O trabalho e o cuidar da fonoaudiologia na rede de atenção à saúde: um estudo na rede própria do município de salvador

Kaline Lemos Silva, Clara Oliveira Esteves, Marcio Costa de Souza

Resumo


A pesquisa teve como objetivo avaliar a produção do cuidado fonoaudiológico na Rede de Atenção à Saúde do município de Salvador-BA. Trata-se de um estudo de caráter qualitativo, descritivo exploratório, realizado por meio de entrevistas semiestruturadas no período de 2016/2017, com todos os fonoaudiólogos que compõem a Rede do município estudado. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Estado da Bahia. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo, emergindo duas categorias: O trabalho e o cuidar do fonoaudiólogo no SUS e O fazer fonoaudiológico na (des)construção do cuidado. Este estudo aborda a primeira categoria. Conclui-se que a produção do cuidado fonoaudiológico na Rede própria de Salvador apresenta dificuldades quanto à deficiência de recurso humano, falta de materiais e precária infraestrutura dos serviços. Esses fatores limitam a qualidade do atendimento, no entanto, não impede a oferta do cuidado, visto que este é realizado predominantemente com a utilização de tecnologias leves, a destacar a escuta.


Palavras-chave


Fonoaudiologia; Saúde Pública; Atenção Integral à Saúde

Texto completo:

Português

Referências


Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede Unida; 2014.

Merhy EE. Saúde: A Cartografia do Trabalho Vivo. 3.ed. São Paulo: Editora Hucitec; 2009.

BarbosaI GC. MeneguimI S. LimaI SAM. MorenoI V. Política Nacional de Humanização e formação dos profissionais de saúde: revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2013; 66 (1): 123-127.

Franco CM, Franco TB. Linhas do Cuidado Integral: Uma proposta de organização da rede de saúde. In: Secretaria de Estado de Saúde do RS. [página na Internet]. [acesso em 17 de outubro 2017]. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/humanizacao/homepage/acesso-rapido/formacao-tecnica-em-acolhimento-na-atencao-basica/passo_a_passo_linha_de_cuidado.pdf

Brasil, Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização: PNH. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Solla JJSP, organizador. Estratégias da política de gestão do trabalho e educação na saúde: experiências da Bahia. Salvador: EDUFBA; 2014.

Brasil, Ministério da Saúde. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Barros MEB, Mori ME, Bastos SS. O desafio da Política Nacional de Humanização nos processos de trabalho: o instrumento “Programa de Formação em saúde e trabalho”. Cad Saude Pub 2006;14(1):31-48.

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 9 (1):7-14.

Merhy EE. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde - uma discussão do modelo de assistência e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In: Campos CR, organizador. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte: reescrevendo o público. São Paulo: Xamã; 1998. p. 103-120.

Da Ros MA, Maeyama MA, Leopardi MT. Tecnologia na área da saúde. De que tecnologia estamos falando? Sau. & Transf. Soc. 2012; 3(3):29-35.

Franco TB, Merhy EE. Cartografias do Trabalho e Cuidado em Saúde. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva. 2012; 6 (2):151-63.

Merhy EE, Franco TB. Por uma composição técnica do trabalho em saúde centrada no campo relacional e nas tecnologias leves. Apontando mudanças para modelos tecno-assistênciais. Saúde em debate 2003; 27(65):316-323.

Bardin L. Análise de conteúdo. 3.ed. Lisboa: Edições 70; 2004.

Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA, Rodrigues M. Assistência Fonoaudiológica no Sus: A ampliação do acesso e o desafio de superação das desigualdades. Rev. CEFAC. 2015; 17(1):71-79.

Souza RPF, Andrade da Cunha D, Silva HJ. Fonoaudiologia: a inserção da área de linguagem no sistema único de saúde (SUS). Rev CEFAC.2005;7(4):426-32.

Bazzo LMF. Privação da oferta de serviços fonoaudiológicos no Sistema Único de Saúde (SUS) e a reforma do Estado: a mediação do debate. R Ciméd biol. 2007;6(2):190-6

Santos JN, Maciel FJ, Martins VO, Rodrigues ALV, Gonzaga AF, Silva LF. Inserção dos fonoaudiólogos no SUS/MG e sua distribuição no território do Estado de Minas Gerais. Ver CEFAC. 2012;14(2):196-20

Ferreia CL, Silva FR, Martins-Reis VO, Friche AAL, Santos JN. Distribuição dos fonoaudiólogos na atenção à saúde no Estado de Minas Gerais entre 2005 e 2010. Rev CEFAC. 2013;15(3):672-80.

Witwytzkyj LP, Tavares RSCR. Fonoaudiologia e saúde pública: análise bibliométrica. Distúrb Comun (São Paulo). 2017; 29(2): 227-236.

Brasil. Ministério da Educação e Cultura (MEC). Resolução CNE/CES. 5/2002. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, 19 fev. 2002. p. 5.

Cavalcanti PB, Lucena CM, Lucena PLC, Miranda APRS. Formação de recursos humanos para o SUS: uma análise da residência multiprofissional. Revista Interface. [periódico na internet]. 2015 [citado dez 28]; 12(1):[aprox.22 telas]. Disponível em: https://ojs.ccsa.ufrn.br/ojs//index.php?journal=interface&page=article&op=view&path%5B%5D=5 15&path%5B%5D=628

Pialarissi, R. Precarização do Trabalho. Rev. Adm. Saúde. 2017; 17(66).

Molini-Avejonas DR, Mendes VLF, Amato CAH. Fonoaudiologia e núcleos de apoio à saúde da família: conceitos e referências. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010; 15(3): 465-74.

Carpes AD, Santos BZ, Morais CB, Backes DS, Martins JS, Krause LMF. A construção do conhecimento interdiscipllinar em saúde. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria. 2012; 13(2): 145-151.

Casanova IA, Batista NA, Ruiz-Moreno L. Formação para o trabalho em equipe na residência multiprofissional em saúde. ABCS Health Sci. 2015; 40(3):229-33.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n3p%25p

DOI (Português): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n3.2302g412

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS