Proposta para operacionalização do Planejamento Regional Integrado: a experiência da Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul

Camila Guaranha, Carla Garcia Bottega, Marina do Amaral Schenkel

Resumo


Este trabalho visa descrever e analisar a construção da metodologia de operacionalização do Planejamento Regional Integrado (PRI) pela Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS). Possui abordagem qualitativa, a partir do relato da experiência dos trabalhadores do setor da Assessoria Técnica e de Planejamento da referida secretaria. Na primeira seção, apresenta-se um breve cenário sobre o PRI no Brasil e no estado. As demais seções descrevem como a trajetória recente do trabalho originou a metodologia, bem como as etapas previstas para operacionalização do PRI até o final de 2019. A análise dos resultados evidenciou a preocupação da SES/RS em aprofundar o processo iniciado na elaboração do Plano Estadual de Saúde 2016-2019, que buscou efetivar um planejamento ascendente e coletivo. Como limites do PRI, foram apontadas as fragilidades municipais e questões institucionais da própria SES/RS. Como potencialidades do processo conduzido pela SES/RS, podem-se destacar o caráter coletivo do mesmo, bem como a corresponsabilização dos atores envolvidos. Destacam-se também os aspectos de originalidade da metodologia criada, sendo uma construção autoral da equipe condutora. Outra potencialidade apontada foi a abertura de espaços de encontro e reflexão entre os gestores e trabalhadores da SES e demais atores envolvidos, que poderão agenciar novas formas de operar a gestão estadual do SUS, tomando-se como base a perspectiva das Redes de Atenção à Saúde e a constituição de estratégias considerando-se as necessidades de saúde da população.


Palavras-chave


Planejamento em Saúde;Regionalização; Saúde Pública; Política de Saúde

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


¹Vieira, F. S. Avanços e desafios do planejamento no Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2009 [acesso 20 outubro de 2018]; 14 (Supl. 1), 1565-1577. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2009.v14suppl1/1565-1577/pt

²Souza, G. C. A.; Costa, I. C. C. O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças.Saúde soc. 2010 Setembro [Acesso em 26 de outubro de 2018], v. 19, n. 3, p. 509-517,. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000300004&lng=en&nrm=iso.

³Albuquerque, M. V.; Viana, A. L. d'Ávila. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. Saúde debate,2015 Dezembro [Acesso em 21 de outubro de 2018]; v. 39, n. spe, 28-38. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042015000500028&lng=pt&nrm=iso

Brasil. Manual de planejamento no SUS/Ministério da Saúde. 1. ed., ver.Brasília: Fundação Oswaldo Cruz; 2016.

Guimarãeset al. Análise histórica do processo de regionalização no Rio Grande do Sul e a construção do planejamento regional. In: Anais do 2º Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde. Belo Horizonte, ABRASCO, 2013.

Schenkel, M. A. et al. Plano Estadual de Saúde 2016-2019 do Rio Grande do Sul: limites e avanços da elaboração e do resultado. In: Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde, III edição, 2017, Natal. Anais, Rio de Janeiro: ABRASCO, 2017. 396-397.

Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde. Resolução CIB n° 188. Aprova a proposta de cronograma do processo de Planejamento Regional Integrado e a definição das Macrorregiões de Saúde do Rio Grande do Sul. 15 de junho de 2018.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2395g505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS