Intenções entre tensões: as residências multiprofissionais em saúde como locus privilegiado da educação permanente em saúde

Autores

  • Paula Lopes Gomide Haubrich Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cristiane Trivisiol da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Maria Henriqueta Luce Kruse Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cristianne Maria Famer Rocha Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p47-56

Palavras-chave:

Educação Permanente em Saúde, Residência Multiprofissional em Saúde, Educação em Saúde

Resumo

O texto tem como objetivo analisar e refletir a respeito das Residências Multiprofissionais em Saúde enquanto espaço privilegiado para a aplicação dos princípios da Educação Permanente em Saúde no Brasil. Trata-se de uma revisão narrativa, em que foram consultados artigos e capítulos de livros, publicados no Brasil e no exterior, nos últimos dez anos, a fim de se construir uma análise que permita compreender as facilidades e as dificuldades para a efetivação do quanto preconizado pelas políticas públicas nacionais sobre a formação em serviço em saúde. As reflexões, de maneira geral, apontam para a potência das Residências Multiprofissionais como processos de formação em serviço em consonância com o arcabouço teórico da Educação Permanente em Saúde. No entanto, outras destacam as fragilidades existentes na consolidação das Residências, decorrentes do arcabouço legal, da baixa representatividade dos diversos atores que dela participam e da dificuldade de superar as tensões e binarismos existentes entre educação e(m) serviço no campo da saúde.

Biografia do Autor

Paula Lopes Gomide Haubrich, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Saúde Coletiva Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Tutora da Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul.

Cristiane Trivisiol da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Enfermagem Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Bolsista Capes.

Maria Henriqueta Luce Kruse, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação, Professora Associada da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Cristianne Maria Famer Rocha, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação, Professora Adjunta da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Referências

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface-Comunic. Saúde Educ, 2005, 9(16): 161-77.

Haddad JQ, Roschke, MAC, Davini MC. Elementos para el análisis y la caracterización del contexto en que se dan los procesos educativos en los servicios de salud. Tendencias y perspectivas. In: Haddad J Q, Roschke MAC. Davini, MC (Org.). Educación Permanente de Personal de Salud. Washington (DC): OPS; 1994: 1-30.

Ministério da Saúde(BR). Conselho Nacional de Saúde. Princípios e diretrizes para a gestão do trabalho no SUS (NOB/RH-SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Ministério da Saúde(BR). Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente e polos de educação permanente em saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Andrade SR, Meirelles BHS, Lanzoni GMM Educação Permanente em Saúde: atribuições e deliberações à luz da política nacional e do pacto de gestão. O Mundo da Saúde, 2011, 35(4): 373-381.

Batista KBC, Gonçalves OS. Formação dos Profissionais de Saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde Soc. 2011, 20(4): 884-899.

Ministério da Saúde(BR). O CNS e a construção do SUS: referenciais estratégicos para melhora do modelo de atenção à saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

Silva TAM, Fracolli, LA, Chiesa, AM. Professional Trajectory in the Family Health Strategy: Focus on the Contribution of Specialization Programs. Rev Latino-Am Enferm, 2011, 19(1): 148-155.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciênc. saúde coletiva, 2005 10(4): 56-65.

Peduzzi MD Guerra DA, Braga CP, Lucena FS, Silva JAM Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de Unidades Básicas de Saúde em São Paulo. Interface Comun Saude Educ. 2009 30(13): 121-34.

Ministério da Educação (BR) Diretrizes Curriculares Nacionais de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Brasília: Ministério de Educação; 2001.

Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde(BR). Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Lei n° 11.129, 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem; cria o Conselho Nacional da Juventude (CNJ) e a Secretaria Nacional da Juventude; altera as Leis nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2005 30 jun.

Portaria Interministerial nº 2.117, de 3 de novembro de 2005. Institui no âmbito dos Ministérios da Saúde e da Educação a Residência Multiprofissional em Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2005 4 nov.

Houaiss. Dicionário da Língua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Objetiva; 2010.

Luft CP. Minidicionário Luft. 20ed. São Paulo: Ática.

Michaelis. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: Melhoramentos; 1998.

Ferreira, SR, Olschowsky, A. Residência: uma modalidade de ensino. In: Fajardo AP, Rocha CMF, Pasini, VL. (Orgs.). Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010: 23-34.

Flexner A. Medical Education in the United States and Canada. New York: Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching; 1910.

Ceccim RB. Saúde e doença: reflexão para a educação da saúde. In: Meyer, Dagmar Esterman (Org.). Saúde e Sexualidade na Escola. Porto Alegre: Mediação; 1998: 37-51.

Pagliosa FLDa Ros M. O Relatório Flexner: para o bem e para o mal. Revista Brasileira de Educação Médica, 2008, 32(4): 492-499.

Lei nº 6932, de 7 de julho de 1981. Dispõe sobre as atividades do médico residente e dá outras providências. Brasília, 1981.

Ceccim, RB. Residências em saúde: as muitas faces de uma especialização em área profissional integrada ao SUS. In: Fajardo AP, Rocha CM F, Pasini VL. (Orgs.). Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010: 17-22.

Uebel AC, Rocha CM, Mello VRC. Resgate da Memória histórica da Residência Integrada em Saúde Coletiva do Centro de Saúde Escola Murialdo (CSEM). Bol. Saúde, 2003, 17(1): 117-123.

Busnello, ED. A Medicina de Família e Comunidade no Brasil. Gazeta Médica da Bahia, 2010, 80(1): 93-100. Disponível em: <http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/view/1088/1045>. Acesso em 5 dez. 2014.

Ceccim, RB, Armani TB. Educação em saúde coletiva: papel estratégico na gestão do SUS. Saúde para Debate, 2001 (23): 30-56.

Secretaria da Saúde (RS). Portaria nº 16/99, de 1 de outubro de 1999. Institui a Residência Integrada em Saúde. Porto Alegre, Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul; 1999.

Ceccim RB, Kreutz JA, Mayer MJr. Das residências integradas às residências multiprofissionais em saúde: vasculhando fios embaraçados entre 2005 e 2010 para destacar o componente educação. In: Pinheiro, R Silva Junior, A GS. (Orgs.). Cidadania no cuidado: o universal e o comum na integralidade das ações de saúde. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ; 2011. p. 257-292.

Rovere, MR. Gestión estratégica de la Educación Permanente en Salud. In: Haddad, JQ, Roschke MAC, Davini MC (Org.). Educación Permanente de Personal de Salud. Washington (DC): OPS; 1994: 63-106.

Franco TB. Produção do cuidado e produção pedagógica: integração de cenários do sistema de saúde no brasil. Interface: Com, Saúde e Educ, 2007, 11(23): 427-38.

Ceccim R B. Onde se lê “recursos humanos em saúde” leia-se “coletivos organizados de produção em saúde”: desafios para a educação. In: Pinheiro R, Mattos, RA. (Orgs.). Construção Social da Demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ:ABRASCO; 2005: 161-180.

Downloads

Publicado

2014-12-15

Como Citar

Haubrich, P. L. G., Silva, C. T. da, Kruse, M. H. L., & Rocha, C. M. F. (2014). Intenções entre tensões: as residências multiprofissionais em saúde como locus privilegiado da educação permanente em saúde. aúde m edes, 1(1), 47–56. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p47-56

Edição

Seção

Artigos Originais