Resolubilidade dos serviços ofertados na estratégia saúde da família: discurso de homens

Saemya dos Santos Palmeira, Tallita Moura Pereira, Tatiane Lôbo de Almeida, Anderson Reis de Sousa, Delmo de Carvalho Alencar

Resumo


Objetivo: Descrever a percepção de homens sobre a resolubilidade dos serviços de saúde ofertados pela Estratégia Saúde da Família. Métodos: Trata-se de estudo qualitativo, em que os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada junto a quinze homens adscritos em área de abrangência de uma equipe da Estratégia Saúde da Família do município de Feira de Santana-BA, Brasil. Os depoimentos foram trabalhados de acordo com a Análise de Conteúdo, segundo Bardin, na qual emergiram as categorias: “Desconhecimento das ações direcionadas à saúde de homens implementadas na Estratégia Saúde da Família” e “Limitações estruturais dos serviços ofertados pela Estratégia Saúde da Família que implicam na resolubilidade e na qualidade do atendimento”. Resultados: Revelaram opiniões heterogêneas quanto aos serviços oferecidos pela referida Estratégia, com predomínio de julgamentos negativos em virtude da dificuldade em conseguir consulta médica e demora na marcação de exames, além da escassez de profissionais e médicos especialistas nos serviços de atenção primária. Conclusão: Constatou-se necessidade de haver reestruturação nas unidades básicas de saúde, bem como na atuação dos profissionais, com vistas a atender as demandas de saúde da população masculina.

Palavras-Chave: Estratégia Saúde da Família; Integralidade em Saúde; Saúde do Homem; Saúde Pública.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Integralidade em Saúde; Saúde do Homem; Saúde Pública

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Silva AN, Silva SA, Silva ARV, Araújo TME, CBA Rebouças, et al. A avaliação da atenção primária a saúde na perspectiva da população masculina. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2018;71(2):255-63. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v71n2/pt_0034-7167-reben-71-02-0236.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Série E. Legislação em Saúde. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2012;110p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Machin R, Couto MT, Silva GSN, Schraiber LB, Gomes R, Figueiredo WS, et al. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2011;16(11):4503-12. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/a23v16n11.pdf

Gomes R, Rebello LEFS, Nascimento EF, Deslandes SF, Moreira MCN. A atenção básica à saúde do homem sob a ótica do usuário: um estudo qualitativo em três serviços do Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2011;16(11):4513-21. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/a24v16n11.pdf

Silva CSO, Fonseca ADG, Souza LPS, Siqueira LG, Belasco AGS, Barbosa DA. Integralidade e Atenção Primária à Saúde: avaliação sob a ótica dos usuários. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2014;19(11):4407-15. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/v19n11/1413-8123-csc-19-11-4407.pdf

Fracolli LA, Gomes MFP, Nabão FRZ, Santos MS, Cappellini VK, Almeida ACC. Instrumentos de avaliação da Atenção Primária à Saúde: revisão de literatura e metassíntese. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2014;19(12):4851-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n12/pt_1413-8123-csc-19-12-04851.pdf

Lima L, Pires DEP, Forte ECN, Medeiros F. Satisfação e insatisfação no trabalho na atenção básica. Esc Anna Nery. [Internet]. 2014;18(1):17-24. Disponível em: http://revistaenfermagem.eean.edu.br/detalhe_artigo.asp?id=993

Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Castro Junior EF, Barreto LA, Rosa LRS, Lima LL. Resolubilidade do cuidado em saúde mental na Estratégia Saúde da Família: representação social de profissionais e usuários. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2014; 48(6):1062-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n6/pt_0080-6234-reeusp-48-06-1062.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP): Edições 70; 2011.

Cavalcanti JRD, Ferreira JA, Henriques AHB, Morais GSN, Trigueiro JVS, Torquato IMB. Assistência integral à saúde do homem: necessidades, obstáculos e estratégias de enfrentamento. Esc Anna Nery. [Internet]. 2014;18(4):628-634. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0628.pdf

Brito RS, Santos DLA. Entraves para a implementação de programas assistenciais dirigidos ao público masculino: visão de profissionais de saúde. Rev enferm UERJ. [Internet]. 2013;21(esp.1):654-9. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v21nesp1/v21e1a16.pdf

Moura EC, Santos W, Neves ACM, Gomes R, Schwarz E. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2014; 19(2):429-438. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n2/1413-8123-csc-19-02-00429.pdf

Arruda GO, Marcon SS. Reflexões sobre o cuidado ao homem adulto doente no âmbito familiar: uma perspectiva de gênero. Rev Enferm UFSM. [Internet]. 2016; 6(2):298-306. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/19344/pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Arruda GO, Corrêa ACP, Marcon SS. Fatores associados aos indicadores de necessidades em saúde de homens adultos. Acta Paul Enferm. [Internet]. 2014; 27(6):560-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v27n6/1982-0194-ape-027-006-0560.pdf

Sousa AP, Silva PES, Dias RS, Azevedo PR, Silva LDC. Avaliação da política de atenção integral à saúde do homem. Rev Enferm UFPI. [Internet]. 2015;4(3):65-70. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/4304/pdf

Ferrer-Arnedo C, Santamaría-García JM, Fernández-Batalla M, Salazar-Guerra R. The value of nursing care in the paradigm of chronicity and dependency. New roles and redesigns. Invest Educ Enferm. [Internet]. 2014; 32(3):488-97. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25504415

Moraes VD, Campos CEA, Brandão AL. Estudo sobre dimensões da avaliação da Estratégia Saúde da Família pela perspectiva do usuário. Physis. [Internet]. 2014; 24(1):127-146. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v24n1/0103-7331-physis-24-01-00127.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n4.1836g328

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS