Avaliação e motivos para busca de serviços de saúde pelos usuários da estratégia de saúde da família da cidade de Boa Vista – RR

Ayrton Almeida-Silva, Ana Karolyni Sanches Lima, Ramyres Carolaynne Lopes Silva, Mariana Souza Oliveira, Paulo Sérgio da Silva, Loeste de Arruda Barbosa

Resumo


Objetivos: identificar as principais necessidades de saúde que levam os usuários a buscarem as unidades de estratégia de saúde da família (UESF’s) e conhecer a avaliação dos usuários diante dos serviços básicos de saúde ofertados no município de Boa Vista - Roraima. Metodologia: Estudo descritivo com abordagem qualitativo realizado em 5 Unidades Básicas de Saúde com 15 usuários da Atenção Primária da cidade de Boa Vista-RR, Brasil. O estudo ocorreu no período de setembro a outubro de 2018. Aplicou-se entrevista semiestruturada e gravada. Utilizou-se a técnica de análise de conteúdo temática. Resultados: motivos de busca dos usuários pelas UESFs por consultas médicas e odontológicas, tratamento medicamentoso de doenças crônicas, acompanhamento de pré-natal e vacinação. Todas as buscas por estes serviços de saúde foram marcadas por um potente discurso biológico que nos obrigou a discutir as determinações do modelo biomédico nas práticas de cuidar realizadas pelos profissionais de saúde na atenção primária. O que se atestou, pela maioria dos entrevistados foi uma avaliação positiva das UESFs, com uma agradável avaliação das visitas domiciliares realizadas pelos profissionais de saúde. As avaliações negativas foram decodificadas pela falta/falhas de recursos materiais e pessoais o que comprometeu a qualidade da assistência prestada à população. Conclusão: os serviços de saúde são bem avaliados pela maior parte dos usuários e os principais motivos de buscas por esses serviços ainda se assentam em uma perspectiva biomédica de assistência em saúde.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Atenção Primária à Saúde; Pacientes; Avaliação; Serviços de Saúde.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


- Portugal. Ministério da Saúde. Administração Central do Sistema de Saúde. Metodologia de contratualização para os cuidados de saúde primários no ano de 2013. Disponível em: http://www2.acss.min-saude.pt/Portals/0/Metodologia_2013_CSP.pdf Acesso em 08.09.2018.

- Barbosa SP, Elizeu TS, Penna CMM. Ótica dos profissionais de saúde sobre o acesso à atenção primária à saúde. Ciênc saúde coletiva. 2013; 18(8): 2347-2357.

- Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2017 set. 21 [acesso em 8 Nov 2018]. Disponível em http://www.brasilsus.com.br/index.php/legislacoes/gabinete-do-ministro/16247-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017.

- Vieira AST, Miranda MSL, Emmi DT, Pinheiro HHC, Barroso RFF, Araújo MVA. Percepção dos usuários de serviços de saúde da atenção básica no estado do Pará. Rev. Bras. Pesq. Saúde. 2016; 18(3): 58-64.

- Lima EFA, Sousa AI, Leite FMC, Lima RCD, Souza MHN, Primo CC. Avaliação da Estratégia Saúde da Família na Perspectiva dos Profissionais de Saúde. Esc. Anna Nery. 2016; 20(2): 275-280.

- Oliveira MM, Pinto IC, Coimbra VCC, Oliveira EM, Alves PF, Cruz VD. Avaliação da aceitabilidade do usuário/família sobre a Estratégia Saúde da Família. Rev. APS. 2017; 20(2): 159 - 166.

- Arruda-Barbosa L, Dantas TM, Oliveira CC. Estratégia Saúde da Família: avaliação e motivos para busca de serviços de saúde pelos usuários. Rev Bras Promoç Saúde. 2011; 24(4): 347-354.

- IBGE. Censo Demográfico [Internet]. 2018 [acesso em 24 Mai 2018]. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rr/boa-vista/panorama

– Arantes LJ, Shimizu HE, Merchán-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(5): 1499-1510.

- Benjumea CC. La calidad de la investigación cualitativa: de evaluarla a lograrla. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(3): 883-90.

- Gale NK, Heath G, Cameron E, Rashid S, Redwood S. Using the framework method for the analysis of qualitative data in multi-disciplinary health research. BMC Medical Research Methodology. 2013; 13: 117.

- Saunders B, Sim J, Kingstone T, Baker S, Waterfield J, Bartlam B, Burroughs H, Jinks C. Saturation in qualitative research: exploring its conceptualization and operationalization. Qual Quant. 2018; 52: 1893–1907.

- Fusch PI, Ness LR. Are We There Yet? Data Saturation in Qualitative Research. The Qualitative Report. 2015; 20(9), 1408-1416.

- Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70; 2008.

- Esmeraldo GROV, Oliveira LC, Filho CEE, Queiroz DM. Tensão entre o modelo biomédico e a estratégia saúde da família: a visão dos trabalhadores de saúde. Rev. APS. 2017; 20(1): 98 – 106.

- Oliveira RG. Práticas de saúde em contextos de vulnerabilização e negligência de doenças, sujeitos e territórios: potencialidades e contradições na atenção à saúde de pessoas em situação de rua. Saúde Soc. 2018; 27(1): 37-50.

- Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. The health care model: concepts and challenges for primary health care in Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(6): 1869-1878.

- Tesser CD, Poli-Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(3): 3615-3624.

- Santos DS, Mishima SM, Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciênc. saúde coletiva. 2018; 23(3): 861-870.

- Brasil. Ministério da Saúde. Assistência Pré-Natal: manual técnico [internet]. Brasília (DF): Secretaria de Políticas de Saúde; 2000 [acesso em 8 Nov 2018]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_11.pdf.

- Gonçalves R, Urasaki MBM, Merighi MAB, D'Avila CG. Avaliação da efetividade da assistência pré-natal de uma Unidade de Saúde da Família em um município da Grande São Paulo. Rev. bras. enferm. 2008; 61(3): 349-353.

- Guimarães TMR, Alves JGB, Tavares MMF. Impacto das ações de imunização pelo Programa Saúde da Família na mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda, Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(4): 868-876.

- Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia [INTERNET]. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002 [acesso em 8 Nov 2018]. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=14609.

- Ribeiro ACL, Ferla AA. Como médicos se tornaram deuses: reflexões acerca do poder médico na atualidade. Psicologia em Revista. 2016; 22(2): 294-314.

- Baião BS, Oliveira RA, Lima VVPC, Matos MV, Alves KAP. Acolhimento humanizado em um posto de saúde urbano do Distrito Federal, Brasil. Rev. APS. 2014; 17(3): 291-302.

- Aguiar NLT, Ribeiro MA, Albuquerque IMN, Balica HLL, Silveira NC. Análise do acolhimento na estratégia Saúde da Família de Sobral (Ceará): discurso do sujeito coletivo de enfermeiros. Rev Espaço para a Saúde. 2018; 19(1): 45-56.

- Kebian LVA, Acioli S. A visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde da Estratégia Saúde da Família. Rev. Eletr. Enf [internet]. 2014 [acesso em 7 Nov 2018]; 16(1): 161-169. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i1.20260.

- Albuquerque ABB, Bosi MLM. Visita domiciliar no âmbito da Estratégia Saúde da Família: percepções de usuários no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(5): 1103-1112.

- Barbosa LA, Oliveira CC, Dantas TM. Percepção de usuários da atenção primária sobre a Estratégia de Saúde da Família. Sau. & Transf. Soc. 2012; 3(4): 37-43.

- Andrade VMP, Cardoso CL. Visitas Domiciliares de Agentes Comunitários de Saúde: Concepções de Profissionais e Usuários. Psico-USF. 2017; 22(1): 87-98.

- Barbosa DCM, Mattos ATR, Corrêa MH, Faria M, Ribeiro LC, Santos LL, et al. Visita domiciliar sob a percepção dos usuários da estratégia saúde da família. Medicina (Ribeirão Preto). 2016; 49(4): 360-366.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2241g390

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS