O papel Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) para a tomada de decisão na gestão em serviços de saúde

Maria Cristina Pedro Biz, Regina Yu Shon Chun

Resumo


 

O objetivo é analisar a produção de informação gerada pelo uso de Checklist da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) produzido em um Centro de Reabilitação pelos profissionais de saúde e seu potencial descritivo dos resultados de funcionalidade obtidos nas avaliações dos usuários. Trata-se de pesquisa-ação de delineamento descritivo-analítico, de caráter longitudinal realizada em serviço de administração direta do Sistema Único de Saúde (SUS). O uso do checklist possibilitou acompanhamento longitudinal dos usuários e gerou informações importantes sobre a resolutividade da assistência prestada. Permitiu sistematizar o uso da CIF e trazer indicadores que poderão contribuir para tomada de decisão tanto clinica quanto de gestão do serviço. Poderá também contribuir para o aperfeiçoamento do processo de organização do trabalho e planejamento de gestão, e assegurar o modelo de avaliação e cuidado disposto na Lei Brasileira de Inclusão e proposto pela Rede de Cuidado a Pessoa com Deficiência.


Palavras-chave


Necessidades e demandas de serviços de saúde Sistemas de informação. Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. Centros de reabilitação.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Tanaka OY, Tamaki EM. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 17(4):821-828, 2012

WHO. The International Classification Functioning, Disability and Health. Geneve: World Health Organization. 2001

Castaneda L, Bergmann A, Bahia L. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: uma revisão sistemática de estudos observacionais. Rev. bras. epidemiol. vol.17 no.2 São Paulo abr./jun. 2014

Castaneda L, Castro SS, Bahia L. Construtos de incapacidade presentes na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD): uma análise baseada na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Rev Bras Estud Popul ; 31(2): 419-29. 2014

Castro, SS, Castaneda, L, Cordeiro, ES, Buchalla, CM. Aferição de funcionalidade em inquéritos de saúde no Brasil: discussão sobre instrumentos baseados na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Rev. bras. epidemiol. vol.19 no.3 São Paulo Jul/Set. 2016

Vuori Hannu. Quality assurance of health services. Concepts and methodology. Public Health in Europe 16. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe, 1982.

Brasil. PORTARIA Nº 793, DE 24 DE ABRIL DE 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. http://www.sgas.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/105/2016/08/PORTARIA-N%C2%BA-793-DE-24-DE-ABRIL-DE-2012.pdf

Brasil. Lei 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão das Pessoas com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União 2015; 7 jul.

Santos W. Deficiência como restrição de participação social: desafios para avaliação a partir da Lei Brasileira de Inclusão. Cien Saude Colet. 2016;21(10):3007–15.

Brasil. Avaliação de pessoas com deficiência para o acesso ao Beneficio de Continuada da Assistência Social. Um novo instrumento baseado na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Ministério da Previdência Social. Brasília, 2007

http://www.mpgo.mp.br/portalweb/hp/41/docs/avaliacao_das_pessoas_com_deficiencia_-_bpc.pdf acesso em 03/05/2019

Duarte, CMR, Marcelino, MA, Boccolini, CS, Boccolini, PMM. Proteção social e política pública para populações vulneráveis: uma avaliação do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social - BPC no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, 2017 nov; vol.22 no.11. Rio de Janeiro. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232017021103515&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em 03/052019

Santos, WR. Uso da CIF nos benefícios, isenções e serviços federais para as pessoas com deficiência. Implantando a CIF. O que acontece na prática? Ed. WAK. Rio de Janeiro, 2017.

CNS. Resolução 452. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. 2012

Brasil. Programa Nacional de Avaliação dos Serviços de Saúde, PNASS. Ministério da Saúde, 2012. Acesso em 14/04/2019

Brasil. Ministério da Saúde. Praticas de Reabilitação na AB. 2017. Acesso em 13/04/ 2019

WHO. Checklist ICF. 2003

http://www.who.int/classifications/icf/icfchecklist.pdf

Cordeiro, ES. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, E- SUS e TABWIN: as experiências de Barueri e Santo André, São Paulo. Revista Baiana de Saúde Pública. abr./jun. 2015 v.39, n.2, p.470-477

WHO. Strengthening health systems: What works? Alliance for Health Policy and Systems Research. Annual Report. Geneve, 2009

Hopfe, M, Prodinger, B, Bickenbach, JE, Stucki, G. Optimizing health system response to patient’sneeds: an argument for the importance offunctioning information, Disabil Rehabil. 2018 Sep; 40 (19): 2325-2330

Araujo, ES, Biz, MCPB. O planejamento em saúde na prática. Revista Científica CIF Brasil. 2016; 5(5):24-30

Zerbeto, AB. Estudo da percepção de crianças e adolescentes com alterações de fala e linguagem utilizando a CIF-CJ. Tese de Doutorado. Unicamp. 2017

Stucki G, Zampolini M, Juocevicius A, Negrini S, Christodoulou N. Practice, science and governance in interaction: European effort for the system-wide implementation of the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) in Physical and Rehabilitation Medicine. Eur J Phys Rehabil Med [Internet]. 2017;53(2):299–307.

Cieza A, Fayed N, Bickenbach J, Prodinger B. Refinements of the ICF Linking Rules to strengthen their potential for establishing comparability of health information. Disabil Rehabil 2016; 8288(March):1–10.

Madden RH, Bundy A. The ICF has made a difference to functioning and disability measurement and statistics. Disabil Rehabil. 2018;0(0):1–13.

Talo SA, Rytãkoski UM. BPS-ICF model, A tool to measure biopsychosocial functioning and disability within ICF concepts: Theory and practice updated. Int J Rehabil Res. 2016;39(1):1–10.

Tempest S, Harries P, Kilbride C, De Souza L. To adopt is to adapt: the process of implementing the ICF with an acute stroke multidisciplinary team in England. Disabil Rehabil 2012; 34(20-21): 1686–1694.

Raty, S.; Aromaa, A.; Koponen, P. Measurement of physical functioning in comprehensive national health surveys – ICF as a framework. Oakland: National Public Health Institute, 2003. 171 p. Acesso em 14/04/2019

Lexell J, Brogårdh C. The use of ICF in the neurorehabilitation process. NeuroRehabilitation, 2015;36(1):5–9.

Stucki G, Cieza A, Melvin J. The international classification of functioning disability and health: A unifying model for the conceptual description of the rehabilitation strategy. J Rehabil Med 2007; 39 (4):279–85.

Stallinga, HA, Roodbol, PF, Annema, C, Jansen, GJ,Wynia, K. Functioning assessment vs. conventional medical assessment: a comparative study on health professionals' clinical decision‐making and the fit with patient's own perspective of health. Journal of Clinical Nursing. July 2013

Medica EM, Stucki G, Bickenbach J, Edizioni C, Medica M. Functioning: the third health indicator in the health system and the key indicator for rehabilitation. Eur J Phys Rehabil Med [Internet]. 2017;(February):134–8.

Tamaki EM, Miranda AS De. Metodologia de construção de um painel de indicadores para o monitoramento e a avaliação da gestão do SUS. Cien Saude Colet. 1012;17:839–49

Hartz ZM & Vieira LM (organizadoras). Avaliação em Saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde. Salvador: EDUFBA; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. 275 p.: il. ISBN 85-232-0352-4

Lima, Claudia Risso de Araújo. Gestão da qualidade dos dados e informações dos sistemas de informação em saúde: subsídios para a construção de uma metodologia adequada ao Brasil. 2010. 156f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) --Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2010.

Brasil M da SS-EÁ de E da S e D. Avaliação de Tecnologias em Saúde: Ferramentas para a Gestão do SUS [Internet]. Ministério da Saúde. 2009. 112 p. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_tecnologias_saude_ferramentas_gestao.pdf




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2417g513

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS