Comparação do perfil epidemiológico entre indivíduos parasitados de Campo Mourão e Peabiru, Paraná

Josiane Louback Motta, Suellen Fernanda Franco, Mariana Felgueira Pavanelli

Resumo


Objetivos: Comparar o perfil epidemiológico entre indivíduos parasitados das cidades de Campo Mourão e Peabiru, Paraná. Métodos: A pesquisa foi realizada em bancos de dados existentes em um laboratório de análises clínicas de cada município. Resultados: A taxa de infecção parasitária foi maior em Peabiru, com 17,9% contra 2,9% em Campo Mourão. Dentre os parasitos encontrados em ambos os municípios, a espécie em predominância foi Giardia intestinalis. Também foi possível observar que usuários do Sistema Único de Saúde, crianças e coletar três amostras de fezes aumentam a chance de diagnóstico de infecção parasitária. Conclusões: A população de Peabiru apresentou maior taxa de infecção parasitária e houve predomínio de infecção por protozoários. Alguns fatores parecem estar envolvidos na contaminação parasitária. Estudos epidemiológicos devem ser sempre realizados a fim de identificar infecções parasitárias e seus fatores associados e gerar informações úteis aos gestores municipais para melhora das condições de saneamento básico, contribuindo assim para a prevenção dos malefícios causados pelas enteroparasitoses.


Palavras-chave


Doenças Parasitárias; Epidemiologia; Fatores de Risco.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Almeida IA. Prevalência de enteroparasitoses em crianças hospitalizadas em Pelotas, Rio Grande Do Sul, Brasil. [Dissertação] Pelotas: Programa de Pós-Graduação em Parasitologia, Universidade Federal de Pelotas; 2013.68f.

Ferraz RRN, Barnabé AS, Porcy C, Junior AD, Feitosa T, Figueiredo PM. Parasitoses Intestinais e baixo índice de Gini em Macapá-AP e Timon-MA, Brasil. Caderno Saúde Coletiva.Rio de Janeiro. 2014; 22(2):173-176.

Costa ACN, Borges BC, Costa AV, Ramos MF, Gomes JM, Gomes JM, et al. Levantamento de acometidos por enteroparasitoses de acordo com a idade e sexo e sua relação com o meio onde está inserido o psf Prado da cidade de Paracatu-MG. Revista de Patologia Tropical. 2012 abr-jun; 41(2):203-214.

Gomes PDMF, Nunes VLB, Knechtel DS, Brilhante AF. Enteroparasitoses em escolares do Distrito Águas do Miranda, Município de Bonito, Mato Grosso do Sul. Revista de Patologia Tropical. 2010 out-dez;39(4):299-307.

Addum FM, Serra CG, Sessa KS, Izoton LM, Santos TB. Planejamento local, saúde ambiental e Estratégia Saúde da Família: uma análise do uso de ferramentas de gestão para a redução do risco de contaminação de enteroparasitoses no município de Venda Nova do Imigrante. Revista de Saúde Coletiva. 2011; 21(3):955-977.

Vasconcelos IAB, Oliveira JW, Cabral FRF, Coutinho HDM, Menezes IRA. Prevalência de parasitoses intestinais entre crianças de 4-12 anos de Grato, Estado do Ceará: um problema recorrente de saúde pública. Revista Acta Scientiaurum Health Science.Maringá. 2011; 33(1):35-41.

Seger J, Souza WM, Marangoni JCF, Maschio VJ, Chielli EO. Prevalência de parasitas intestinais na população do Bairro Salete, município de São Miguel do Oeste, SC. Revista UNOESC & Ciência-ACBS.2010 jan-jun;1(1):53-56.

Hoffmann WA, Pons JA, Janer JL. The sedimentation concentration method in schistosomiasis mansoni. Puerto Rico J. Public. Health.1934; 9:283-291.

Faust EC, Sawitz W, Tobie J, Odom V, Lincicome CPEDR. Comparative efficiency of various technics for the diagnosis of protozoa and helminths in feces. Journal of Parasitology.1939; 25(3):241-262.

Ritchie LS. An ether sedimentation technique for routhine stool examinations. Bull U S Army Med Dep. 1948; 4(8):326.

Moraes RG. Contribuição para o estudo do Strongyloides stercoralis e da estrongiloidose no Brasil. Revista do Serviço Especial de Saúde Pública.1948;1(3):507-624.

Menezes RAO, Gomes MSM, Barbosa FHF, Machado RLD, Andrade RF, Couto AARDEA . Sensibilidade de métodos parasitológicos para o diagnóstico das enteroparasitoses em Macapá-Amapá, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra.2013;13(2):63-73.

Lopes CR, Salamaia FH, Molinari LM. Diferentes parasitos intestinais em crianças de um a dez anos atendidas em um laboratório de análises clinícas na cidade de Marialva, Paraná, Brasil. Revista Saúde e Pesquisa. 2012 maio-ago; 5(2):290-297.

Braz AS, Andrade CAF, Mota LMH, Lima CMBL. Recomendações da Sociedade Brasileira de Reumatologia sobre diagnóstico e tratamento das parasitoses intestinais em pacientes com doenças reumáticas autoimunes. Revista Brasileira de Reumatologia. 2015;55(1):1-1.

Andrade EC, Leite ICG, Rodrigues VO, Cesca MG. Parasitoses Intestinais: uma revisão sobre seus aspectos sociais, epidemiológicos, clínicos terapêuticos. Revista de Atenção Primária à Saúde. Juiz de Fora. 2010 abr-jun;13(2):231-240.

Almeida RA, Pequeno GA, Amorim FDB, Amador DD, Marinho AH, Rosalmeida MDP, et al. Jogo parasitológico: uma estratégia no ensino-aprendizagem da parasitologia. Revista Rede de Cuidados em Saúde. 2012; 6(1):1-1

Miranda SVC. Atuação dos profissionais da estratégia saúde da família (ESF) frente às principais parasitoses intestinais. [Trabalho de Conclusão de Curso] Corinto: Universidade Federal de Minas Gerais; 2013.65f.

Instituto brasileiro de Geografia e Estatística: IBGE Cidades. [Acesso em 04 de outubro de 2015]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php .

Borges WF, Marciano FM, Oliveira HB. Parasitos intestinais: elevada prevalência de Giardia lamblia em pacientes atendidos pelo serviço público de saúde da região sudeste de Goiás, Brasil. Revista de Patologia Tropical. 2011 abr-jun; 40(2):149-157.

Fonseca EOL, Teixeira MG, Barreto ML, Carmo EH, Costa MDCN. Prevalência e fatores associados às geo-helmintíases em crianças residentes em municípios com baixo IDH no Norte e Nordeste brasileiros. Cadernos de Saúde Pública. 2010 jan; 26(1):143-152.

Silva FS, Paulo ADDAC, Braga CMM, Almeida RJ, Galvao VP. Frequência de Parasitos intestinais no município de chapadinha, Maranhão, Brasil. Revista de Patologia tropical. 2010 jan-mar; 39(1):63-68.

Netto AM. Infecções por protozoários e seus fatores de riscos em escolares do Município de Peabiru, Pr. [Trabalho de Conclusão de Curso] Campo Mourão: Graduação em Farmácia, Faculdade Integrado de Campo Mourão; 2012.13f.

Rodrigues R, Hirano MM, Larentes TS. Verificação do parasitismo em centros de educação infantil de Paranavai (PR): Envolvendo ações sanitárias primárias desenvolvidas nessa comunidade. Revista Saúde e Pesquisa. 2014 set-dez; 7(3):409-421.

Belloto MVT, Santos Junior JE, Macedo EA, Ponce A, Galisteu KJ, Castro Ede, et al. Enteroparasitoses numa população de escolares da rede pública de ensino do Município de Mirassol. Revista Pan-Amazônica de Saúde. São Paulo, 2011; 2(1):37-44.

Lodo M, Oliveira CGB, Fonseca ALA, Caputto LZ, Packer MLT, Valenti VE, et al. Prevalência de enteroparasitas em município do interior paulista. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano. 2010 set; 20(3):769- 777.

Andrade EC, Leite ICG, Vieira MTde, Abramo C, Tibiriçá SHC, Silva PL. Prevalencia de parasitoses intestinais em comunidade quilombola no município de Bias Fortes, Estado de Minas Gerais, Brasil, 2008. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2011 jul-set;20(8):337-344.

Ferreira VS, Lima AG, Pessoa CS, Paz FSS, Jesus Jde. Estudo comparativo das enteroparasitoses ocorrentes em duas áreas de Barreiras, Bahia.Natureza on line. 2013; 11(2):90-95.

Ludwig KM, Ribeiro ALT, Conte AdeC, Decleva DV, Ribeiro JTD. Ocorrência de enteroparasitoses na população de um bairro da cidade de Cândido Mota-SP. Journal of the Healht Sciences Institute. 2012; 30(3):271-276.

Genuino IP. Ocorrência de enteroparasitos em manipuladores de alimentos das cantinas da Universidade Federal da Paraíba/ Campus I. [Trabalho de Conclusão de Curso] João Pessoa: Graduação em Farmácia, Universidade Federal da Paraíba; 2014. 54f.

Pedraza DF, Queiroz Dde, Sales MC. Doenças infecciosas em crianças pré-escolares brasileiras assistidas em creches. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 19(2):511-528.

Miranda GC, Dattoli VCC, Lima AD. Enteroparasitos e condições socioeconômicas e sanitárias em uma comunidade quilombola do semiárido baiano. Revista de Patologia Tropical. 2010 jan-mar; 39(1):48-55.

Eymael D, Schuh GM, Tavares RG. Padronização do diagnóstico de Blastocystis hominis por diferentes técnicas de coloração. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2010 maio-jun; 43(3):309-312.

Afonso MBVdeO. Prevalência de Taenia saginata/ Cysticercus bovis na Região Autónoma da Madeira. [Dissertação de Mestrado]. Lisboa. Faculdade de Medicina Veterinária, 2008. 102f.

Coeli GNM, Tiengo RR, Silva ACDe, Fernandes JOM, Silva GC, Silva LUM. Neurocisticercose nodular calcificada com sinais de reativação. Radiologia Brasileira. 2012 set-out; 45(5):291-293.

Rossi GAM, Grisolio APR, Prata LF, Burger KP, Hoppe EGL. Situação da cisticercose bovina no Brasil. Revista Semina Ciências Agrárias. 2014 mar-abr; 35(1):927-938.

Graham DF. A device for the diagnostic on the Enterobius vermicularis infection. American Journal of Tropical Medicine. 1941;21(1):159- 161.

Cardoso FDP, Araujo BM, Batista HL,Galvao WG. Prevalência de enteroparasitoses em escolares de 06 a 14 anos do município de Araguaiana-Tocantins.Revista Eletrônica de Farmácia.2010; 7(1):54-64.

Visser S, Giatti LL, Carvalho RACde, Guerreiro JCH. Estudo da associação entre fatores socioambientais e prevalência de parasitose intestinal em área periférica da cidade de Manaus (AM, Brasil). Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(8):3481-3492.

Bica VC, Dillenburg AF,Tasca T. Diagnóstico laboratorial da giardiose humana: Comparação entre as técnicas de sedimentação espontânea em água e de centrífugo-flutuação em solução de sulfato de zinco. Revista do Hospital de Clinicas de Porto Alegre. 2011; 31(1):39-45.

Nascimento YM. Estudo acerca da ocorrência de helmintos intestinais em dois municípios do estado do Paraíba. [Trabalho de Conclusão de Curso] João Pessoa: Graduação em Farmácia, Universidade Federal da Paraíba; 2014. 65f.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p143-153

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2280g493

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS