Atenção a saúde de imigrantes haitianos em Chapecó/SC

Gelvani Locateli, Natanael Chagas, Jean Wilian Bender, Cláudio Claudino da Silva Filho

Resumo


O presente artigo objetiva contextualizar a situação da imigração dos haitianos no país, focando na migração no estado de Santa Catarina, trazendo aspectos demográficos dessa população no território proposto. Métodos: através de estudo descritivo qualitativo, contando com a percepção dos autores mediante à temática do estudo. A obtenção de dados realizou-se por meio da pesquisa em capítulos de livros, artigos, resumos publicados em anais de eventos, monografias, dissertações e teses nos bancos de dados da Biblioteca Virtual da Saúde (BVS), Scholar Google, Scielo e PubMed, no período de 2010 à 2018. Resultados: A vinda de haitianos no país iniciou-se em 2010 com o terremoto no país. Desde então, 60 mil haitianos vivem no país, 60% deles residem na região sul. Em Chapecó/SC residem 2500 haitianos, o que hoje, é uma das cidades que mais recebem imigrantes, dando aos governantes um grande desafio para o pronto estabelecimento à eles, perpassando pelas oportunidades de emprego, como pelas assistenciais, dentre elas à saúde, que são garantias constitucionais. Considerações finais: pela escassez de dados, motivado pelo último Censo Demográfico, realizado em 2010, a análise se deu de modo empírico. Para melhor entendimento, é necessário novos estudos e levantamentos para que se possa realizar uma melhor assistência de maneira mais efetiva.

Palavras-chave


Assistência à Saúde; Sistema Único de Saúde; Migração Humana.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Bordignon SAF, Langoski DT. GEIROSC - grupo de estudo sobre imigrações para a região oeste de Santa Catarina: apoio e atendimento ao imigrante. Braz. J. Develop.2018; 4(3): 750-65.

Risson AP, Magro MLPD, Lajús MLS. Imigração e trabalho precário: reflexões acerca da chegada da população haitiana no oeste de Santa Catarina. Periplos. 2017; 1(1): 144-52.

Bernartte ML, Bordignon SAF, Piovesana L, Giacomini T. Movimento migratório no sul do Brasil: o caso dos haitianos no Oeste Catarinense. VII Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional, Globalização em Tempos de Regionalização – Repercussões no Território Santa Cruz do Sul, RS, Brasil, 9 a 11 de setembro de 2015.

Brasil. Ministério da Justiça. Comitê Nacional para os Refugiados. CONARE. O reconhecimento dos refugiados pelo Brasil. Decisões comentadas do CONARE. Brasília, DF: Servidéias, 2012.

Staudt T, Ribeiro VS. Haitianos no Oeste Catarinense: as interações sociais entre imigrantes e brasileiros e suas representações nos meios midiáticos da região. Anais do SIEPE - Seminário de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFFS, v. VII, 2017.

Risson AP, Matsue RY, Lima ACC. Atenção em Saúde aos imigrantes haitianos em Chapecó e suas dimensões étnico-raciais. O Social em questão. 2018; 21(41): 111-130.

Zeni K, Filippim ES. Migração haitiana para o Brasil: acolhimento e políticas públicas. Pretexto. 2014; 15(2): 11-27.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Casa civil 1990 a. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm>Acesso em: 01 Jun. 2017.

Castilho F, Nering É, Passos MY. Reflexões teóricas sobre a produção científica: métodos de pesquisa social na área dos estudos de comunicação. Conexão - Comunicação e Cultura. 2015; 14(27):83-107.

Carvalho BG, Peduzzi M, Mandú ENT, Ayres JRCM. Trabalho e intersubjetividade: reflexão teórica sobre sua dialética no campo da saúde e enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012; 20(1): 1-8.

Bezerra IMP, Sorpreso ICE. Conceitos de saúde e movimentos de promoção da saúde em busca da reorientação de práticas. J. Hum. Growth. Dev. 2016; 26(1): 11-16.

Tomazelli P, Lise FA. Imigração e sofrimento mental: formas de sofrimento mental enfrentadas por haitianos ao chegarem ao Brasil. in Beal D et al. Conhecimento em pauta: artigos científicos. Chapecó: Editora Unoesc, 2017.

Assis NM, Martins LL, Souza LMM, Nicolao IA, Souza NM. Acolhimento de imigrantes haitianos via integração ensino-serviço-pesquisa na atenção primária à saúde: relato de experiência. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade. 2017; 12(39): 1-9.

Santos FV. A inclusão dos imigrantes internacionais nas políticas do sistema de saúde brasileiro: o caso dos haitianos no Amazonas. História, Ciências, Saúde. 2016; 23(2): 477-94.

Leão LHC, Muraro AP, Palos CC, Martins MAC, Borges FT. Migração internacional, saúde e trabalho: uma análise sobre os haitianos em Mato Grosso, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017; 33(7): 1-7.

Baeninger R, Peres R. R. Migração de crise: a migração haitiana para o Brasil. Rev. Bras. Est. Pop., Belo Horizonte, v.34, n.1, p.119-143, jan./abr. 2017.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2237g387

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS