Experiência do projeto vidas paralelas migrantes no Brasil: narrativas imagéticas sobre o trabalho e suas repercussões sobre a saúde

Maria da Graca Luderitz Hoefel, Denise Osório Severo, Claudia Washington

Resumo


Trata-se do relato de uma pesquisa-ação, de abordagem qualitativa, que constitui um projeto ampliado de cooperação internacional entre Brasil e França.Constitui um recorte da referida pesquisa e visa estritamente compreender a realidade de trabalho de migrantes situados em Brasília e as características que tem permeado seus processos de reinserção profissional, bem como suas repercussões sobre a saúde dos migrantes, revelados a partir de narrativas imagéticas. Os dados são oriundos de 11 “Oficinas de Fotografia e Direitos Humanos” realizadas com migrantes em Brasília, em 2017. O método de análise adotado ancora-se na metodologia de Análise de Imagem elaborada por Hoefel (2016) e Análise de Conteúdo de Bardin (1977).O trabalho foi a principal questão abordada pelos migrantes ea busca por um emprego constitui o principal objetivo e também um dos maiores obstáculos existentes, haja vista a inexistência de oportunidades de trabalho. Dentre as principais razões para o desafio da reinserção profissional destacam-se as dificuldades da língua e a ausência de reconhecimento de diplomas de formação. Nota-se que o trabalho destaca-se como questão estruturante da vida e da saúde dos migrantes, constituindo também elemento determinante do processo de inclusão social. Percebe-se a necessidade urgente de construção de políticas públicas que articulem o trabalho e a saúde, favorecendo a geração de emprego e renda e a promoção da saúde dos migrantes. 


Palavras-chave


trabalho; migração; saúde;

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Hoefel, MGL; Severo, DO ; Personnz, V.; Le Gal, T.; Blanc, E.; Camilo, M; Regnault, B.; Valat, C. Exposition Photographique du Projet Vies Parallèles (Catalogue), Universidade de Brasília, 2016.

Hoefel, MGL. Projeto Vidas Paralelas: relações entre a imagem, a estética e a política. Relatório de Pesquisa de Pós-Doutorado, Universidade de Brasília, 2016.

Maffesoli, M. Elogio da Razão Sensível. 4 edição, Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

Rancière, J. Le partage du sensible: esthétique et politique. Paris: La fabrique Éditions, 2000.

Dutra, D; Almeida, S; Tonhati, T; Palermo, G. Os estrangeiros no mercado de trabalho formal brasileiro : Perfil geral na série 2011, 2012 e 2013. Revista Périplos, v.1, n.2, 2015, p.74-135.

Vargas, FB. Trabalho, Emprego e Precariedade: dimensões conceituais em debate. Caderno CrH, Salvador, v. 29, n. 77, p. 313-331, Maio/Ago. 2016.

Cavalcanti, L; Tonhati, T. Características sociodemográficas e laborais da imigração haitiana no Brasil. Revista Périplos. v.1, n.1, 2017, p.68-71.

Audebert, C. The recent geodynamics of Haitian migration in the Americas: refugees or economic migrants? IN R. bras. Est. Pop., Belo Horizonte, v.34, n.1, p.55-71, jan./abr. 2017.

Audebert, C. La diaspora haïtienne: territoires migratoires et réseaux transnationaux. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2012.

Vasquez, T.; Busse, E.; Izaguirre, L. La migracion haitiana en Peru y su transito hacia Brasil. In: ORGANIZACIÓN INTERNACIONAL PARA LAS MIGRACIONES. La migración haitiana hacia Brasil: características, oportunidades y desafíos. Buenos Aires: OIM, 2014. p. 83-105 (Cuadernos Migratorios, n. 6).

Handerso, J; Joseph, R. M. As Relações de Gênero, de Classe e de Raça: mulheres migrantes haitianas na França e no Brasil IN Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas v.9, n.2, 2015.

Assis, G. O. Mulheres migrantes no passado e no presente: gênero, redes sociais e migração internacional in EstudosFeministas, Florianópolis,15(3):336,setembro-dezembro/2007

Dejours, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

Antunes, R. Século XXI: nova era da precarização estrutural do trabalho? In: SEMINÁRIO NACIONAL DE SAÚDE MENTAL E TRABALHO, 2008, São Paulo. Anais eletrônicos. São Paulo, FUNDACENTRO, 2008, Mesa 1. Disponível em: http://www.fundacentro.gov.br/Arquivos/sis/EventoPortal/AnexoPalestraEvento/Mesa%201%20-%20Ricardo%20Antunes%20texto.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2209g384

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS