Utilização de recursos de tele-educação em um hospital universitário da região oeste do Paraná

Phallcha Luízar Obregón, Carina Costa Perez

Resumo


OBJETIVO: Identificar a utilização do serviço de telemedicina no Hospital Universitário, Cascavel - PR, no período de 2010 a 2017. MÉTODO: estudo descritivo e quantitativo, foram utilizados dados secundários e aplicado questionário para 65 participantes. Assim, foram registrados o número de usuários, as videoconferências, a infraestrutura, os equipamentos, os recursos humanos e a satisfação dos usuários. RESULTADOS: Observou-se uma média de 38 videoconferências no período do estudo, com um crescimento no número de usuários e no número de videoconferências em relação ao início das atividades. As áreas mais utilizadas foram: teledermatologia, saúde da criança e adolescente, telecoloproctologia e neurologia. O setor começou a ser utilizado por outras áreas e por outros profissionais do Hospital Universitário do Oeste do Paraná devido às melhorias na infraestrutura. As atividades foram centralizadas na tele-educação e as ações de tele-assistência ficaram prejudicadas por falta de investimento no setor e nos municípios envolvidos. A satisfação da totalidade dos usuários (65) revelou que o serviço de telemedicina tem se mostrado eficaz. CONCLUSÃO: O setor apresenta um grande potencial e tem contribuído para a melhoria no que tange a qualidade de ensino, no entanto, precisa de maiores investimentos para integrar-se aos serviços de saúde.


Palavras-chave


Telemedicina; tecnologia de informação; pessoal de saúde; educação a distância.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Lima CMA, Monteiro AMV, Ribeiro EB, Portugal SM, Silva LSX, João Junior M. Videoconferências. Sistematização e experiências em Telemedicina. Radiol. Bras. 2007; 40(5): 341–344.

Kodukula S, Nazvia M. Evaluation of Critical Success Factors for Telemedicine Implementation. IJCA. 2011; 12, 10.

Broens TH, Huis In't Veld RM, Vollenbroek-Hutten MM, Hermens H.J, Van Halteren AT, Nieuwenhuis LJ. Determinants of successful telemedicine implementations: a literature study. J Telemed Telecare. 2007; 13: 303-9.

Chao L W. Telemedicina e Telessaúde - Um panorama no Brasil. Opinião - Informática Pública. 2008; 2: 7-15.

Mariani A W, Fernandes PMP. Telemedicina: uma revolução tecnológica. São Paulo Medical Journal. 2012; 130 (5): 277-278.

Programa Telessaúde Paraná Redes no Estado do Paraná em consonância com o Programa Telessaúde Brasil Redes. RESOLUÇÃO SESA Nº 408/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9001, de 17/07/13). [Internet] 2013. [citado 17 jun 2018] Disponível em: www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/RESOLUCAO2013/Resolucao4082013.pdf

Edirippulige S, Armfield NR. Education and training to support the use of clinical telehealth: A review of the literature. J. Telemed. Telecare. 2017; 23(2): 273-282.

Rienits H, Teuss G, Bonney AD. Teaching telehealth consultation skills. The Clinical Teacher, 2015; 13(2): 119-123.

Núcleo de Telemedicina e Telessaúde do HUOP. [Internet]. 2016 [citado 24 out 2016] Disponível em:http://www5.unioeste.br/portal/huop/nucleos/telemedicina-telessaude

Hospital Universitário do Oeste do Paraná. Dados estatísticos. [Internet] 2018. [citado 17 jun 2018] Disponível em: https://www5.unioeste.br/portal/huop/institucional/dados-estatisticos-huop

Rede Universitária de Telemedicina - RUTE. [Internet]. (2011). Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). [Internet] 2011. [citado 24 out 2016] Disponível em: http://rute.rnp.br

Messina LA, Simões N, Araújo G, Caetano D, Coury W, Filho JLR, Macedo V, Moraes M, Verde TL. A Rede Universitária de Telemedicina – RUTE. [Internet] 2016. [citado 24 out 2016] Disponível em: https://rute.rnp.br/c/document_library/

Guedes ACCM, Síndico SRF. Implantação de telessaúde em hospital de alta complexidade: o desafio de construir campo de interlocução entre o desenvolvimento tecnológico e a qualificação em saúde. J. Bras. Tele. 2014; 3(2): 56-63.

Silva EA. A telessaúde e seus impactos na formação continuada dos profissionais de saúde em rede. EmRrede - Revista de Educação a distância. 2017; 4(1): 116-129.

Souza MeTA; Oliveira SR. O uso das tecnologias de informação e comunicação para a teleducação em oncologia: contribuições e desafios. RE. SAÚD. DIGI. TEC. EDU. Fortaleza, CE. 2016; 1(1): 42-58.

Almino MAFB, Rodrigues SR, Barros KSB, Fonteles AS, Alencar LBL, Lima LL, Jorge MSB. Telemedicina: um Instrumento de Educação e Promoção da Saúde Pediátrica. Rev. Bras. Educ. Med. 2014; 38(3): 397–402.

Medeiros RM, Morais AHF, Valentim RAM, Hékis HR, Dantas MCR, Barros DMS, Grandão GB. Uma análise de desempenho da rede metropolitana de telemedicina dos hospitais universitários da cidade de Natal-RN/Brasil. HOLOS 2014, 30(4): 153-174.

Soirefmann M, Blom MB, Leopoldo L, Cestari TF. Telemedicina: uma revisão da literatura. Revista HCPA. 2008; 28: 116-9.

Pereira BM, Calderan TR, Silva MT, Silva AC, Mattos ACJR, Fraga GP. (2012). Initial experience at a university teaching hospital from using telemedicine to promote education through video conferencing. Medical Journal. 2012; 130(1): 32-6.

Basile FRM, Amate FC, López LJR. Desenvolvimento Colaborativo em Telemedicina e Telessaúde para Educação, Assistência e Pesquisa: Estudo de Caso Lab.-Brasil/Tigum-Colômbia. Revista Academia y Virtualidad. 2016; 9(1): 123-141.

Salvador ME, Moreira RS, Hiromi LT, Pereira SR, Carmagnani MIS. Uso de videoconferência para discussão de temas sobre gestão de enfermagem em hospitais universitários. Acta Paul Enferm. 2010; 23(5): 705-7.

Rios MZ, Barreira-Nielsen C, Pacheco KTS, Nascimento RM. A teleducação como ferramenta de capacitação na atenção primária. Anais do Congresso Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. 2017; 1: 1-3.

Arantes ACC, Cardozo ATS, Frajhof L, Fiorini ST. Usabilidade da telemedicina como uma plataforma de ensino Colaborativo para estudantes de medicina. J Bras Tele. 2013; 2(4): 79-85.

Oliveira LR, Cortez PC, Carvalho A. Telemedicina e interiorização da medicina O projeto da Universidade Federal do Ceará e suas implicações para a educação em saúde. [Internet] 2018. [citado 06 jun 2018] Disponivel em: telemedicina.unifesp.br/pub/SBIS/CBIS2004/trabalhos/arquivos/26.pdf.

Boatin A, Ngonzi J, Bradford L, Wylie B, Goodman A, Open J. Teaching by teleconference: a model for distance medical education across two continents. Obstet Gynecol. 2015; 5: 754-761.

Pathipati A S, Azad TD, Jethwani K. Telemedical Education: training digital natives in telemedicine. J Med Internet Res. 2016; Jul 12; 18(7): e193.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p89-102

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.1812g372

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS