A Educação Popular em Saúde como mediação pedagógica da gestão e práticas colaborativas na Atenção Básica à Saúde

Alex Simões de Mello, William Pereira Santos, Sonia Acioli de Oliveira

Resumo


Esta é uma sistematização de experiências, na perspectiva de Oscar Jara (2012), sobre a gestão compartilhada de uma Clínica de Família, no bairro de Manguinhos, Rio de Janeiro - RJ, Brasil. Objetivou-se refletir como a Educação Popular em Saúde (EPS) pode mediar o processo de gestão compartilhada na qualificação das ações de prevenção do câncer de colo do útero junto aos profissionais, numa ação colaborativa com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Tomou-se como reflexão, o trabalho na Atenção Básica, a mediação da EPS e a gestão e práticas colaborativas. Concluiu-se que o diálogo com o contexto local, mediado por uma parceria colaborativa sob a proposta crítico-reflexiva, transformou em práxis a coleta de preventivo, qualificando o processo de cuidado.


Palavras-chave


Educação Popular em Saúde. Atenção Básica à Saúde. Gestão participativa. Saúde da mulher. Rastreamento de câncer.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Jara. OJ. A sistematização de experiências: prática e teoria para outros mundos possíveis. Brasília, DF: CONTAG, 2012.

Manguinhos: Histórias de Pessoas e Lugares [internet]. Rio de Janeiro: Fiocruz. Laboratório Territorial de Manguinhos. Disponível em . Acesso em: 13 de setembro de 2018.

Governo do Rio de Janeiro. Informação pública. PAC comunidade Complexo de Manguinhos - urbanização [internet]. Rio de Janeiro: Governo do Rio de Janeiro. Governo do Rio de Janeiro. Disponível em . Acesso em: 13 de setembro de 2018.

Theme Filha MM, Daumas RP, Alves LC, et al. Análise da tuberculose em uma unidade de Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro: perfil clínico, resultado de tratamento e qualidade dos registros. Cad. Saúde Colet., 2012, Rio de Janeiro, 20(2): p.169-76.

Schütz G, Pivetta F, Engstrom E. Contextos do Teias-Escola Manguinhos. In: Carvalho, MAP, Pivetta F (orgs.). O território integrado de atenção à saúde em Manguinhos: todos somos aprendizes! Rio de Janeiro: ENSP/ Fiocruz, 2012. p.25-37.

Matos M, Souza RM. A formação de um conselho local de saúde. In: Santos, IS, Goldstein RA (orgs.). Rede de pesquisa em Manguinhos: sociedade, gestores e pesquisadores em conexão com o SUS. São Paulo: Hucitec, 2016.

Engstrom E, Fonseca Z, Leimann B (Orgs.). A experiencia do Território Escola Manguinhos na Atenção Primária de Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, ENSP: 2012.

Raiher AP. Condição de Pobreza e a Vulnerabilidade da Mulher Brasileira. Informe Gepec, Toledo, 20(1), jan./jun. 2016;. p. 116-128

Engstrom EM, Teixeira MB. Manguinhos, Rio de Janeiro, Brazil, “Street Clinic” team: care and health promotion practice in a vulnerable territory. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6):1839-48, 2016.

Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. - 2. ed. Rev. atual. - Rio de Janeiro: INCA, 2016.

Horta ALA. Citologia em meio líquido na prevenção do câncer de colo do útero. Inovar Saúde - Revista Médica, 2015. p.54-62.

Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. - Rio de Janeiro: INCA, 2015.

Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Atlas On-line de Mortalidade [internet]. Disponível em: . Acesso em: 08 de novembro de 2019.

Gamboni M, Miziara EF. (edts). Manual de Citopatologia Diagnóstica. São Paulo: Manole, 2013.

Machado LM. HPV, câncer do colo uterino e seus fatores de risco para o acometimento. [Monografia]. Faculdade Boa Viagem e Centro de Consultoria Educacional, Recife, 2015.

Bonetti OP, Chagas RA, Siqueira TCA. A Educação Popular em Saúde na gestão participativa do SUS: construindo uma política. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. p.16-24.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Acioli S. Formação em saúde da família: um diálogo entre saberes e práticas. In: Dias PRV, Rendeiro MMP, Costa MH. Intervenções possíveis no território - práticas em saúde da família no SUS. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2015. p.53-65.

Rodrigues LBB, Silva PCS, Peruhype RC, et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, 19(2), Enero-febrero, 2014, p.343-52

Merhy EE. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In: Franco TB, Merhy EE. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos. São Paulo: Hucitec, 2013. p.68-94.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Aoki M, Batista MPP, Almeida MHM. Desafios do cuidado em rede na percepção de preceptores de um Pet Redes em relação à pessoa com deficiência e bebês de risco: acesso, integralidade e comunicação. Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos, 25 (3), p.519-32, 2017.

Stotz EM, David HMSL. Educação Popular e Saúde. In: Soares CB, Sivalli CM. Fundamentos de Saúde Coletiva e o cuidado de Enfermagem. Ed. Manole, 2013.

Valla, VV. A crise da interpretação é nossa: procurando intender a fala das classes subalternas. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014, p. 35-48.

Pulga VL. A Educação Popular em Saúde como referencial para as nossas práticas na saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. p.123-46.

Franco TB, Merhy EE. Mapas analíticos: um olhar sobre a organização e seus processos de trabalho. In: Franco TB, Merhy EE. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos. São Paulo: Hucitec, 2013. p.338-61.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2909g502

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS