Perfil de governança colaborativa na atenção ambulatorial especializada: uma experiência em duas regiões de saúde

Rejane Seldenreich, Gabriella Barbosa Nadas, Leticia Monteiro Bettiol, Luiane Bisognin Ceretta, Lisiane Tuon

Resumo


Objetivos: Objetivou-se caracterizar o perfil da governança na Atenção Ambulatorial Especializada na região Sul de Santa Catarina (SC), a partir da percepção dos gestores em relação as especificidades da governança colaborativa. Métodos: A pesquisa baseou-se no modelo analítico, desenvolvido por Milagres et al. (2016). A população é formada por 23 gestores das Comissões de Intergestores Regionais (CIRs). Pesquisa de cunho qualitativo-quantitativo, aplicada, descritiva do tipo levantamento. O questionário foi o instrumento de coleta de dados e o período de aplicação foi entre julho a setembro de 2018. Foi aplicado nas reuniões das CIRs, após serem devidamente autorizadas e aprovadas. Para análises estatísticas, os dados foram organizados, codificados, tabulados no software estatístico IBM SPSS, versão 20.0®, utilizando-se de estatística descritiva. Resultados: Constatou-se que, o princípio da confiança é reconhecido por 68% dos gestores, assim como os elementos: Antecedentes em torno de 70%; Governança Contratual, 35,5%; Governança Processual em média 70% e Governança Relacional aproximadamente 64%. No entanto, observou-se que os gestores não têm clareza em identificá-los com tamanha importância. Conclusões: A adoção da gestão colaborativa está em apropriar-se de conhecimento, fornecendo subsídios para que seja possível o enfrentamento dos entraves, possibilitando tornar a Atenção Ambulatorial Especializada efetiva, e gerar resultados atendo as demandas da população.


Palavras-chave


Atenção Ambulatorial Especializada; Governança Colaborativa; Governança na Saúde; Saúde Pública.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Schulze CJ. Governança na Gestão da Saúde. 2015. [Acesso em 07 de agosto de 2017]. Disponível em: https://emporiododireito.com.br/leitura/governanca-na-gestao-da-saude-por-clenio-jair-schulze.

CONASS. A Gestão do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília: CONASS, 2015. [Acesso em: 19 maio 2017]. Disponivel em: http://www.conass.org.br/guiainformacao/planejamento-e-orcamento-no-sus/.

Vargas I, Mogollón-Pérez AS, Unger JP, Da Silva MRF, De Paepe P, Vázquez ML. Política Regional de Atenção Integrada à Saúde no Brasil: da formulação à prática, Política e Planejamento em Saúde, São Paulo. 2015; 30(6):705-17.

Emerson K, Nabatchi T, Balogh S. An integrative framework for collaborative governance. Journal of Public Administration Research and Theory, Reino Unido. 2012; 22(1):1-29. [Acesso em: 19 mar. 2019]. Disponível em: https://academic.oup.com/jpart/article/22/1/1/944908.

Milagres R, Da Silva SAG, Rezende O. Governança Colaborativa, Governança Regional das Redes de Atenção à Saúde/ Conselho Nacional de Secretários de Saúde. CONASS Debate. 2016; 6(0): 14-48.

Bryson JM, Crosby BC, Stone MM. Designing and implementing cross-sector collaborations: needed and challenging authors. Public Administration Review, Minneapolis. 2015; 75(0):647-63.

Peters BG. O que é governança? Revista do TCU, São Paulo. 2013; 87(0):28-33. [Acesso em: 19 mar. 2019]. Disponível em: https://revista.tcu.gov.br/ojs/index.php/RTCU/article/view/87/85.

Malhorta D, Lumineau F. Trust and collaboration in the aftermath of conflict: The effects of contract structure. Academy of Management Journal. 2011; 54(5): 981-98.

Kumar R. Managing ambiguity in strategic aliances California management review, Califórnia. 2014; 56(4):82-102.

Pinafo E, Carvalho BG, Nunes EFPA. Descentralização da gestão: caminho percorrido, nós críticos e perspectivas. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2016;21(0):1511-24.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2536g520

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS