Os sujeitos do Mal-estar: análise da narrativa de uma profissional da Rede de Atenção Psicossocial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p259-268

Palavras-chave:

Saúde Pública, Acolhimento, Profissional de Saúde

Resumo

O Objetivo deste trabalho é apontar como são construídas subjetividades decorrentes de práticas discursivas e não discursivas na Rede de Atenção Psicossocial e nas Comunidades Terapêuticas de uma cidade de porte médio da região centro-oeste. Apoiados na concepção foucaultiana de produção de subjetividades por meio de dispositivos ligados às Políticas Públicas, os autores buscam apontar como a nomeação do mal-estar e como as práticas das clínicas tradicionais, das intervenções psicossociais e das Comunidades Terapêuticas produzem discursos e sujeitos que as respondem como sujeito-dobradiça. A hipótese que dirige a investigação é a de que a Biopolítica se introduz em múltiplas modalidades nos serviços de Saúde como forma de governo das populações discriminadas. As narrativas postas em dois artigos e o memorial da autora, escritos para compor sua dissertação de Mestrado em Psicologia, realizado na Universidade Federal da Grande Dourados na linha de pesquisa Processos Psicossociais, foram resgatados e constituem o corpus desta investigação. A análise do material aponta a existência de conflitos entre os trabalhadores de Saúde frente à multiplicidade de agenciamentos da biopolítica e às resistências que emergem nos projetos de intervenção do Estado brasileiro.

Biografia do Autor

XENIA ROSEMARIE CAMPOS, Universidade Federal da Grande Dourados

Faculdade de Ciências HumanasPrefeitura Municipal de Dourados

Conrado Neves Sathler, Professor Associado da Universidade Federal da Grande Dourados

Referências bibliográficasFreud S. O mal-Estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago; 1997.Freud S. Interpretação das Afasias. Lisboa: Edições 70; 1977Freud S. Inibição, sintoma e angústia. São Paulo: Companhia das letras; 2014.Bock AMB, Furtado O, Teixeria MLT. Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia. 13 ed. São Paulo: Saraiva; 1999.Dreyfus H, Rabinow P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 1995.Foucault, Michel. Ditos e Escritos IV – Estratégia Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2003.Foucault M. Microfísica do poder. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.Mbembe A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. 2 Ed. São Paulo: n-1; 2018.Foucault M. História da sexualidade1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.Carvalho SR, Lima EMFA. Poderes da liberdade, governamentalidade e saberes psi: diálogos com Nikolas Rose (Parte 2). Interface (Botucatu). 2016; 20(58): 797-808.American Psychiatry Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed; 2014.Câmara FP. A construção do diagnóstico psiquiátrico. Rev. latinoam. psicopatol. fundam., 2007; 10(4): 677-684.Revista CREAS: Centro de Referência Especializado de Assistência Social. 2008; 2(1).Nascimento S. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. Serv. Soc. Soc., 2010; (101): 95-120.Nota Técnica nº 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Disponível em: http://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf. Acesso em 26.fev.2020.BRASIL. Ministério da Saúde. SAS. PNH. Clínica Ampliada e Compartilhada. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf. Acesso em 27 fev. 2020Gomes TB, Vecchia MD. Estratégias de redução de danos no uso prejudicial de álcool e outras drogas: revisão de literatura. Cien Saude Colet, 2018; 23(7), 2327-2338.Silva FP, Frazão, Iracema, Linhares, FMP. Práticas de saúde das equipes dos Consultórios de Rua. Cad. Saúde Pública,2014; 30(4), 805-814.Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/06/Relatorio-da-inspecao-nacional-em-comunidades-terapeuticas_web.pdf. Acesso em 27 fev.2020.Sathler CN. Ontologia e ascética do sujeito das drogas. Guavira, 2013; 16(1): 184-200.Guirado M. A Análise Institucional do Discurso como analítica da subjetividade. São Paulo: Annablume; FAPESP; 2010.

Referências

Freud S. O mal-Estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago; 1997.

Freud S. Interpretação das Afasias. Lisboa: Edições 70; 1977

Freud S. Inibição, sintoma e angústia. São Paulo: Companhia das letras; 2014.

Bock AMB, Furtado O, Teixeria MLT. Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia. 13 ed. São Paulo: Saraiva; 1999.

Dreyfus H, Rabinow P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 1995.

Foucault, Michel. Ditos e Escritos IV – Estratégia Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2003.

Foucault M. Microfísica do poder. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

Mbembe A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. 2 Ed. São Paulo: n-1; 2018.

Foucault M. História da sexualidade1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

Carvalho SR, Lima EMFA. Poderes da liberdade, governamentalidade e saberes psi: diálogos com Nikolas Rose (Parte 2). Interface (Botucatu). 2016; 20(58): 797-808.

American Psychiatry Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Câmara FP. A construção do diagnóstico psiquiátrico. Rev. latinoam. psicopatol. fundam., 2007; 10(4): 677-684.

Revista CREAS: Centro de Referência Especializado de Assistência Social. 2008; 2(1).

Nascimento S. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. Serv. Soc. Soc., 2010; (101): 95-120.

Nota Técnica nº 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Disponível em: http://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf. Acesso em 26.fev.2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. SAS. PNH. Clínica Ampliada e Compartilhada. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf. Acesso em 27 fev. 2020

Gomes TB, Vecchia MD. Estratégias de redução de danos no uso prejudicial de álcool e outras drogas: revisão de literatura. Cien Saude Colet, 2018; 23(7), 2327-2338.

Silva FP, Frazão, Iracema, Linhares, FMP. Práticas de saúde das equipes dos Consultórios de Rua. Cad. Saúde Pública,2014; 30(4), 805-814.

Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/06/Relatorio-da-inspecao-nacional-em-comunidades-terapeuticas_web.pdf. Acesso em 27 fev.2020.

Sathler CN. Ontologia e ascética do sujeito das drogas. Guavira, 2013; 16(1): 184-200.

Guirado M. A Análise Institucional do Discurso como analítica da subjetividade. São Paulo: Annablume; FAPESP; 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais