Vivências na graduação em Psicologia: discutindo a saúde mental dos universitários

Carlos Henrique Barbosa Rozeira

Resumo


Objetivo: identificar e discutir fatores relacionados à saúde mental de estudantes universitários. Métodos: trata-se de um relato de experiência, realizado por acadêmicos do Curso de Psicologia do Centro Universitário Redentor (UniRedentor), ocorrido em outubro e novembro de 2017. As informações foram coletadas por meio de observação, aplicação de instrumentos e análise documental. Para fundamentar a pesquisa foi inicialmente realizado um levantamento bibliográfico em literatura científica, a partir da compilação de trabalhos publicados em revistas, livros especializados, pesquisas institucionais, bem como outras fontes necessárias. Resultados: Algumas das atividades desta prática foram aplicações de instrumentos de entrevistas, assim os resultados da pesquisa corroboram as afirmativas tangíveis ao sofrimento psíquico, onde mais de 70% (setenta por cento) dos universitários indicaram alteração do estado humoral durante o período de avaliações. Revelou-se também que 69% (sessenta e nove por cento) dos alunos desconhecem o verdadeiro sentido de estar saudável e 59% (cinquenta e nove por cento) consideram o ingresso na universidade como fator atenuador de problemas na saúde mental.  Conclusões: É importante o desenvolvimento de ações de apoio psicológico aos universitários com efetiva atividade e divulgação, objetivando diminuir problemas psíquicos, o que poderá se refletir na diminuição da prevalência da sintomatologia depressiva, de ansiedade, ideação suicida e dificuldades de relacionamento, contribuindo para que o aluno tenha uma qualidade de vida mais saudável durante sua fase de construção de conhecimentos.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Graner, KM, Ramos-Cerqueira, A.T.A.. Revisão integrativa: Sofrimento psíquico em estudantes universitários e fatores associados.. Cien Saude Colet. Disponível em:http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/revisao-integrativa-sofrimento-psiquico-em-estudantes-universitarios-e-fatores-associados/16374

PAPALIA, D. E., OLDS, S. W., & FELDMAN, R. D. Desenvolvimento humano (10a ed.) Porto Alegre: Artmed. 2010.

MERCURI, E.; POLYDORO, S. A. J. (Org.). Estudante universitário: características e experiências de formação. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária. 2004.

ALMEIDA, L. S. Transição, adaptação acadêmica e êxito escolar no ensino superior. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación, v.15, n.2, p. 203-215. 2007.

MASETTO, Marcos. Docência Universitária: repensando a aula. In: TEODORO, António e VASCONCELOS, Maria Lucia. Ensinar e aprender no ensino superior. Por uma epistemologia da curiosidade na formação universitária. 2. ed. São Paulo: Mackenzie; Cortez, 2005. p.80.

Brooks, J. G., & Brooks, M. G. (1993). The case for constructivist classrooms. In search of understanding. Virginia: Association for Supervision and Curriculum Development. p. 13. 1993.

IV Pesquisa Do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das IFES - Andifes. 2004. Disponível em: http://www.andifes.org.br/iv-pesquisa-perfil-socioeconomico-e-cultural-dos-estudantes-de-graduacao/

Fabiana Cambricoli e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo , 16 Setembro 2017 | 19h00 - Aumento De Transtornos Mentais Entre Jovens Preocupa Universidades. Disponível em: http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,aumento-de-transtornos-mentais-entre-jovens-preocupa-universidades,70002003562

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE . A saúde mental pelo prisma da saúde pública. Relatório sobre a saúde no mundo 2001: Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Genebra: OPAS/OMS, p.1-16, 2001.

Nogueira-Martins LS Saúde Mental dos profissionais da saúde Rev Bras Med Trab 2003; 1(1), 56-68.

VILELA EM, MENDES IJM. Interdisciplinaridade e saúde: estudo bibliográfico. Rev Latino-am Enfermagem, julho-agosto 2003; 11(4):525-31.

BOCK, Ana Mercês Bahia. A perspectiva histórica da subjetividade: uma exigência para la psicologia atual. Psicologia para América Latina, n. 1, p. 0-0, 2004.

VALLE, Luiza Elena Leite Ribeiro do. Psicologia Escolar: um duplo desafio. Psicologia: ciência e profissão, v. 23, n. 1, p. 22-29, 2003.

TEIXEIRA, Marco Antônio Pereira. A experiência de transição entre a universidade e o mercado de trabalho na adultez jovem. 2002.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista brasileira de educação, v. 24, p. 5-15, 2003.

Matos GC, Nascimento AC. Impacto dos medicamentos como agentes de intoxicações humanas. Revista Racine 2008 Jan;106(5):59-66.

Lopes, W. F. L. et al. A prática da automedicação entre estudantes de uma instituição de ensino superior de Teresina-PI. Revista Interdisciplinar, Teresina 2014;7(1):17-24.

Meira M. E. M., Antunes M. A. Ma. Psicologia escolar: teorias críticas 2011:79-103.

World Health Organization. The role of the pharmacist in self-care and self-medication. The Hangue: World Health Organization [Internet document] 1998 [cited 2010 Feb 22]; [21 p.]. Disponível em: http://www.opas.org.br/medicamentos/site/UploadArq/who-dap-98-13.pdf

The International Pharmaceutical Federation, The World Self-Medication Industry. Responsible Self-Medication [Internet document] 1999. [cited 2010 Feb 23]; [3p]. Disponível em: http://www.wsmi.org/pdf/fip.pdf

Organización Mundial de la Salud. Promoción del uso racional de medicamentos: componentes centrales. Genebra: Organización Mundial de la Salud 2002. Disponível em: http://www.who.int/medicinedocs/collect/edmweb/pdf/s4874s/s4874s.pdf

Associação Médica Brasileira. Automedicação. Rev Assoc Med Bras 2001; 47(4):269-270.

Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet. 2011;377(9779):1778-97.

AMARAL, Márcia A. do Atenção à saúde mental na rede básica: estudo sobre a eficácia do modelo assistencial Departamento de Medicina Preventiva e Social da 29 Faculdade de Medicina da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP – Brasil Resumo da dissertação de mestrado em Saúde Coletiva, apresentada à Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, em 2005.

MORO, Adriana; VALLE, Juliana Barros de & LIMA, Leandro Prates de. Sintomas depressivos nos estudantes de medicina da Universidade da região de Joinville (SC). Revista Brasileira de Educação Médica, v 29, n 2, maio/agosto, Rio de Janeiro, 2005.

OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Publicado pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos),3ª Edição, 2006.

Collares C. A. L. & Moysés M. A. A. Novas capturas, antigos diagnósticos da era dos transtornos: memórias do II seminário internacional educação medicalizada: dislexia, TDAH e outros supostos transtornos, 2017;9-13.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n4.1690g333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS