A decisão clínica sob a ótica da “Grande Saúde” em um hospital

DANIELY QUINTÃO FAGUNDES, TULIO FRANCO

Resumo


Este artigo busca problematizar a prática de decisão clínica dentro de um hospital. Trata-se de uma pesquisa de campo, descritivo-exploratória de abordagem qualitativa a partir do método de História de Vida, fundamentada no referencial teórico da Linha de Cuidado Integral e no conceito da Grande Saúde de Nietzsche. Foi realizada uma entrada no campo, e período de observação com a construção de um caderno de campo, associado a entrevistas. Foi observado que as ações em saúde são fragmentadas, principalmente pela falta de vínculo entre o hospital e demais pontos da rede, além da não elaboração de um Projeto Terapêutico Singular para cada pessoa, o que faz o cuidado em saúde oferecido ser predominantemente tecnicista, e biomédico, e as decisões clínicas impositivas. O conceito de Grande Saúde problematiza esta visão do processo saúde-doença e por consequência a prática clínica dele decorrente. Os projetos terapêuticos singulares são um tipo de dispositivo que se forma além do processo normativo, e se incorporados nos processos de trabalho em saúde podem funcionar de modo a favorecer a subjetivação da prática médica permitindo a tomada de decisões que consideram o indivíduo em sua complexidade e rompendo a negação da existência em sua multiplicidade.


Palavras-chave


Assistência Integral à Saúde, Integralidade em Saúde, Humanização da Assistência

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


MOREIRA AB. Nietzsche e a grande saúde: O uso do diagnóstico tipológico contra a metafísica. In: Estudos Nietzsche. Espírito Santo; 2016. p. 31-55.

FOUCAULT M. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 1977.

MENÉNDEZ, E. Modelo hegemónico, modelo alternativo subordinado, modelo de autoatención: caracteres estructurales. In: Campos R. La antropologia médica en México. Ciudad de México: Universidad Autónoma Metropolitana; 1992.

MARCHED, CHR. Moléstias Profundas da Sensibilidade: a experimentação na produção da saúde. In: Marched CHR, Franco TB. Cartografias na saúde: ensaios da multiplicidade no cuidado. Porto Alegre: Rede Unida; 2018.

SILVA NEK, SANCHO LG, FIGUEIREDO WS. Entre fluxos e projetos terapêuticos: revisitando as noções de linha do cuidado em saúde e itinerários terapêuticos. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(3): 843-852

MÂNGIA, EF. Contribuições da abordagem canadense “Prática de Terapia Ocupacional Centrada no Cliente” e dos autores da desinstitucionalização italiana para a Terapia Ocupacional em saúde mental. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 2002; 13(3): 127-34.

MÂNGIA EF, MURAMOTO MT. Redes sociais e construção de projetos terapêuticos: um estudo em serviço substitutivo em saúde mental. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 2007; 18: 54-62.

MERHY EE. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In: REIS AT, SANTOS AF, CAMPOS CR, MALTA DC, MERHY EE. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte: reescrevendo o público. São Paulo; 1998.

VERAS RP, CALDAS CP, CORDEIRO HA. Modelos de atenção à saúde do idoso: repensando o sentido da prevenção. Physis. 2013; 23(4): 1189-1213.

MEIHY JCSB. Manual de história oral. São Paulo: Loyola; 2005.

HALBWACHS M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro; 2006.

FRANCO CM, SANTOS AS, SALGADO MF. Manual do Gerente: desafios da média gerência na saúde. Rio de Janeiro: Ensp; 2011

NIETZSCHE F. A gaia ciência. São Paulo: Casa Verde; 2001.

THIOLLENT M. Metodologia da pesquisa-ação. 17. ed. São Paulo: Cortez; 2009.

HUMANIZASUS. Política Nacional de Humanização, a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília, 2004.

EICHELBERGER M. O que pode a redução de danos? Videz-vous de tous vos clichês: o graffiti como produção de saúde [dissertação]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2012

MERHY EE. Enfrentar a lógica do processo de trabalho em saúde: um ensaio sobre a micropolítica do trabalho vivo em ato, no cuidado. In: CARVALHO SR, FERIGATO S, BARROS ME. Conexões: Saúde Coletiva e Políticas de Subjetividade. São Paulo: Hucitec; 2009.

PIERI G. L’Ospedale di Comunità nella Regione Emilia-Romagna: modelli organizzativi e valutazione della qualità dell’assistenza [doutorado]. Bologna (Itália): Universidade de Bologna-Itália. Bologna; 2016.

LEAVELL H, CLARK EG. Medicina Preventiva. São Paulo: McGraw-Hill; 1976.

PUTTINI, R.F.; PEREIRA JUNIOR, A. Além do mecanicismo e do vitalismo: a “normatividade da vida” em Georges Canguilhem. Physis. 2007; 17(2): 451-464.

FRANCO TB, GALAVOTE HS. Em Busca da Clínica dos Afetos. In: Franco TB, Ramos VC. Semiótica, Afecção e Cuidado em Saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2458g489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS