Análise técnica das bulas dos antibióticos utilizados contra tuberculose

Gabriella de Carvalho Madureira, Larissa Comarella

Resumo


Objetivo: Descrever a apresentação das informações presentes nas bulas dos antibióticos utilizados no tratamento da tuberculose conforme as exigências da ANVISA. Metodologia: Trata-se de um estudo exploratório, descritivo e reflexivo da estrutura e conteúdo das bulas adquiridas através do site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Verificou-se se os itens apresentados são aqueles exigidos pela portaria regulamentadora. As informações destinadas ao paciente foram refletidas, buscando compreender se essas são objetivas, organizadas e escritas numa linguagem compreensível ao público. Resultados: Detectou-se, na estrutura geral, a ausência de alguns tópicos preconizados pela portaria regulamentadora. Na seção de informação aos pacientes notou-se ausência de algumas informações, bem como informações com variado grau de precisão, a exemplo da ausência da ação esperada do medicamento, imprecisão nos cuidados de armazenamento, e uso de frases subjetivas como ‘refeições leves’ e ‘problemas no sangue’. Conclusão: O desenvolvimento desse estudo corrobora com outras pesquisas realizadas, onde algumas exigências legais não foram cumpridas. É possível inferir que as bulas atendem a maioria dos requisitos, porém, necessitam de adequações. Salienta-se a importância dos profissionais de saúde esclarecerem dúvidas sobre o uso desses antibióticos aos seus usuários, e assim contribuir para uma terapia medicamentosa de sucesso.


Palavras-chave


Medicamentos; Legislação Sanitária; Vigilância Sanitária.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Portaria nº 110, de 10 de março de 1997. Brasília, DF:: Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 1997. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/hotsite/genericos/legis/portarias/110_97.htm

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Resolução da Diretoria Colegiada nº 47, de 08 de setembro de 2009. Brasília, DF:: Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2009. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33836/2814380/RDC+47+09.pdf/c8e87008-a27d-435e-b137-f51e02e45858

Silva T, Dal-Pizzol F, Bello CM, Mengue SS, Schenkel EP. Bulas de medicamentos e a informação adequada ao paciente. Revista Saúde Pública, 2000[acesso 20 nov 2016];34(2): 184-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v34n2/1955.pdf

Silva JD, Passos MMB, Simas NK, Santos MIS . Qualidade das bulas de fitoterápicos no Brasil. Vigilância Sanitária em Debate, 2016 [acesso 10 dez 2016]; 4(2):56-64. Disponível em https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/677/302

Ministério da Saúde – MS. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Brasília, DF:: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/tubercbr.def

Ministério da Saúde – MS. Manual da Tuberculose na Atenção Primária à Saúde. Brasília, DF:: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2206g497

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS