foi possível verificar os pacientes com cadastro ativo para acesso aos medicamentos deste componente utilizados no seu tratamento. Os dados coletados indicaram que 194 pacientes possuem cadastro ativo, sendo que 98% destes fazem uso do medicamento hidroxiureia. Em relação à frequência dos casos conforme o CID, 84% dos pacientes apresentam anemia falciforme e 11% talassemia beta. O sexo feminino foi prevalente no estudo (53%), bem como os pacientes na faixa etária de 10 a 19 anos. Ao todo, 69 municípios possuem um ou mais pacientes com a doença, com destaque para Porto Alegre que engloba 35% dos casos. A distribuição espacial se dá de forma heterogênea no estado, tendo um aglomerado relevante na região metropolitana. Percebendo-se que o geoprocessamento pode atuar de maneira estratégica para a identificação geográfica de pacientes com doença falciforme e que a assistência farmacêutica tem participação importante neste processo.

Biografia do Autor

Cassiela Roman, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Programa de Pós-Graduação em Assistência Farmacêutica (PPGASFAR), Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Denise Bueno, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora, Doutora, Programa de Pós-Graduação em Assistência Farmacêutica (PPGASFAR), Faculdade de Farmácia e Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde (PPGENSAU), Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil. 

Referências

Barcellos, C; Santos, SM. (Orgs.). Abordagens espaciais na saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Garbois JA, Sodré F, Dalbello-Araujo M. Determinantes sociais da saúde: o “social” em questão. Saúde Soc. 2014;23(4):1173-82.

Schwarz ED, Baggio SO, Bueno D. Prescrições de medicamentos em unidade de cuidados paliativos de um Hospital Universitário de Porto Alegre. Cli Biomed Res. 2016;36(1):27-36.

Menezes ASOP, Len CA, Hilário MOE, Terreri MTRA, Braga JAP. Qualidade de vida em portadores da doença falciforme. Rev Paul Pediatr. 2013;31(1):24-29.

Carvalho SC, Carvalho LC, Fernandes JG, Santos MJS. Em busca da equidade no sistema de saúde brasileiro: o caso da doença falciforme. Saúde Soc. São Paulo. 2014;23(2):711-18.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de doenças mais importantes, por razões étnicas, na população brasileira afrodescendente. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Araujo KMFA, Figueiredo TMRM, Gomes LCF, Pinto ML, Silva TC, Bertolozzi MR. Evolução da distribuição espacial dos casos novos de tuberculose no município de Patos (PB), 2001 – 2010. Cad. Saúde Colet. 2013;21(3):296-302.

Hino P, Santos CB, Villa TCS, Bertolozzi MR, Takahashi RF. O controle da tuberculose na perspectiva da vigilância da saúde. Esc Anna Nery (Impr). 2011;15(2):417-21.

Nardi SMT, Paschoal JAA, Pedro HSP, Paschoal VD, Sichieri EP. Geoprocessamento em Saúde Pública: fundamentos e aplicações. Rev Inst Adolfo Lutz. 2013;72(3):185-91.

Santana RS, Lupatini EO, Leite SN. Registro e incorporação de tecnologias no SUS:

barreiras de acesso a medicamentos para doenças da pobreza? Ciênc. Saúde Colet. 2017;22(5):1417-28.

Valêncio LFS, Domingos CRB. O processo de consentimento livre e esclarecido nas pesquisas em doença falciforme. Rev Bioét (Impr). 2016;24(3):469-77.

Ware RE, Montalembert M, Tshilolo L, Abboud M. Sickle cell disease. Seminar. 2017;jan:1-13.

Moraes LX, Bushatsky M, Barros MBSC, Barros BR, Alves MG. Doença falciforme: perspectivas sobre assistência prestada na atenção primária. Rev Fund Care Online. 2017; 9(3):768-775.

Vacca VM & Blank L. Sickle cell disease: where are we now? Nursing. 2017;47(4):26-34.

Ferreira SL, Cordeiro RC, Cajuhy F, Silva LS. Vulnerabilidade de pessoas adultas com doença falciforme: subsídios para o cuidado de enfermagem. Cienc Cuid Saude. 2013;12(4):711-718.

Signorelli AA, Ribeiro SB, Moraes-Souza H, de Oliveira LF, Ribeiro JB, da Silva SH, et al. Pain measurement as part of primary healthcare of adult patients with sickle cell disease. Rev Bras Hematol Hemoter. 2013;35(4):272-7.

Amaral JL, Almeida NA, Santos PS, Oliveira PP, Lanza FM. Perfil sóciodemográfico, econômico e de saúde de adultos com doença falciforme. Rev Rene. 2015;16(3):296-305.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: Hidroxiureia - uso e acesso. 1ª Edição. 1ª Reimp. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Secretaria Estadual da Saúde – Rio Grande do Sul. [Internet]. [citado 25 de jan 2018] Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/componente-especializado-5880ca5e8efc3.

Brasil. Portaria nº 55, de 29 de janeiro de 2010. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Doença Falciforme. Diário Oficial da União 2010; 29 jan.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União 2013; 13 jan.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: diretrizes básicas da linha de cuidado. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 204, de 29 de janeiro de 2007. Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle. Diário Oficial da União 2007; 31 jan.

Ohara DG, Ruas G, Castro SS, Martins PRJ, Walsh IAP. Dor osteomuscular, perfil e qualidade de vida de indivíduos com doença falciforme. Rev Bras Fisioter. 2012;16(5):431-8.

Rodríguez-Moldes B, Carbajo AJ, Sánchez B, Fernández M, Garí M, Fernández MC, Álvarez J, García A, Cela E. Seguimiento en Atención Primaria de los recién nacidos con enfermedad falciforme detectados en el cribado neonatal de la Comunidad de Madrid. An Pediatr (Barc). 2015;82(4): 222-227.

Freitas SLF, Ivo ML, Figueiredo MS, Gerk,MAS, Nunes CB, Monteiro FF. Quality of life in adults with sickle cell disease: an integrative review of the literature. Rev Bras Enferm. 2018;71(1):195-205.

Adzika VA, Glozah FN, Ayim-Aboagye D, Ahorlu CSK. Socio-demographic characteristics and psychosocial consequences of sickle cell disease: the case of patients in a public hospital in Ghana. Journal of Health, Population and Nutrition. 2017;36(4):1-10.

Levorato CD, Mello LM, Silva AS, Nunes AA. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciênc. Saúde Colet. 2014;19(4):1263-74.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 822, de 06 de junho de 2001. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Triagem Neonatal / PNTN. Diário Oficial da União 2001; 06 jun.

Brasil. Portaria nº 1.391, de 16 de agosto de 2005. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde, as diretrizes para a Política Nacional de Atenção Integral às pessoas com Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias. Diário Oficial da União 2005; 18 ago.

Brasil. Portaria nº 45, de 10 de setembro de 2013. Incorpora a penicilina oral para profilaxia de infecção em crianças menores de cinco anos com doença falciforme no SUS. Diário oficial da União 2013; 11 set.

Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. [Internet]. [citado 25 de jan 2018] Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvrs.def>.

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul. [Internet]. [citado 06 de fev 2018] Disponível em: <http://www.atlassocioeconomico.rs.gov.br/regiao-metropolitana-de-porto-alegre-rmpa>.

Secretaria Estadual da Saúde – Rio Grande do Sul. [Internet]. [citado 06 de fev 2018] Disponível em: <http://www.saude.rs.gov.br/regioes-de-saude>.

Secretaria Estadual da Saúde – Rio Grande do Sul. [Internet]. [citado 06 de fev 2018] Disponível em: <http://www.saude.rs.gov.br/crs>.

Duarte LS, Pessoto UC, Guimarães RB, Heimann LS, Carvalheiro JR, Cortizo CT, et al. Regionalização da Saúde no Brasil: uma perspectiva de análise. Saúde Soc. São Paulo. 2015;24(2):472-85.

Mondini RP, Menegolla IA, Silva EV. Identificação das Regiões de Saúde do Rio Grande do Sul, Brasil, Prioritárias para ações de Vigilância em Saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2017;22(10):3429-37.

Fundação Estadual de Proteção Ambiental – Rio Grande do Sul. [Internet]. [citado 20 de fev 2018] Disponível em: <http://www.fepam.rs.gov.br/biblioteca/geo/bases_geo.asp>.

Downloads

Publicado

2018-12-20

Edição

Seção

Artigos Originais