PROMOVENDO SAÚDE E CONSTRUINDO SABERES: ABORDAGEM DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES COM ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL

Thiago Emanuel Rodrigues Novaes, Ana Selia Rodrigues Novaes, Regina Inês Kunz, Antônio Marcos de Almeida

Resumo


As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no mundo, tornando necessária a divulgação de informações acerca de medidas preventivas. Para tal propósito, é preciso alcançar um público que seja adepto a diferentes perspectivas, que possam modificar costumes e também passar conhecimentos adquiridos para familiares e outras pessoas de seus vínculos sociais: eis que estudantes do Ensino Fundamental de uma escola municipal do interior do Rio Grande do Sul tornam-se as pessoas certas para essa finalidade. Dessa maneira, pôde-se apresentar algumas das principais doenças cardiovasculares que acometem a sociedade brasileira na contemporaneidade, através de uma oficina de saúde, realizada por acadêmicos do curso de Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Passo Fundo/RS.

Palavras-chave


Doenças Cardiovasculares; Extensão universitária; Oficina de Saúde.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Laboissière P. OMS: 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos de doenças cardiovasculares. Agência Brasil, Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 de janeiro de 2020.

World Health Organization [homepage na Internet]. Cardiovacular Diseases (CVDs), 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 de janeiro de 2020.

Mansur AP; Favarato D. Tendências da taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980-2012. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2016. 107(1):20-25.

Stevens B; Pezzullo L; Verdian L; Tomlinson J; George A; Bacal F. Os custos das doenças cardíacas no Brasil. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2018. 111(1):29-36.

Teixeira CF. Ensino da saúde coletiva na graduação. Cadernos ABEM, v. 1, p. 20-2, 2004.

Alberti GF; Salbego C; Carvalho SORM; Alberti DL. Educação popular trabalhada em oficinas de saúde: a sexualidade durante o adolescer. Revista de Educação Popular, 2014. 13(1):75-81.

Freire P. Extensão ou comunicação?. Editora Paz e Terra, 2014.

Lencastre JA; Chaves JH. A imagem artística como mediadora da aprendizagem. In: 3ª Conferência Internacional de Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação (Challenges 2003) e 5º Simpósio Internacional em Informática Educativa (SIIE). Universidade do Minho, 2003. p. 403-414.

Souza MMA; Enumo SRF; Mendes KB; Pereira CDM; Barboza EDA; Vital FDA; Bezerra RDS. A inserção do lúdico em atividades de educação em saúde na creche-escola Casa da Criança, em Petrolina-PE. Revista de Educação do Vale do São Francisco-REVASF, 2010. 1(1): 39-49.

Novaes TER; Novaes ASR. “Hospital do Ursinho” – O lúdico na promoção de saúde. In: Anais do I Congresso Norte-Nordeste de Saúde Pública (online) –Trabalhos Completos. Triunfo-PE, Editora Omnis Scientia, 2020.

Gallian DMC. A (re) humanização da medicina. Psiquiatria na prática médica, 2000. 33(2): 5-8.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3047g709

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS