Acolhimento Solidário como Dispositivo para a Formação pelo Trabalho: a experiência da disciplina Trabalho de Campo II, no Curso de Medicina da UFF

Túlio Batista Franco

Resumo


Este artigo discute a formação em saúde, em especial a formação médica, partindo do pressuposto de que a exposição aos cenários de produção do cuidado é um importante fator de aprendizagem. Por aprendizagem entende-se o processo de cognição e subjetivação ao qual a pessoa produz, ou seja, algo que acontece no campo da razão e também dos afetos. O desafio proposto é o de pensar a formação para o terceiro gênero do conhecimento, de acordo com as categorias propostas por Espinosa, ou seja, um saber que opera pela “ciência intuitiva”, onde habita a possibilidade da criatividade nos atos de trabalho em saúde. Para discutir este tema o texto relata a experiência da disciplina de TCSII, no curso de medicina da UFF, o qual utiliza do projeto “Acolhimento Solidário” como um dos dispositivos da educação médica na atenção básica.


Palavras-chave


Educação em saúde; Formação médica; Acolhimento; Trabalho em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Spinoza, B. Ética. Belo Horizonte: Autêntica; 2008.

Deleuze, G. Espinosa filosofia prática. São Paulo: Escuta; 2002.

Deleuze, G. O Anti-édipo. Lisboa: Sírio & Alvim; 1972.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

Franco, TB; Bueno, WS; Merhy, EE. O Acolhimento e os Processos de Trabalho: o caso de Betim-MG. Cad. Saúde Pública. 1999 abr-jun; 15(2):345-353.

Cecílio, LC de, Oliveira, MHJ Necessidades de saúde das pessoas como eixo a integração e a humanização do atendimento na rede básica. In: Linhares, A L. Saúde e Humanização: a experiência de Chapecó. São Paulo: Hucitec; 2000.

Merhy, EE. Em Busca do Tempo Perdido, a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy, EE, Onocko, R. Agir em saúde, desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997. p.

Franco, T B. O Uso do Fluxograma Descritor e Projetos Terapêuticos para Análise de Serviços de Saúde, em apoio ao Planejamento: O caso de Luz – MG. In: O Trabalho em Saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec; 2003.

Franco, T B, Merhy, EE. O uso de Ferramentas Analisadoras para apoio ao planejamento dos serviços de saúde: O Caso do Serviço Social do Hospital das Clínicas da UNICAMP (Campinas-SP). In: O Trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 4.ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Foucault, M. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Editora Forense – Universitária; 1980.

Franco, TB. Produção do cuidado e produção pedagógica: integração de cenários do SUS. Interface – Comunic., Saúde, Educ, 2007 sept-dec; 11(23): 427-438.

Franco, TB, Galavote, HS. Em Busca da Clínica dos Afetos. In: Franco, TB, Ramos, VC Semiótica, Afecção e Cuidado em Saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p20-30

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132015v1n1.307g17

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS