A Implementação dos Programas Integrados de Residências (FESF-SUS/Fiocruz) na Região Metropolitana de Salvador-BA

Waldemir de Albuquerque Costa, Victor Rocha Santana

Resumo


O presente artigo tem por objetivo descrever a experiência de implementação dos Programas Integrados de Residências em Medicina de Família e Comunidade e Multiprofissional em Saúde da Família da Fundação Estatal Saúde da Família (FESF-SUS) e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na região metropolitana de Salvador-BA (RMS), correlacionando-a com a conjuntura política do período e a organização dos sistemas de saúde locais. Trata-se de um relato de experiência baseado nas vivências e narrativas de dois preceptores implicados com a Atenção Básica à Saúde (ABS) da RMS e que participaram do programa desde sua idealização. Foram levados em conta ainda documentos relevantes da época e das residências da região para a reconstrução histórica do programa. O estudo trouxe à tona fortalezas, fragilidades, ameaças e oportunidades da residência, tensões e progressos dos atores envolvidos e questões relevantes para o futuro do programa. Por fim, traz o reconhecimento da residência como uma grande conquista para a RMS e aponta, entre os principais desafios do programa, a importância de se aprimorar a articulação política e a divulgação de suas atividades. Como um estudo exploratório inicial, o artigo busca estimular a realização de mais pesquisas sobre o programa que possam abordar, de forma mais aprofundada, suas práticas pedagógicas, as relações envolvidas entre os atores-chave e seus desdobramentos sobre a ABS da RMS e de todo o estado.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Ministério da Educação (BR). Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Secretaria de Educação Superior. Resolução nº 2, de 13 de Abril de 2012. Dispõe sobre diretrizes gerais para os programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Diário Oficial da União. 16 Abr 2012.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 198, de 13 de Fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Torres RBS, Barreto ICHC, Freitas RWJF, Evangelista ALP. Estado da arte das residências integradas, multiprofissionais e em área profissional da Saúde. Interface (Botucatu). 2019; 23:e170691.

Silva LB. Residência Multiprofissional em Saúde no Brasil: alguns aspectos da trajetória histórica. R. Katál., Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 200-209, jan./abr. 2018.

Brasil. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 jul. 2005.

Portaria Interministerial MS/MEC nº 2117, de 03 de Novembro de 2005. Institui no âmbito dos Ministérios da Saúde e da Educação, a Residência Multiprofissional em Saúde e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, Ministério da Educação; 2005.

Barrêto DS, Melo Neto AJ, Figueiredo AM, Sampaio J, Gomes LB et al. Programa Mais Médicos e residências de Medicina de Família e Comunidade: estratégias articuladas de ampliação e interiorização da formação médica. Interface (Botucatu). 2019; 23(Supl. 1): e180032. https://doi.org/10.1590/Interface.180032

Scheffer M, et al. Demografia Médica no Brasil 2018. São Paulo, SP: FMUSP, CFM, Cremesp, 2018.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Atenção Primária em Saúde: agora mais do que nunca. Genebra; OMS, 2008.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 12.871, de 22 de Outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos. Diário Oficial da União. 23 Out 2013.

Fundação Estatal Saúde da Família. Plano Estratégico FESF-SUS 2018-2021. Salvador: 2018.

Castro MC, et al. Brazil’s unified health system: the first 30 years and prospects for the future. The Lancet. 2019 Jul 27;394(10195):345-356.

Merhy EE. O conhecer militante do sujeito implicado: o desafio de reconhecê-lo como saber válido. In: Franco TB, Peres MAA Peres. (Orgs.). Acolher Chapecó: uma experiência de mudança do modelo assistencial, com base no processo de trabalho. 1 ed. São Paulo: Editora Hucitec; 2004. p.21-45.

Nunes CA, Vilasbôas ALQ (Orgs.). 10 Anos de Residência Multiprofissional em Saúde da Família: contando uma história. Salvador: ISC/UFBA; EESP/SESAB, 2006.

Soares CLM, Vilasbôas ALQ, Nunes CA, Santos L. Residência em Saúde Coletiva com concentração em planejamento e gestão em saúde: a experiência do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. DIVULGACAO EM SAUDE PARA DEBATE, v. 58, p. 306-314, 2018.

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Política Estadual de Gestão do Trabalho e Educação Permanente em Saúde (PGTES). Salvador: SESAB, 2011.

Melo RM, et al. Experiência da Residência Multiprofissional Regionalizada como Educação Profissional em Saúde. Revista Acadêmica GUETO, v.5, n.12, 2018.

Rodriguez RVR. Cómo elaborar el análisis DAFO. Galicia: CEEI,2012. [acessado 2019 set 26]. Disponível em: http://www.ferrol.es:8080/activateenelcentro/fotos/biblioteca/CPX_ComoelaborarAnalisisDAFO_cas.pdf

Justino ALA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(5):1471-80.

Sarti TD, Dalla MDB, Machado TM, Fonseca MCFO, Bof SMS, Castro Filho JA, et al. A implementação de Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade em uma capital da Região Sudeste, Brasil: relato de experiência. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-12.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica - Teto, credenciamento e implantação das estratégias de Agentes Comunitários de Saúde, Saúde da Família e Saúde Bucal. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2019. [acesso 2019 Set 22]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml

Carvalho, ER. Gestão do SUS em Salvador/BA: análise do Plano Municipal de Saúde 2014- 2017 e seus impactos na prestação dos serviços de Saúde. Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades, Salvador, n. 246, jan./abr., p. 121-139, 2019.

Sociedade Hólon. Relatório das atividades no Complexo Comunitário Vida Plena - Pau da Lima - Janeiro/Fevereiro 2014. Salvador, 2014.

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Relatório Anual de Gestão 2013. Salvador: SESAB, 2014.

Vieira MC. Avaliação das atividades de supervisão nos programas de provimento de médicos na Bahia [dissertação]. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2017.

Fundação Estatal Saúde da Família. Ato Administrativo nº 0181/2015. FESF-SUS, 2015.

Campos GWS. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 219-230, jul./dez. 2000.

Prefeitura Municipal de Camaçari. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde 2014-2017. Camaçari; 2014.

Cotta RMM, et al. Portfólios reflexivos: construindo competências para o trabalho no Sistema Único de Saúde. Rev Panam Salud Publica. 2011:30(5):415–21.

Santos RC. Saúde Todo Dia: uma construção coletiva [dissertação]. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2005.

Fundação Estatal Saúde da Família. Prestação de Contas Ordinárias Anual: relatório de gestão exercício 2018. Salvador, FESF-SUS 2018.

França AL, Gonzaga AS, Silva DS, Santana EM, Santana LGM, Faria RG. A atuação do profissional de Educação Física na Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela FESF: O acolhimento e a mudança de modelo de atenção à saúde na Unidade Nova Aliança em Camaçari-Ba. XIX Congresso Brasileiro de Ciência do Esporte. Vitória, ES: Universidade Federal do Espírito Santo, 2015.

Melo MS, Carvalho LV, Resende LT, Carvalho TA, Andrade JS. Acolhimento na Atenção Básica: vantagens e dificuldades. In: International Nursing Congress: Good practices of nursing representations in the construction of society. Aracaju, SE: Universidade Tiradentes, 2017.

França AL, Braga RGO, Ferreira MM. A inserção do educador físico no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Fiocruz/ FESF-SUS: O trabalho em equipe multiprofissional. XIX Congresso Brasileiro de Ciência do Esporte. Vitória, ES: Universidade Federal do Espírito Santo, 2015.

Carvalho VWP, Rocha TAF, Melo DC, Lopes SPA, Santos SC. O cirurgião-dentista enquanto referência em saúde mental: relato de experiência. In: XIX Congresso Internacional de Odontologia da Bahia – CIOBA, 2018, Salvador. Anais XIX CIOBA 2018. Salvador: Journal of Dentistry & Public Health, 2018. v. 9.

Oliveira ASS, Sotero DR, Silva JKF, Oliveira MCR, França TRCL. Conhecimento de agentes de saúde sobre prevenção do câncer bucal/HPV. In: XVIII Congresso Internacional de Odontologia da Bahia - CIOBA, 2017, Salvador. Anais XVIII CIOBA (Odontologia Preventiva e Social). Salvador: Revista Bahiana de Odontologia, 2017. v. 8. p. 579.

Santos FA. Análise crítica dos Projetos Político-pedagógicos de dois Programas de Residência Multiprofissional em Saúde da Família [dissertação]. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2010.

Marin MJS, et al. Multiprofessional health-related graduate courses: results from experiences using active methodologies. Interface - Comunic., Saude, Educ., v.14, n.33, p.331-44, abr./jun. 2010.

Santos Filho EN, Sampaio J, Braga LAV. Avaliação de um programa de residência multiprofissional em saúde da família e comunidade sob o olhar dos residentes. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, 10(4), 129-149, dez, 2016.

Oliveira, FD. A preceptoria na Estratégia Saúde da Família: o olhar dos profissionais de saúde [dissertação]. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.2775g704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS