A música como estratégia de promoção de saúde mental entre estudantes universitários

Autores

  • Lycélia da Silva Oliveira Silva Silva Psicóloga, Mestranda em saúde da Família, Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Eliany Nazaré Oliveira Nazaré Nazaré Enfermeira, Pós Doutorado pela Universidade do Porto – Pt, Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA
  • Marcos Pires Campos Pires Pires estudante de enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)
  • Natasha Vasconcelos Sobrinho Vasconcelos Vasconcelos
  • Heliandra Linhares Aragão Prefeitura Municipal de Sobral - Secretaria de Saúde
  • Sabrina Silva França Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n3p329-341

Resumo

Objetivo: O trabalho objetiva relatar uma atividade coletiva, com ênfase na saúde mental, realizada com estudantes universitários. Métodos: A pesquisa trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência, de caráter qualitativo, realizado na Universidade Estadual Vale do Acaraú. A atividade foi realizada durante julho a agosto de 2018 e aplicada nos diferentes campis de ensino da instituição. Resultados: A atividade consistiu inicialmente na escuta de diferentes estilos musicais, possibilitando estarem atentas as mensagens transmitidas nas letras, e estimulando que fizessem associação com a realidade vivenciada na universidade. Na atividade também foram trabalhadas a memória musical afetiva dos estudantes, a reflexão corporal e o relaxamento provocado pela sonoridade musical.  Posteriormente foi realizada uma roda de conversa com os estudantes, que ao final da atividade relatavam terem vivenciado algo inovador na universidade e que as músicas estimularam o relaxamento, saindo do encontro mais leves e menos estressados. As letras proporcionaram reflexões significativas sobre a vivência acadêmica e sobre as diferentes realidades apresentadas pelos estudantes, pois transmitiam uma mensagem positiva sobre as pessoas, as oportunidades, e sobre a importância de viver cada dia de forma intensa, valorizando os momentos. Considerações Finais: Dessa forma, destaca-se a importância de valorizar a utilização dos elementos musicais como recursos para a realização de estratégias de cuidado.

Biografia do Autor

Heliandra Linhares Aragão, Prefeitura Municipal de Sobral - Secretaria de Saúde

Assistente Social, Coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial  Álcool e outras Drogas - CAPS  Ad do Municipio de Sobral, Ceará

Sabrina Silva França, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA

Estudante do Curso de Gaduação em Enfermagem e Integrante da Liga Interdisciplinar em Saúde Mental - LISAM

Referências

CAIRES, J. S. et al. A utilização das terapias complementares nos cuidados paliativos: benefícios e finalidades. Cogitare Enferm, v. 19, n.3, p. 514-20, 2014. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/33861> Acesso em: 27 Abr. 2019.

ARNDT, A. D; CUNHA, R; VOLPI, S. Aspectos da prática musicoterapêutica: contexto social e comunitário em perspectiva. Psicologia & Sociedade, v. 28, n. 2, p.387-395, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01027182201600 0200387>. Acesso em: 30 Ago. 2018.

SANTANA, D. S.T; ZANINI; C. R.O; SOUZA, A. L. L. Efeitos da música e da musicoterapia na pressão arterial: uma revisão de literatura. Rev Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia. v. 5, p. 37-57, 2014. Disponível em:<http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/incantare/article/view/261>. Acesso em: 27 Ago. 2018.

MARQUES, R. M. G. Desenvolvimento de uma aplicação musical para musicoterapia em casos de paralisia cerebral [dissertação]. Porto Rosário Rebelo: U Porto; 2014.

SOARES, A. B et al. O impacto das expectativas na adaptação acadêmica dos estudantes no Ensino Superior. Psico-USF, v. 19, n. 1, p. 49-60, 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141382712014000100006>. Acesso em: 24 Abr. 2019.

BOLSONI-SILVA, A. T; LOUREIRO, S. R. O Impacto das Habilidades Sociais para a Depressão em Estudantes Universitários. Psicol. teor. Pesqui, v. 32, n. 4, p. 1-8, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/0102.3772e324212> Acesso em: 24 Abr. 2019.

ARTIGAS, J. S; MOREIRA, N. B; CAMPOS, W. Percepção da qualidade de vida em universitários: comparação entre períodos de graduação. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR. v. 21, n.2, p. 85-91, 2016. Disponível em:< http://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/5525>. Acesso em: 27 Abr. 2019.

LAMEU, J. N; SALAZAR, T. L; SOUZA, W. F. Prevalência de sintomas de stress entre graduandos de uma universidade pública. Psicol. educ, v. 42, p. 13-22, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5935/2175-3520.20150021> Acesso em: 20 Mar.2019.

SANCHES, R. R. As políticas de assistência estudantil no Brasil. Revista História, Movimento e Reflexão, v.2, n.1, p. 1-20, 2014. Disponível em:<http://revistadigital.unibarretos.net/index.php/historia/article/view/28>. Acesso em: 23 Mar. 2019.

XIMENES NETO, F. R.G et al. Análise da qualidade de vida de estudantes de enfermagem em uma universidade do nordeste brasileiro. Revista Internacional de Pesquisa para o Desenvolvimento. v. 8, n.3, p. 19563-19565, 2018. Disponível em:<http://www.journalijdr.com/sites/default/files/issuepdf/12350>. Acesso em: 27 Abr. 2019

BEITER, R et al. A prevalência e os correlatos de depressão, ansiedade e estresse em uma amostra de estudantes universitários. Jornal de Transtornos Afetivos, v.173, n.1, p. 90–96, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jad.2014.10.054. Acesso em: 24 Abr. 2019.

CASTRO, J. B. P; VALE, R.G.S; AGUIAR, R.S et al. Perfil do estilo de vida de universitários de Educação Física da cidade do Rio de Janeiro. R. bras. Ci. e Mov, v. 25, n.2, p.73-83, 2017 Disponível em:<http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/04/882131/perfil-do-estilo-de-vida-de-universitarios-deeducacao.pdf>. Acesso em: 27 Abr. 2019.

TASSINI, C. C et al. Avaliação do Estilo de Vida em Discentes Universitários da Área da Saúde através do Questionário Fantástico. Int J Cardiovasc Sci, v.30, n.2, p.117-122, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.5935/2359-4802.20170024>. Acesso em: 27 Abr. 2019.

FONSECA, A. L. P et al. Estudo comparativo sobre qualidade do sono entre universitários de uma instituição de ensino do sul catarinense Arq. Catarin Med, v.44, n.4, p. 21-33, 2015 Disponível em:<http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/45>. Acesso em: 2 Abr. 2019.

ZANETTINI, A. Quem canta seus males espanta: um relato de experiência sobre o uso da música como ferramenta de atuação na promoção da saúde da criança. Rev Min Enferm, v. 19, n. 4, p. 1060-1064, 2015. Disponível em: <https://pt.scribd.com/document/340058353/v19n4a19>. Acesso em: 23 fev. 2019.

ROHR, R. V; ALVIM, N. A. T. Intervenções de enfermagem com música: revisão integrativa da literatura. J. res.: fundam. Care, v.8, n.1, 2016. Disponível em:<http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4182/pdf_1798>. Acesso em: 27 Mar 2019.

Downloads

Publicado

2019-05-23

Edição

Seção

Sessão Especial- Extensão na educação superior e profissional- Relatos de Experiência