Do Refúgio à Garantia à Saude: Perspectivas (Des)coloniais

Rafael Wolski de Oliveira, Louisa Yazdani, Cristina Machado Gomes

Resumo


O presente texto pretende pensar as migrações Sul-Sul e seus possíveis impactos e desafios na atenção à saúde, sobretudo à saúde mental. Retoma historicamente os processos migratórios brasileiros, assim como as últimas ondas migratórias de haitianos e venezuelanos que ganham destaque nas mídias por suas peculiaridades migratórias. Coloca as esferas governamentais como responsáveis nas práticas de cuidado deste cenário migratório, e ainda tenciona ser esta atenção uma operação descolonial entre os sujeitos envolvidos. Propõe a reflexão dos impactos das políticas de migração e convida a pensar que um conhecimento mais amplo acerca dos sujeitos que migram ao Brasil pode auxiliar a melhor preparar as equipes do SUS a fim de qualificar seu trabalho. Enfim, trata-se de uma análise de dados sobre refúgio no Brasil a partir de uma revisão bibliográfica da literatura, onde são apresentadas características dos sujeitos e migrações, assim como fatores que contribuem para a crescente migração ao país. O artigo ainda apresenta como as equipes de saúde nos territórios de refúgio tem como utilizar seu conhecimento sobre os sujeitos para inventar possibilidades aos muitos desafios que estão colocados aos imigrantes.


Palavras-chave


Saúde; Refúgio; Imigração

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2008.

ACNUR, Refúgio no Brasil: Comentários à Lei 9.474/97. São Paulo: Quartier Latin/ACNUR, 2017.

Eberhardt, Leonardo Dresch e Miranda, Ary Carvalho de. Saúde, trabalho e imigração: revisão da literatura científica latino-americana. Saúde debate, vol.41, no.spe2, p.299-312

MATIELO, Etel. Migração e saúde no Brasil, Convención Internacional de Salud, Cuba Salud 2018. Cuba, 2018

MILESI, O fluxo de imigração recente para o Brasil e a política governamental: os sinais de ambiguidade. Notas preliminares. Cadernos de Debates Refúgio, Migrações e Cidadania, v.9, n.9 (2014). Brasília: Instituto Migrações e Direitos Humanos, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 9.474, de 22 de julho de 1997. Lei de Refúgio. Disponível em: , acessado em 22 novembro 2018.

UEBEL, Roberto Rodolfo George, O redirecionamento da política externa brasileira para imigrantes e refugiados: o caso da imigração haitiana no início do século XXI. UFRGS, 2015. Disponível em: , acessado em 25 novembro 2018.

UEBEL, Roberto Rodolfo George, Análise do perfil socioespacial das migrações internacionais para o Rio Grande do Sul no início do século XXI : redes, atores e cenários da imigração haitiana e senegalesa. UFRGS, 2015. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/117357, acessado em 22 novembro 2018.

Martin, Denise, Goldberg, Alejandro e Silveira, Cássio, Imigração, refúgio e saúde: perspectivas de análise sociocultural. Saude soc., Jan 2018, vol.27, no.1, p.26-36.

Martins-Borges, Lucienne. REMHU, Migração involuntária como fator de risco à saúde mental. Rev. Interdiscip. Mobil. Hum., Jun 2013, vol.21, no.40, p.151-162.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do sul. Foz do Iguaçu/PR, 1 (1), pp. 12-32, 2017.

MERHY, Emerson Elias. Saúde: A Cartografia do Trabalho Vivo. São Paulo: HUCITEC, 2002.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2269g391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS