Educação em Saúde como Estratégia de Empoderamento das Gestantes na Atenção Primária: Relato de Experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p25-33

Palavras-chave:

Educação em saúde, Gravidez, Enfermeira Obstetra

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de relatar a experiência de enfermeiras pós-graduandas do Curso de Especialização em Enfermagem Obstétrica do Instituto Filadélfia – UniFil – Londrina/PR, durante as ações em saúde desenvolvidas no campo de estágio de Pré-Natal. Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência que foi desenvolvido a partir de uma atividade educativa e de consultas de Pré-Natal, norteado pelo tema “Quando procurar a maternidade?”, através de dinâmicas que simulavam a dilatação e banner com imagens autoexplicativas alusivas ao parto normal. A experiência foi de grande valia para todos os participantes. Enquanto alunas, pudemos compreender como se dá o cotidiano profissional e a importância de dirigir o momento da Educação em Saúde conforme as reais necessidades dos usuários. As gestantes e seus acompanhantes, no espaço disponibilizado, tiveram a oportunidade de externar seus medos e angústias e a partir das discussões, compreender melhor a gestação e o parto. Com isso, consideramos que o uso da Educação em Saúde é uma estratégia de empoderamento das mulheres grávidas, no intuito de minimizar os riscos de mobimortalidade da mãe e do recém-nascido, na medida em que possibilita o autoconhecimento.

Biografia do Autor

Elidiane Mattos Rickli, Universidade Estadual de Londrina

Graduada em Teologia pelo Centro Universitário Filadélfia (2015) e em Enfermagem pela Universidade Estadual de Londrina (2017). Possui Pós-Graduação em Enfermagem Obstétrica pelo Centro Universitário Filadélfia (2019). Mestra em Saúde Coletiva na Universidade Estadual de Londrina (2020). Enfermeira da Secretaria Municipal de Porto dos Gaúchos-MT. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: atenção básica e violência no ambiente universitário. 

Célia Maria da Rocha Marandola, Universidade Estadual de Londrina

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Londrina (2009). Pós-graduação em Saúde Coletiva (2011) e Urgência e Emergência (2012) pela ESAP, e Enfermagem Obstétrica (2017) pela UNIFIL. Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Londrina (2020) e enfermeira na Secretaria Municipal de Saúde de Cambé.

Ana Paula Marques Pinha, Centro Universitário Filadélfia

Graduada em Enfermagem pelo Centro Universitário Filadélfia. Possui especialização em Saúde Pública, Coletiva e da Família. Atualmente atua como técnica de saúde em urgência e emergência - PRONTO ATENDIMENTO JD. LEONOR. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em urgência e emergência.

Referências

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Diretrizes de educação em saúde visando à promoção da saúde: documento base - documento I/Fundação Nacional de Saúde - Brasília: Funasa, 2007. 70 p.

Vasconcelos EM. Educação Popular e a Atenção à Saúde da Família. São Paulo: Hucitec; 1999.

Levy SN, Silva JJC; Cardoso IFR; Werberich PM; Moreira LLS; Montiani H, et al. Educação em saúde: histórico, conceitos e propostas. Brasília (DF): MS/CNS; 2003. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cns

Ziegel E, Cranley, MSE, Enfermagem obstétrica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1985.

BRASIL. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 out. 2011a. Seção 1. p. 48-55

BRASIL. DECRETO Nº 94.406/87 que regulamenta nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispoe sobre o exercicio da Efermagem, e dá outras providencias. Disponivel em: http://www.cofen.gov.br/decreto-n-9440687_4173.html

Shimizu, HE; Lima, MG. As dimensões do cuidado pré-natal na consulta de enfermagem. Rev Bras Enferm, v. 62, n.3, p. 387-392. 2009

Marandola, TR; et al. Educação permanente em saúde: conhecer para compreender. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 10, n. 2, p. 53-60, jun. 2009. Disponível em: http://bases.bireme.br

Lazarini, FM, et al. In: Bases da saúde coletiva/[Organizadores]: Selma Maffei de Andrade...[et al.]. – 2 ed. Rev. E ampl. – Londrina: Eduel, p. 578, 2017

Oliveira, GS, Paixão, GPM, Fragra, CDS, Santos KR, Santos MA. Assistência de enfermeiros na síndrome hipertensiva gestacional em hospital de baixo risco obstétrico. Revista Cuidarte. 2017; 20(3):636-640. http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2216-09732017000 201 561&lng=pt&tlng=pt.

Cofen, RESOLUÇÃO COFEN Nº 516/2016 O Conselho Federal de Enfermagem – COFEN, no uso das atribuições que lhes são conferidas pela Lei nº 5.905, de 12 de julho de 1973, e pelo Regimento Interno da Autarquia, aprovado pela Resolução COFEN nº 421, de 15 de fevereiro de 2012. http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html

Carraro TE, Knobel R, Radunz V, Meincke SMK, Fiewski MFC, Frello AT, et al. Cuidado e conforto durante o trabalho de parto e parto: na busca pela opinião das mulheres. Texto Contexto Enferm . 2006; 15(Esp): 97-104.http://www.scielo.br/pdf/tce/v15nspe/v15nspea11

Lisboa MTL, Vieira MM. Exame físico e histórico de saúde. In: Potter PA, Perry AG. Fundamentos de Enfermagem. 2009. Elsevier . 6ª ed. p: 715-861.

Rabelo LR, Oliveira DL. Percepção de enfermeiras obstétricas sobre sua competência na atenção ao parto normal hospitalar. Rev Esc de Enferm da USP. 2010; 44(1): 213-20. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342010000100030&lng=pt&tln g=pt

Correa ML . La humanización de la atención en los servicios de salud: un asunto de cuidado. Rev Cuid . 2016; 7(1):1227-31. https://www.revistacuidarte.org/index.php/cuidarte/article/view/300/527

Krug, EG.et al., eds. World report on violence and health. Geneva, World Health Organization, 2002.

Zanardo, GLP, Calderón, M, Nadal, AHR & Habigzang, LF. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade, 29: e155043, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e155043.pdf acesso em 09.06.2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Portaria 569 de 1º de junho de 2000. Disponível em acesso em 09.06.2018.

Possati AB, Prates LA, Cremonese L, Scarton J, Alves CN, Ressel LB. Humanização do parto: significados e percepções de enfermeiras. Esc Anna Nery 2017;21(4):e20160366. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ean/v21n4/pt_1414-8145-ean-2177-9465-EAN-2016-0366.pdf> acesso em 08.06.2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011 que institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha – 2011b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. Acesso: 10 out. 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-01