Avaliação da Saúde Ocular de Crianças da Educação Infantil em uma Creche: Tecendo Laços entre Educação e Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n1p101-115

Palavras-chave:

Saúde da Criança, Saúde Ocular, Diagnóstico da Situação de Saúde, Serviços de Saúde Escolar.

Resumo

Objetivo: Avaliar a acuidade visual de crianças da educação infantil em um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) do município de Teresina-PI. Métodos: Trata-se de uma pesquisa de caráter quantitativo, do tipo observacional, descritivo e transversal. Participaram do estudo 75 pré-escolares que estavam matriculados e frequentando regularmente a CMEI do bairro analisado, de ambos os sexos, na faixa etária de 3 a 6 anos de idade, sendo obtida prévia autorização dos pais/responsáveis. Foi realizada a avaliação da acuidade visual por meio do Teste de Snellen adaptado para a faixa etária estudada. Resultados: Foi constatada baixa acuidade visual em 2 crianças do sexo feminino (2,66%) e 1 criança (1,33%) do sexo masculino, portanto não havendo diferença expressiva quanto ao sexo. Foram observadas ainda a presença de sinais e sintomas que indicam a necessidade de consulta oftalmológica mais aprofundada em cerca de 7%, devido alterações constatadas não somente pelo Teste de Snellen, mas também pela presença de sinais e sintomas indicativos de encaminhamento como o estrabismo e dor ocular em dois pré-escolares. Considerações Finais: A avaliação visual realizada permitiu avaliar a acuidade visual dos pré-escolares e assim contribuiu para a possibilidade de um diagnóstico de baixa acuidade visual das crianças avaliadas e seu posterior encaminhamento visando tratamento adequado, refletindo também na conscientização de pais/responsáveis e a necessidade de instituição efetiva de laços que aproximem a Estratégia de Saúde da Família e CMEI.

Referências

Referências

Dias IMAV, Salvador M, Pacheco ZML, Andrade AM, Alves TGF, Vieira ARB, Soares GC. Olho vivo: analisando a acuidade visual das crianças e o emprego do lúdico no cuidado de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010; 14(2): 318-23.

Figueiredo SO, Roque ILF, Guimarães IISM, Vieira LMP, Amaral NS, Gonzaga RMC. Detecção precoce e resolução de deficiência visual em escolares da cidade de Patos de Minas. Rev Med Minas Gerais. 2015; 25(5):18-21.

Régis-Aranha LA, Moraes FH, Santos STC, Heufemann NEC, Magalhães WOG, Zacarias Filho RP et al. Acuidade visual e desempenho escolar de estudantes em um município na Amazônia Brasileira. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017; 21(2): 1-6.

Oliveira CAS, Parizotto AV, Caleffi MF, Beal C, Yeh WSS, Vicensi MC. Erros de refração como causas de baixa visual em crianças da rede de escolas públicas da regional de Botucatu – SP. Arq Bras Oftalmol. 2009;72(2):194-98.

Pinheiro RC, Pizzani L, Martinez CMS, Hayashi MCPI. Produção científica sobre avaliação da visão em crianças: um estudo bibliométrico na base de dados LILACS. Rev Educ Espec. 2012; 25(42): 143-66.

Moreira Neto CA, Moreira ATR, Moreira LB. Relação entre acuidade visual e condições de trabalho escolar em crianças de um colégio do ensino fundamental público de Curitiba. Rev Bras Oftalmol. 2014; 73(4): 216-19.

Dias IMAV, Salvador M, Pacheco ZML, Andrade AM, Alves TGF, Vieira ARB, Soares GC. Estudo da acuidade visual de crianças de uma escola do município de Juiz de Fora – MG. R. Enferm. Cent. O. Min.2011; 1(1): 103-11.

Biberg-Salum TG, Picoli RP, Budib CB, Souza CC, Guimarães CM, Aguiar EC et al. Triagem para distúrbios visuais em escolares no município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. Scientia Medica. 2015; 25(4): 21389.

Barreto LP. Rastreamento da deficiência visual em crianças do Ensino Fundamental de uma Escola do Município de São João de Meriti – RJ. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. UNIVERSIDADE ABERTA DO SUS. Especialização em Saúde da Família. 34 p, 2015.

Lemos ABS, Cerdeira CD, Laignier BFF, Cota LHT, Silva MC, Barros GBS. Triagem oftalmológica e análise dos potenciais fatores de risco para a baixa acuidade visual de alunos no Ensino Fundamental I (primeira a quarta série) da rede pública em Alfenas/MG (Brasil). Arq Catarin Med. 2018; 47(1): 106-20.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica - Saúde na Escola. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 93p. 2009. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_24.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos temáticos do PSE – Saúde Ocular. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 28 p. 2016. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/caderno_saude_ocular.pdf.

Corrêa EJ, Molinari LC, Boteon J. Avaliação ocular de crianças e adolescentes na atenção básica à saúde. In: GUSMAO, C. M. G. et al. II Relato de experiências em tecnologias educacionais do Sistema UNA-SUS 2015. 22. ed. Recife: Editora Universitária UFPE, p.196 - 211, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 272 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, nº 33). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_33.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Projeto Olhar Brasil: triagem de acuidade visual: manual de orientação / Ministério da Saúde, Ministério da Educação. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 24 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1863-pse-manual-olharbrasil&Itemid=30192.

Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na infância: detecção e intervenção precoce para prevenção de deficiências visuais. [Internet]. Brasília. Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_saude_ocular_infancia.pdf.

Becker TOF, Cortela DCB, Miura H, Matsuhara ML. Avaliação da acuidade visual em escolares do ensino fundamental. Rev Bras Oftalmol. 2019; 78(1): 37-41.

Couto Júnior AS, Jardim JL, Oliveira DA, Gobetti TC, Portes AJF, Neurauter R. Alterações oculares em crianças pré-escolares e escolares no município de Duque de Caxias,Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Oftalmol. 2010; 69 (1): 7-11.

Ottaiano JAA, De Ávila MP, Umbelino CC, Taleb AC. As Condições de Saúde Ocular no Brasil. Edicão 1 – 2019. CBO – Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

Dalia ERC, Campo LM, Teixeira LP, Vilar MMC, Abreu PHL, Nassaralla Junior JJ. Análise da prevalência dos pacientes que necessitam de óculos em um Hospital Oftalmológico em Goiânia, Goiás, Brasil. Projeto Olhar Brasil. Rev Bras Oftalmol. 2017; 76 (2): 57-60.

Schumaher MLN, Gasparetto MERF. Saúde ocular de escolares: atuação de enfermeiros. Rev Enferm UERJ. 2016; 24(6):e15108.

Oliveira RS, Parizotto AV, Caleffi MF, Beal C, Yeh WSS, Vicensi MC. Avaliação da acuidade visual em escolares no município de Herval d’Oeste, Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013; 8(28): 180-86.

Ribeiro GB, Coelho ALD, Chaves PHP, Macedo RL, Blasco e Silva TA. Avaliação oftalmológica de crianças de escolas públicas de Belo Horizonte/MG: um panorama acerca da baixa acuidade visual. Rev Bras Oftalmol. 2015; 74 (5): 288-91.

Koga MCS, Amorim VAM, Gonçalves WG, Regino DSG. Avaliação da acuidade visual pela enfermagem: utilização da tabela de snellen em crianças do ensino fundamental I. Rev Cient Unisalesiano. 2016;7(15): 423-36.

Valverde CN, Nacif TC, Freitas HO, Queiroga T M, Bomfim-Pereira MG. Prevalence of detection of visual impairment and treatment in the age group 4 to 7 years. Rev Bras Oftalmol. 2016;75(4):286-89.

Zimmermann A, Carvalho KMM, Atihe C, Zimmermann SMV, Ribeiro VLM. Visual development in children aged 0 to 6 years. Arq Bras Oftalm. 2019; 82(3): 173-75.

Silva CMF, Almeida DR, Bernardes RR, Bazzano FCO, Mesquita Filho M, Magalhães CHT et al. Desempenho escolar: interferência da acuidade visual. Rev Bras Oftalmol. 2013; 72 (3): 168-71.

Dan VJL. Prevalência de baixa acuidade visual em escolares do oeste paulista. Rev Urutágua-acadêmica disciplinar. 2016, 33: 132-38.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Edição

Seção

Artigos Originais