Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica: revisão integrativa da literatura

Alline Lam Orué, Albert Schiaveto de Souza, Alcindo Antônio Ferla, Débora Dupas Gonçalves do Nascimento, Mara Lisiane de Moraes dos Santos

Resumo


Objetivos: Este estudo tem como objetivo analisar a produção de conhecimento acerca do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica. Fonte dos dados: Foi realizada uma revisão integrativa de publicações das bases científicas, no período de 2008 a 2018. A amostra foi constituída por 62 publicações e a análise desta permitiu a identificação de seis eixos temáticos: formação e competências profissionais; implantação e expansão; condições de trabalho; apoio institucional e matricial; interdisciplinaridade e intersetorialidade; organização e processo de trabalho e; avaliabilidade. Resumo das conclusões: Tendo em vista a recente proposição do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica, verificou-se que a contribuição da literatura científica sobre esta equipe é diversificada e engloba aspectos que vão desde a formação dos profissionais até a consolidação do apoio matricial no cotidiano da prática. Mostrou-se também heterogênea quanto ao número de publicações referente às diversas regiões do Brasil e o predomínio da abordagem por categoria profissional em detrimento da interdisciplinar. Emergiram lacunas a serem exploradas no tocante à avaliação e monitoramento das ações desenvolvidas pelo Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica, assim como a necessidade de fortalecer e consolidar esta Política Pública de Saúde no âmbito da Atenção Básica.


Palavras-chave


Atenção primária à saúde. Estratégia saúde da família. Equipe de assistência ao paciente.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. 24 Out 2011.

Costa GD, Cotta RMM, Ferreira MLSM, et al. Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistencial. Rev. bras. enferm. 2009 Jan-Fev; 62(1):113-18.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família – Volume 1: ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Brasília: MS, 2014.

Lancman S, Gonçalves RMA, Cordone NG, et al. Estudo do trabalho e do trabalhar no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev. saúde pública. 2013; 47(5):968-75.

Iglesias A, Avellar LZ. Apoio Matricial: um estudo bibliográfico. Ciênc. Saúde Colet. 2014; 19(9):3791-8.

Lessa G, Kuehlkamp VM, Erdmann AL, et al. Análise de políticas públicas de saúde: revisão narrativa. Cogitare enferm. 2015 Jan-Mar; 20(1):191-7.

Barros JO, Gonçalves RMA, Kaltner RP, et al. Estratégia do apoio matricial: a experiência de duas equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de São Paulo, Brasil. Ciênc. Saúde Colet. 2015; 20(9):2847-56.

Cela M, Oliveira IF. O psicólogo no Núcleo de Apoio à saúde da Família: articulação de saberes e ações. Estud. psicol. (Natal). 2015 Jan-Mar; 20(1):31-9.

Gonçalves RMA, Lancman S, Sznelwar LI, et al. Estudo do trabalho em Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), São Paulo, Brasil. Rev. bras. saúde ocup. 2015; 40(131):59-74.

Leite DF, Nascimento DDG, Oliveira MAC. Qualidade de vida no trabalho de profissionais do NASF no município de São Paulo. Physis (Rio J.). 2014; 24(2):507-25.

Lima ACS, Falcão IV. A formação do terapeuta ocupacional e seu papel no Núcleo de Apoio à Saúde da Família – NASF do Recife, PE. Cad. Ter. Ocup. UFSCar (Impr.). 2014; 22(1):3-14.

Molini-Avejonas DR, Aboboreira MS, Couto MIV, et al. Inserção e atuação da Fonoaudiologia nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. CoDAS. 2014; 26(2):148-54.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo). 2010; 8(1):102–6.

Silva EL, Menezes EM. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

Formiga NFB, Ribeiro KSQS. Inserção do fisioterapeuta na Atenção Básica: uma analogia entre experiências acadêmicas e a proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Rev. bras. ciênc. saúde. 2012; 16(2):113-22.

Fernandes TL, Nascimento CMB, Sousa FOS. Análise das atribuições dos fonoaudiólogos do NASF em municípios da região metropolitana do Recife. Rev. CEFAC. 2013; 15(1):153-59.

Fragelli TBO, Shimizu HE. Competências profissionais para o trabalho do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev. APS. 2014 Jul-Set; 17(3):334-44.

Lancman S, Barros JO. Estratégia de saúde da família (ESF), Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e terapia ocupacional: problematizando as interfaces. Rev. ter. ocup. 2011 Set-Dez; 22(3):263-9.

Santos SFS, Benedetti TRB. Cenário de implantação do Núcleo de Apoio a Saúde da Família e a inserção do profissional de educação física. Rev. bras. ativ. fís. saúde. 2012 Jun; 17(3):188-94.

Silva ATC, Aguiar ME, Winck K, et al. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: desafios e potencialidades na visão dos profissionais da Atenção Primária do município de São Paulo, Brasil. Cad. saúde pública. 2012 Nov; 28(11):2076-84.

Silva MAP, Menezes RCE, Oliveira MAA, et al. Atenção Básica em Alagoas: expansão da Estratégia Saúde da Família, do Nasf e do componente alimentação/nutrição. Saúde Debate. 2014 Out-Dez; 38(103):720-32.

Souza D, Oliveira IF, Costa ALF. Entre o especialismo e o apoio: psicólogos no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Psicol. USP. 2015; 26(3):474-83.

Volponi PRR, Garanhani ML, Carvalho BG. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades como dispositivo de mudança na Atenção Básica em saúde. Saúde Debate. 2015 Dez; 39(esp):221-31.

Patrocínio SSSM, Machado CV, Fausto MCR. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: proposta nacional e implementação em municípios do Rio de Janeiro. Saúde Debate. 2015 Dez; 39(esp):105-19.

Martinez JFN, Silva MS, Silva AM. O Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Goiânia (GO): percepções dos profissionais e gestores. Saúde Debate. 2016 Jul-Set; 40(110):95-106.

Reis F, Vieira ACVC. Perspectivas dos terapeutas ocupacionais sobre sua inserção nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de Fortaleza, CE. Cad. Ter. Ocup. UFSCar (Impr.). 2013; 21(2):351-60.

Souza MC, Bomfim AS, Souza JN, et al. Fisioterapia e Núcleo de Apoio à Saúde da Família: conhecimento, ferramentas e desafios. Mundo saúde (Impr.). 2013; 37(2):176-84.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Análise do sofrimento no trabalho em Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Rev. Esc. Enferm. USP. 2016; 50(5):848-54.

Nascimento DDG, Quevedo MP, Oliveira MAC. O prazer no trabalho no núcleo de apoio à saúde da família: uma análise dejouriana. Texto & contexto enferm. 2017; 26(1):1-9.

Bonfim IG, Bastos ENE, Góis CWL, et al. Apoio matricial em saúde mental na atenção primária à saúde: uma análise da produção científica e documental. Interface comun. saúde educ. 2013 Abr-Jun; 17(45):287-300.

Gomes JA, Brito CMD. Apoio matricial e terapia ocupacional: uma experiência de abordagem na saúde da criança. Rev. ter. ocup. 2013 Jan-Abr; 24(1):81-6.

Sampaio J, Martiniano CS, Rocha AMO, et al. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: Refletindo sobre as Acepções Emergentes da Prática. Rev. bras. ciênc. saúde. 2013; 17(1):47-54.

Moura RH, Luzio CA. O apoio institucional como uma das faces da função apoio no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF): para além das diretrizes. Interface comun. saúde educ. 2014; 18(supl 1):957-70.

Bispo Júnior JP, Moreira DC. Educação permanente e apoio matricial: formação, vivências e práticas dos profissionais dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família e das equipes apoiadas. Cad. saúde pública. 2017; 33(9):1-13.

Klein AP, d’Oliveira AFPL. O “cabo de força” da assistência: concepção e prática de psicólogos sobre o Apoio Matricial no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cad. saúde pública. 2017; 33(1):1-10.

Hori AA, Nascimento AF. O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil. Ciênc. Saúde Colet. 2014; 19(8):3561-71.

Santana JS, Azevedo TL, Reichert APS, et al. Núcleo de apoio a saúde da família: atuação da equipe junto à estratégia saúde da família. Rev. pesqui. cuid. fundam. (Online). 2015 Abr-Jun; 7(2):2362-71.

Reis ML, Medeiros M, Pacheco LR, et al. Avaliação do trabalho multiprofissional do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Texto & contexto enferm. 2016; 25(1): 1-9.

Santos WTM, Mandelbaum BPH. Entre o potencial e o precário: a inserção in(tensa) de profissionais da psicologia nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Barbarói, 2016 Jul-Dez; 2(48):168-84.

Silva ICB, Silva LAB, Lima RSA, et al. Processo de trabalho entre a Equipe de Atenção Básica e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev. bras. med. fam. comunidade. 2017; 12(39):1-10.

Gomes MA, Beck CC, Duarte MFS, et al. Ficha antropométrica no Núcleo de Apoio a Saúde da Família: o que medir e para que medir? Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. 2009; 11( 2):243-253.

Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR, et al. Experiência da Fisioterapia no Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter. mov. 2010 Abr-Jun; 23(2):323-30.

Molini-Avejonas DR, Mendes VLF, Amato CAH. Fonoaudiologia e Núcleos de Apoio à Saúde da Família: conceitos e referências. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2010; 15(3):465-74.

Souza SC, Loch MR. Intervenção do profissional de educação física nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios do norte do Paraná. Rev. bras. ativ. fís. saúde. 2011; 16(1):5-10.

Dibai Filho AV, Aveiro MC. Atuação dos fisioterapeutas dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família entre idosos do município de Arapiraca-AL, Brasil. Rev. bras. promoç. saúde (Impr.). 2012; 25(4):397-404.

Oliveira IC, Rocha RM, Cutolo LRA. Algumas palavras sobre o Nasf: relatando uma experiência acadêmica. Rev. bras. educ. méd. 2012; 36(4):574-80.

Reis DC, Flisch TMP, Vieira MHF, et al. Perfil de atendimento de um Núcleo de Apoio à Saúde da Família na área de reabilitação, município de Belo Horizonte, estado de Minas Gerais, Brasil, 2009. Epidemiol. serv. saúde. 2012 Out-Dez; 21(4):663-74.

Sampaio J, Sousa CSM, Marcolino EC, et al. O NASF como dispositivo da gestão: limites e possibilidades. Rev. bras. ciênc. saúde. 2012; 16(3):317-24.

Santeiro TV. Processos clínicos em Núcleos de Apoio à Saúde da Família / NASF : estágio supervisionado. Psicol. ciênc. prof. 2012; 32(4):942-55.

Scabar TG, Pelicioni AF, Pelicioni MCF. Atuação do profissional de educação física no Sistema Único de Saúde: uma análise a partir da Política Nacional de Promoção da Saúde e das diretrizes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família – NASF. J. Health Sci. Inst. 2012; 30(4):411-8.

Anjos KF, Meira SS, Ferraz CEO, et al. Perspectivas e desafios do núcleo de apoio à saúde da família quanto às práticas em saúde. Saúde Debate. 2013 Out-Dez; 37(99):672-80.

Azevedo NS, Kind L. Psicologia nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em Belo Horizonte. Psicol. ciênc. prof. 2013; 33(3):520-35.

Costa LS, Alcântara LM, Alves RS, et al. A prática do fonoaudiólogo nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios paraibanos. CoDAS. 2013; 25(4):381-87.

Souza FLD, Chacur EP, Rabelo MRG, et al. Implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: percepção do usuário. Saúde Debate. 2013 Abr-Jun; 37(97):233-40.

Andrade AF, Lima MM, Monteiro NP, et al. Avaliação das ações da fonoaudiologia no NASF da cidade do Recife. Audiol., Commun. res. 2014; 19(1):52-60.

Bonaldi AP, Ribeiro MD. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: as ações de promoção da saúde no cenário da Estratégia Saúde da Família. Rev. APS. 2014 Abr-Jun;17(2):195-203.

Ribeiro MDA, Bezerra EMA, Costa MS, et al. Avaliação da atuação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev. bras. promoç. saúde (Impr.). 2014 Abr-Jun; 27(2):224-31.

Santos SFS, Benedetti TRB, Medeiros TF, et al. The work of physical education professionals in Family Health Support Centers (NASF): a national survey. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. 2015; 17(6):693-703.

Soleman C, Martins CL. O trabalho do fonoaudiólogo no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) – especificidades do trabalho em equipe na Atenção Básica. Rev. CEFAC. 2015 Jul-Ago; 17(4):1241-53.

Furtado GVN, Knuth AG. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Rio Grande/ RS: percepções sobre o trabalho realizado pela educação física. Rev. bras. ativ. fís. saúde. 2015 Set; 20(5):514-23.

Mais LA, Domene SMA, Barbosa MB, et al. Formação de hábitos alimentares e promoção da saúde e nutrição: o papel do nutricionista nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Rev. APS. 2015 Abr-Jun; 18(2):248-55.

Braghini CC, Ferretti F, Ferraz L. Physiotherapist’s role in the NASF: perception of coordinators and staff. Fisioter. mov. 2016 Oct-Dec; 29(4): 767-76.

Fernandes JM, Rios TA, Sanches VS. NASF’s tools and practices in health of physical therapists. Fisioter. mov. 2016 Oct-Dec; 29(4):741-50.

Macedo MAV, Ximenes-Guimarães JM, Coelho-Sampaio JJ. Análise do processo de trabalho no núcleo de apoio à saúde da família em município do nordeste brasileiro. Rev. gerenc. políticas salud. 2016 Enero-Junio; 15(30):194-211.

Nakamura CA, Leite SN. A construção do processo de trabalho no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: a experiência dos farmacêuticos em um município do sul do Brasil. Ciênc. Saúde Colet. 2016; 21(5):1565-72.

Nóbrega JSM, Azevedo ABF, Faria BS, et al. Avaliação da satisfação dos usuários em relação às ações do Núcleo de Apoio à Saúde da Família num município brasileiro de médio porte. Rev. Ciênc. Plur. 2016; 2(1):69-88.

Oliveira IF, Amorim KMO, Paiva RA, et al. A Atuação do Psicólogo nos NASF: Desafios e Perspectivas na Atenção Básica. Trends Psychol. 2017 Mar; 25(1):291-304.

Panizzi M, Lacerda JT, Natal S, et al. Reestruturação produtiva na saúde: atuação e desafios do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Saúde Debate. 2017 Jan-Mar; 41(112):155-170.

Correia PCI, Goulart PM, Furtado JP. A avaliabilidade dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Saúde Debate. 2017 Mar; 41(esp):345-59.

Ribeiro J, Souza DN, Costa AP. Investigação qualitativa na área da saúde: por quê? Ciênc. Saúde Colet. 2016; 21(8):2324-4.

Knauth, DR, Leal AF. A expansão das Ciências Sociais na Saúde Coletiva: usos e abusos da pesquisa qualitativa. Interface comun. saúde educ. 2014; 18(50):457-67.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Mundo saúde (Impr.). 2010; 34(1):92-6.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: MS, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.124, de 28 de dezembro de 2012. Redefine os parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) Modalidades 1 e 2 às Equipes Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica para populações específicas, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 31 Dez 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 548, de 4 de abril de 2013. Define o valor de financiamento do Piso da Atenção Básica Variável para os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) modalidade 1, 2 e 3. Diário Oficial da União. 5 Abr 2013.

Ceccim RB, Ferla AA. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab. educ. saúde. 2007 Nov-2008 Fev; 6(3):443-56.

Silva NHLP, Cardoso CL. Contribuições da fenomenologia de Edith Stein para a atuação do psicólogo nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Rev. latinoam. psicopatol. fundam. 2013 Jun; 16(2):246-59.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n3.2245g308

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS