Nexos do cuidado de fonoaudiologia e enfermagem em pacientes com disfagia orofaríngea: aprendizagem baseada em problemas como estratégia de ensino

SUELEM FRIAN COUTO DIAS

Resumo


Objetivos: Estabelecer os nexos do cuidado de fonoaudiologia e enfermagem em pacientes com disfagia orofaríngea, através da aplicação da Aprendizagem Baseada em Problemas, em um curso de residência. Métodos: Trata-se de estudo descritivo de abordagem qualitativa, desenvolvido durante o ano de 2017, em um Hospital da rede pública do Rio de Janeiro que oferece programa de residência em enfermagem. A amostra foi constituída por 17 residentes de enfermagem que atuam na assistência à pacientes disfágicos. A coleta de dados foi embasada nas etapas da metodologia da aprendizagem baseada em problemas e foram analisados segundo a técnica de análise temática. Resultados: A análise dos dados permitiu identificar os principais nexos do cuidado de fonoaudiologia e enfermagem no paciente com disfagia orofaríngea como: Avaliação diagnóstica do paciente com disfagia orofaríngea; Planejamento terapêutico; Intervenção através das medidas de adaptação à disfagia orofaríngea e cuidados interdependentes em que se destacam a comunicação fonoaudiólogo-enfermeiro-paciente e a educação em saúde. Conclusões: Observou-se que os nexos do cuidado de fonoaudiologia em enfermagem no paciente com DOF, podem favorecer a identificação precoce da disfagia, prevenções de complicações clínicas e nutricionais, orientações ao paciente e família, aumento da adesão ao tratamento e seguimento às orientações e estratégia propostas pela equipe.


Palavras-chave


Educação em saúde;Fonoaudiologia; Enfermagem; Transtornos de deglutição; Aprendizado Baseado em Problemas

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


- Bassi Daiane, Furkim Ana Maria, Silva Cristiane Alves, Coelho Mara Sérgia Pacheco Honório, Rolim Maria Rita Pimenta, Alencar Maria Luiza Aires de et al . Identificação de grupos de risco para disfagia orofaríngea em pacientes internados em um hospital universitário. CoDAS [Internet]. 2014 Feb [cited 2018 Nov 22] ; 26( 1 ): 17-27. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-17822014000100017&lng=en.http://dx.doi.org/10.1590/s231717822014000100004.

- Oliveira ARS, Costa AGS, Morais HCC, Cavalcante TF, Lopes MVO , Araujo TL. Clinical factors predicting risk for aspiration and respiratory aspiration among patients with Stroke. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23( 2 ): 216-224.

- Bassi D, Furkim AM, Silva CA, Coelho MSPH, Rolim MRP, Alencar MLA et al. Identificação de grupos de risco para disfagia orofaríngea em pacientes internados em um hospital universitário. CoDAS. 2014; 26( 1 ): 17-27.

- Cioatto AK, Zanella NA. Conhecimento da enfermagem sobre assistência ao paciente disfágico no Hospital Regional do Sudoeste do Paraná. Santa Maria. 2015; 41(1): 65-76.

- Pinheiro J, Zeitoune RCG. O trabalho dos residentes de enfermagem na perspectiva dos riscos ocupacionais. HU. 2011;37:225-32. Disponível em: http://www.seer.ufjf.br/index.php/ hurevista/article/viewFile/1430/547.

- Nascimento DDG, Quevedo MP. Aprender fazendo: considerações sobre a Residência Multiprofissional em Saúde da Família na qualificação de profissionais da saúde. In: BOURGET, M. M. M. (org.). Estratégia Saúde da Família: a experiência da equipe de reabilitação. São Paulo: Martinari, 2008. p. 43-59.

- Melo MC, Queluci GC, Gouvea MV. Problematizando a residência multiprofissional em oncologia: protocolo de ensino prático na perspectiva de residentes de enfermagem. Rev. esc. enferm. USP. 2014; 48(4):706-14.

- Borges MC, Quintana SM, Freitas LCC, Rodrigues ML V. Aprendizado Baseado em Problemas. Medicina (Ribeirão Preto Online). 2014;47:301–7.

- Rocha JS, Dias GF, Campanha NH, Baldani MH. O uso da aprendizagem baseada em problemas na Odontologia: uma revisão crítica da literatura. Rev ABENO. 2016;16 (1):25-38.

- Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70;2011.

- ANTUNES, Michele Fernanda Canfild. Treinamento da equipe de enfermagem no cuidado do doente com disfagia orofaríngea na UTI: uma proposta de educação continuada. 2010. Michele Fernanda Canfild Antunes. Tese de Doutorado –Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, 2010.

- SILVA, M.S.J.; TEIXEIRA, J.B.; NÓBREGA, M.F.B.; CARVALHO, S.M.A. Diagnósticos de enfermagem identificados em pacientes transplantados renais de um hospital de ensino. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009;11(2):309-17.

- Ferreira AM, Rocha EN, Lopes CT, Bachion MM, Lopes JL, Barros ALL. Diagnósticos de enfermagem em terapia intensiva: mapeamento cruzado e Taxonomia da NANDA-I. Rev. Bras. Enferm. 2016; 69( 2 ): 307-315.

- Santoro PP, Furia CLB, Forte AP, Lemos EM, Garcia RI, Tavares RA et al. Avaliação otorrinolaringológica e fonoaudiológica na abordagem da disfagia orofaríngea: proposta de protocolo conjunto. Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.) 2011 ; 77( 2 ): 201-213.

- Mendes LC, Matos LP, Schindler MF, Tomaz M, Vasconcellos SC. Relato de experiência do primeiro ano da residência multiprofissional hospitalar em saúde, pela ótica da Psicologia. Rev. SBPH. 2011; 14( 1 ): 125-141.

- Furkim AM, Sacco ABF. Eficácia da fonoterapia em disfagia neurogênica usando a escala funcional de ingestão por via oral (FOIS) como marcador. Rev. CEFAC. 2008 ; 10( 4 ): 503-512.

- Luchesi KF, Kitamura S, Mourão LF. Progressão e tratamento da disfagia na doença de Parkinson: estudo observacional. Braz. j. otorhinolaryngol. 2015; 81( 1 ): 24-30.

- Nogueira JWS, Rodrigues MCS. Comunicação efetiva no trabalho em equipe em saúde: um desafio para a segurança do paciente. Cogitare enferm. 2015;20(3):636-40.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p77-87

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2252g371

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS