Implicações de acadêmicas de enfermagem sobre o aprender a cuidar durante a abordagem com mãe/bebê prematuro: relato de experiência

Iris Amora de Castro e Silva, Tayana da Costa Marques Messias, Amanda Ricardo Cabrera da Costa, Ana Lúcia Abrahão

Resumo


Dentre os cenários que compõe a formação do profissional de saúde, o cuidado durante o nascimento prematuro é uma experiência pedagógica, desafiadora e convoca uma abordagem integradora. O ensino neste cenário remete a práticas que permitam ao estudante refletir e compartilhar a dinâmica de incertezas que envolve mãe/bebê neste momento da vida. Uma clínica que esteja próxima das necessidades sociais e emocionais da usuária, se revela como fundamental. Este artigo objetiva relatar a experiência de acadêmicas de enfermagem durante a consulta a uma usuária pós-cesárea de gemelares, que permaneceram na unidade de terapia intensiva neonatal após a alta da mãe com centralidade na implicação das autoras durante o processo de cuidado. O estudo tomou como ferramenta o diário de campo, incluindo reflexões e questionamento acerca do cuidado dos profissionais de saúde, com foco na formação da enfermeira. A reflexão indica a necessidade de rede de apoio para a usuária, como elemento importante para o aprendizado, no sentido de estabelecer um cuidado singular e inclusivo na assistência de enfermagem.


Palavras-chave


Saúde Materno-Infantil; Serviços de Saúde Materno-Infantil; Relações Mãe-Filho

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Arivabene JC, Tyrrell MAR. Método mãe canguru: vivências maternas e contribuições para a enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [Internet] 2010[citado 8 jan 2019];18(2): 262-268. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n2/pt_18.pdf

Santana JO, Borges KI, Souza DA, Pinto KRTF, Rosetto EG, Zani AV. Cuidado paterno ao filho prematuro hospitalizado: Representações maternas. Rev baiana enferm. [Internet] 2017 [citado 10 jan 2019];31(4):2-4 Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/22310

Gorgulho FR, Pacheco STA. Amamentação de prematuros em uma unidade neonatal: a vivência materna. Esc. Anna Nery [Internet]. 2008[citado 10 jan 2019];12(1):19-24. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-81452008000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Merhy EE. Saúde: A cartografia do trabalho vivo. 3a Ed. São Paulo: Editora Hucitec; 2002[citado 20 fev 2019]. (Saúde em Debate, 145).

Lacerda MR, Labronici LM. Papel social e paradigmas da pesquisa qualitativa de enfermagem. Rev. bras. enferm. [Internet] 2011[citado 20 fev 2019];64(2): 359-364. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/reben/v64n2/a22v64n2.pdf

Abrahao AL, Merhy, EE. Formação em saúde e micropolítica: sobre conceitos-ferramentas na prática de ensinar. Interface (Botucatu) . 2014[citado 15 fev 2019];18(49):313-324. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832014000200313&script=sci_abstract&tlng=pt

Baremblitt G. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes: teoria e prática. 5.ed. Belo Horizonte, Brasil. Instituto Felix Guattari; 2002[citado 15 fev 2019]:56-58

Lourau R. Análise Institucional e práticas de pesquisa. In: RODRIGUES, Heliana de Barros Conde. René Lourau na UERJ. Rio de Janeiro: UERJ; 1993[citado 8 fev 2019]:8

Brasil. Resolução Nº 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais [Internet]. Diário Oficial da União. 2016 abr. [citado 8 jan 2019]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

Souza NL, Araújo ACPF, Costa ICC, Carvalho JBL, Silva MLC. Representações de mães sobre hospitalização do filho prematuro. Rev Bras Enferm. [Internet] 2009[citado 16 de jan 2019];62(5):729-733.Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v62n5/13.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2397g527

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS