Educação em saúde “baseada na escola” como estratégia de prevenção de parasitoses

Autores

  • Clísten Corrêa
  • Firmina Hermelinda Saldanha Albuquerque Universidade Federal do Amazonas-UFAM
  • Karla Maria Carneiro Rolim Universidade de Fortaleza-UNIFOR
  • Maria Solange Nogueira dos Santos
  • Henriqueta Ilda Verganista Martins Fernandes Escola Superior de Enfermagem do Porto, ESEP, Porto, Portugal.
  • Fernanda Jorge Magalhães Centro Universitário FAMETRO (UNIFAMETRO)

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p235-240

Resumo

O objetivo do presente artigo foi relatar uma experiência de Educação em Saúde realizada junto a professoras e outras profissionais de uma escola pública de educação infantil do município de Coari, interior do estado do Amazonas, região Norte do Brasil. O objetivo da prática relatada foi a prevenção das parasitoses prevalentes e a discussão das responsabilidades de professores e profissionais da educação em complementaridade com as ações do setor da saúde. Foram partícipes 32 professoras, 2 pedagogas, 6 auxiliares de serviços gerais e 2 cozinheiras. O artigo se refere aos encontros realizados na busca por instruir e sensibilizar as profissionais por meio de reuniões que tiveram lugar na sala dos professores de janeiro a março de 2016. Os temas abordados enfatizaram os principais tipos de parasitoses que acometem a região e o trabalho de educação em saúde na escola. Constatou-se um baixo conhecimento entre professoras e demais profissionais a respeito da prevenção das parasitoses, sendo propiciada uma experiência educacional em que havia espaço para aprender, ensinar, escutar, comunicar e interagir. 

Biografia do Autor

Clísten Corrêa

Enfermeiro. Coari, AM – Brasil.

Firmina Hermelinda Saldanha Albuquerque, Universidade Federal do Amazonas-UFAM

Mestra em Saúde Coletiva (UNIFOR). Professora da Universidade Federal do Amazonas-UFAM/ISB. Coari, AM – Brasil.

Karla Maria Carneiro Rolim, Universidade de Fortaleza-UNIFOR

Enfermeira. PhD pela Universidade de Rouen, França. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil. Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade de Fortaleza (PPGSC/UNIFOR); Coordenadora do Mestrado Profissional em Tecnologia e Inovação em Enfermagem (MPTIE/UNIFOR). Fortaleza, CE- Brasil.

Maria Solange Nogueira dos Santos

Enfermeira. Mestra em Tecnologia e Inovação em Enfermagem. (MPTIE/UNIFOR). Fortaleza, CE- Brasil.  

Henriqueta Ilda Verganista Martins Fernandes, Escola Superior de Enfermagem do Porto, ESEP, Porto, Portugal.

Professora Escola Superior de Enfermagem do Porto, ESEP, Porto, Portugal.

Fernanda Jorge Magalhães, Centro Universitário FAMETRO (UNIFAMETRO)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil. Professora de graduação e de pós-graduação no Centro Universitário FAMETRO (UNIFAMETRO). Fortaleza, CE- Brasil.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Caderno de Educação Popular em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Cadernos HumanizaSUS - V. 1, Formação e intervenção. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. (Cadernos da Atenção Básica; n. 24)

Nakamura AA, Martins Junior LM (Coord). Manual de boas práticas de higiene e de cuidados com a saúde para centros de educação infantil. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo. Coordenação de Vigilância e Saúde, 2008. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/Manual_Boas_Praticas_CEI_2008_1255096253.pdf. Acesso em 22 jun 2018.

Boeira VL, Gonçalves PARR, Morais FG, Schaedler VM. Educação em saúde como instrumento de controle de parasitoses intestinais em crianças. Rev. Varia Scientia. 2009; 15(9):35-43.

Andrade EC, Leite ICG, Rodrigues VO, Cesca MG. Parasitoses intestinais: uma revisão sobre seus aspectos sociais, epidemiológicos, clínicos e terapêuticos. Rev. APS. 2010; 13(2):231-240.

Neves DP. Parasitologia humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu; 2005.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 19 set 1990.

Amaral IBST. Promovendo um espaço para informação sobre a Estratégia Saúde da Família: um relato de experiência. Saúde debate. 2015; 40(107):1173-1181.

Silva LD, Beck CLC, Dissen CM, Tavres JP, Budó MLD, Silva HS. O enfermeiro e a educação em saúde: um estudo bibliográfico. Rev. Enferm. UFSM. 2012; 2(2):412-419.

Barbosa LA, Sampaio ALA, Melo ALA, Macedo APN, Macahdo MFAF. A educação em saúde como instrumento na prevenção de parasitoses. RBPS. 2009; 22(4):272-278.

Piantino CB, Vanin AC, Vieira M, Souza DH. Propostas de ações educativas no ambiente escolar como prática de promoção da saúde. Ciência et praxis. 2016; 9(17):49-52.

Ceccim RB. O que é saúde? O que é doença? In: Meyer DEE (Org.). Saúde e sexualidade na escola. Porto Alegre: Mediação; 2012. p. 37-50.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25 ed. São Paulo: Paz e Terra; 2002.

Downloads

Publicado

2020-07-28

Edição

Seção

Relato de Experiência