Uma narrativa autobiográfica sobre a graduação e pós-graduação em psicologia na perspectiva da clínica ampliada e compartilhada

Fernando Augusto Gomes Sobreira, Conrado Neves Sathler

Resumo


O contato com a assistência e o pensamento sobre a necessidade de uma reformulação dos modos de produção, humanização da atenção e da gestão em Saúde me levou a problematizar o cotidiano, parte integrante do processo de formação acadêmica na graduação e na especialização na Residência Multiprofissional em Saúde do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados. Esse novo modo de produção se interliga a uma forma diferente de pensar na qual a Clínica Ampliada e Compartilhada se faz presente, sustentando um olhar não hegemônico de produção, atrelado à Saúde Coletiva cujo objeto de trabalho deixa de ser centrado na doença e passa a ser um pensamento clínico ampliado, no qual o enfoque é o usuário do serviço, entendido na sua dimensão biopsicossocial. Desta forma, busco por meio da narrativa autobiográfica apresentar algumas vivências destacando as reflexões, contribuições e os movimentos gerados nos encontros entre os estágios em Psicologia da Saúde, a Residência Multiprofissional em Saúde e a Clínica Ampliada e Compartilhada no Hospital Universitário.


Palavras-chave


Capacitação Profissional; Humanização da Assistência; Educação em Saúde; Saúde Pública.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Menéndez EL. Autoatención de los padecimientos y algunos imaginarios antropológicos. Desacatos 58, septiembre-diciembre 2018, pp. 104-113. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6620697

Campos GWS. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec, 2003.

³Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a constituição do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. 5 ed. São Paulo: Hucitec, 2015.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica Ampliada e Compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf

Baremblitt GF. Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 5 ed. Belo Horizonte: Instituto Felix Guattari, 2002.

Rabelo AO. A importância da investigação narrativa na educação. Educ. Soc., 2011. 32(114):171-188. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v32n114/a11v32n114.pdf

Souza EC. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Educação (UFSM), 2014; 39(1): 39-50. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/11344

Rodrigues NC, Prado GVT. Investigação narrativa: construindo novos sentidos na pesquisa qualitativa em educação. Revista Lusófona de Educação. 2015; 29(29): 89-103. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=34941151006

Carvalho MLD, Miranda CPQ, Correia MAS. ‘Pegadas na areia’ de professores ‘caçadores de sonhos’: duas identidades profissionais em (des)construção. Pro-Posições. 2019; 30(e20170051). Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072019000100505&lng=pt&nrm=iso

Portaria Interministerial nº 1.077, de 12 de novembro de 2009. Ministério da Educação/Ministério da Saúde (BR). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 nov. 2009. Seção 1, p.34. Disponível em: http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=8862

Ministério da Educação (BR). Secretaria de Educação Superior. Comissão Nacional De Residência Multiprofissional. Resolução nº 5, de 7 de novembro de 2014. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 nov. 2014. Seção 1, p.34. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=34&data=10/11/2014

Martins AR, Rosa KRKK, Basso KF, Orofino MMB, Rocha CMF. Residência Multiprofissional em Saúde: o que há de novo naquilo que já está posto. In: Brasil. Ministério da Saúde (BR). Grupo Hospitalar Conceição Residências em Saúde: fazeres & saberes na formação em Saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição, 2010.

Oliveira C, Guareschi NMF. Residência multiprofissional em Saúde: brechas para novas formas de conhecimentos? in: Guareschi NMF, Scisleki A, Reis R, Dhein G, Azambuja MA, organizadores. Psicologia, formação, política e produção em saúde. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

Sobreira FAG, Abilio ES, Ortiz CL. Os pontos de aglutinação entre A Psicologia e a Política Nacional de Humanização. Saúde em Redes. 2016; 2(2): 227–233. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/687/pdf_37

Abilio ES, Alves FL, Caleman G, Macario I, Lima LP, Diello ML, et al. A Política de humanização em Mato Grosso do Sul: processos de construção primeiros resultados e desafios atuais. In: Dobashi BF, organizadora. Tecendo redes na saúde para ampliar o cuidado. Campo Grande – MS; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Política Nacional de Humanização PNH. Folheto. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Silva JM, Caldeira AP. Modelo assistencial e indicadores de qualidade da assistência: percepção dos profissionais da atenção primária à Saúde. Cad. Saúde Pública. 2014; 26(6):1187-1193. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n6/12.pdf

Campos GWS, Cunha GT, Figueiredo MD. Práxis e formação Paideia: Apoio e cogestão em Saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

Rey FG. Subjetividade e Saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez, 2011.

Campos GWS, Bedrikow R. História da clínica e atenção básica: o desafio da ampliação. São Paulo: Hucitec, 2014.

Onocko-Campos R. O encontro trabalhador-usuário na atenção à Saúde: uma contribuição da narrativa psicanalítica ao tema do sujeito na Saúde coletiva. Ciênc. Saúde coletiva [online]. 2005, 10(3): 573-583. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n3/a15v10n3

Menéndez EL. Modelos de atención de los padecimientos: de exclusiones teóricas y articulaciones prácticas. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2003; 8(1): 185-207. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232003000100014&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000100014.

Campos GWS. Clínica e Saúde coletiva compartilhadas: teoria paidéia e reformulação do trabalho em Saúde. In: Campos GWS, Bonfin JRA, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Júnior M, Carvalho YM, organizadores. Tratado de Saúde coletiva. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: visita aberta e direito a acompanhante. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/visita_acompanhante_2ed.pdf

Merhy EE, Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: Mandarino ACS, Gomberg E, organizadores. Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristóvão: EdUFS, 2009. p.29-74.

Silva MMS. A produção e tecnologias enquanto efetividade da residência multiprofissional em saúde da família. In: Dias MAS, Silva MMS, Souza FL, Gadelha AKS, Alves EAS, organizadoras. Tecnologias leves em saúde: saberes e práticas da Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2015. p 13-37. Disponível em: http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/colecao-micropolitica-do-trabalho-e-o-cuidado-em-saude/tecnologias-leves-em-saude-epub

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_demanda_espontanea_cab28v1.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2415g528

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS