Supervisão de Casos em Programa de Residência de Medicina de Família e Comunidade: proposta de instrumento para avaliação à distância

Carla Baumvol Berger, Daniela Dallegrave, Eno Dias de Castro Filho, Renata Pekelman

Resumo


Propõe-se a utilização de um instrumento sistematizado para avaliação da supervisão de casos por preceptores de Medicina de Família e Comunidade. Justifica-se por considerar que a qualidade da supervisão oferecida ao residente é uma dimensão importante na formação. A elaboração do instrumento contou com a observação de videogravações relacionadas a supervisão de casos como estratégia de qualificação dos preceptores. No cotidiano de trabalho, a supervisão ainda é, em grande parte, desenvolvida de acordo com experiência individual, sem considerar protocolos específicos. Nesse processo, discute-se o conceito de preceptor, a necessidade de alavancar a formação de médicos para atuação na Atenção Primária e de refletir sobre o uso de inovações tecnológicas na área da saúde. A utilização do instrumento e das videogravações mostraram-se eficazes, servindo de subsídio para aprimorar tanto a técnica de observação, como a qualificação da supervisão.


Palavras-chave


Medicina de Família e Comunidade, Preceptor, Educação à Distância, Saúde Pública

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Relatório Técnico de Projeto. Observatório de Recursos Humanos em Saúde do NESCON/FM/ UFMG. Avaliação nacional da demanda de médicos especialistas percebida pelos gestores de saúde. Belo Horizonte. Março, 2009.

Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977. Regulamenta a Residência Médica, cria a Comissão Nacional de Residência Médica e dá outras providências; 1977.

Falk JW. A especialidade Medicina de Família e Comunidade no Brasil: aspectos conceituais, históricos e de avaliação da titulação dos profissionais [tese]. Porto Alegre (RS): Faculdade de Medicina; 2005.

Programa Saúde da Família. Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Políticas de Saúde. Informe Técnico. Rev. saúde pública, v.34, n.3, p.316-319, 2000. Disponível em: .

Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Dispõe sobre a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa da Saúde da Família (PSF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (Pacs). Diário Oficial da União. 2006 Mar 28.

Castro-Filho ED. Telessaúde no apoio a médicos de Atenção Primária [tese]. Porto Alegre (RS): Faculdade de Medicina; 2011.

Trindade TG. Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade. Seminário “Mudanças na Formação Médica no Brasil”. Ministério da Saúde/Ministério da Educação. 2015.

Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Brasília, DF, 2013.

SBMFC – Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Projeto de Expansão da Residência em Medicina de Família e Comunidade 2005. [mimeo.]

Resolução CNRM 01/2015. Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência médica em Medicina Geral de Família e Comunidade - R1 e R2 e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2015. Seção1, p.11.

Scheffer M, Biancarelli A, Cassenote A. Demografia médica no Brasil 2015. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP; Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; Conselho Federal de Medicina, 2015. [Capturado em 03/set/2019]. Disponível em: http://www.usp.br/agen/wp-content/uploads/DemografiaMedica30nov2015.pdf

Pesquisa de Informações Básicas Municipais. [Capturado em 03/set/2019]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/perfilmunic/2014/

Bentes A, Leite AJM, Montenegro APDR. Preceptor de Residência Médica: funções, competências e desafios. A contribuição de quem valoriza porque percebe a importância: Nós mesmos! Cadernos da ABEM/Associação Brasileira de Educação Médica. Vol. 9 (outubro 2013), Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Educação Médica, 2013.

Castells MA, Campos CEA, Romano VF. Residência em Medicina de Família e Comunidade: atividades da Preceptoria. Rev. bras. educ. méd. [on line]. 2016; 40(3); p. 461-469.

Botti SHO. Desenvolvendo as Competências Profissionais dos Residentes. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. Vol. 11 (Supl.1),2012.

Berger C, Dallegrave D, Castro-Filho ED. A formação na modalidade Residência Médica: contribuições para a qualificação e provimento médico no Brasil. Rev. bras. med. fam. comunidade (Rio de Janeiro). 2017. 12 (39):1-10.

Hatem CJ, Searle NS, Gunderman R et al.. The Educational Attributes and Responsabilities of Effective Clinical Educators. Acad Med 2011;86(4):474-80.

Harden RM, Crosby J. The Good Teacher is more than a Lecturer: the twelve roles of the Teacher. Med. teach. 2000;22(4): 334-347.

Autonomo FRO, Hortale VAG, Santos GB, Botti SHO. A Preceptoria na Formação Médica e Multiprofissional com ênfase na Atenção Primária: análise das publicações brasileiras. Rev. bras. educ. méd. [on line]. 2015. 39(2); 316-327.

Botti SHO, Rego S. Preceptor, Supervisor, Tutor e Mentor: quais são seus papéis? Rev. bras. educ. méd. 2008. 32(3):363–373.

Izecksohn MMV, Teixeira-Junio JE, Stelet BP, Jantsch AG. Preceptoria em Medicina de Família e Comunidade: desafios e realizações em uma Atenção Primária à Saúde em construção. Ciênc. saúde coletiva, 2017, 22(3):737-746.

Berger CB. Desafios e perspectivas na implantação de um programa nacional de residência em medicina de família e comunidade [Dissertação]. Porto Alegre (RS): Grupo Hospitalar Conceição; 2017.

Resolução Nº 466 de 12 de dezembro de 2012. [Citada em 03/set/19]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Dohms M, Tesser CD, Grosseman S. Potencialidades no Ensino-Aprendizagem da Comunicação Médico-Paciente em três escolas brasileira, espanhola e holandesa. Rev. bras. educ. méd. [on line] 2013, 37(3) p. 311-319.

Poli-Neto P. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Curitiba. Rev. bras. med. fam. comunidade. Rio de Janeiro, 2014, Abr-Jun; 9(31):192-194.

Carrió FB, Dohms M, Fontcuberta JMB. Utilização da filmagem de consultas para o aprendizado. In: Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática. Orgs.: Gusso G, Lopes JMC. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 421-9.

Neher JO, Stevens NG. The One-Minute Preceptor: Shaping the Teaching Conversation. Fam. med., 2003; 35(6):391-3.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2552g521

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS