Ciclos Temáticos na Residência em Saúde: uma estratégia de Educação Permanente

Jessica Aparecida Sobrinho, Emmanuelly Correia de Lemos, Vanessa Alves de Sousa

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar os ciclos temáticos do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva (PRMSC – Redes), como uma estratégia de educação permanente em saúde (EPS). Caracterizou-se como exploratório, descritivo e de abordagem qualitativa. Foi desenvolvido no PRMSC – Redes, na V Gerência Regional de Saúde (V GERES) do Estado de Pernambuco. Foram analisados os relatórios dos ciclos temáticos dos anos 2017 e 2019 e entrevistados, a partir de entrevista semiestruturada, onze trabalhadores da V GERES que participaram dos ciclos – utilizou-se análise documental e análise de conteúdo respectivamente. Com a análise dos relatórios, foi possível identificar a diversidade dos temas abordados nos ciclos temáticos, que consideraram as políticas de saúde prioritárias na realidade locorregional. E, a partir das entrevistas, foi possível relacionar e verificar as contribuições dos ciclos como espaço para trocas de saberes; também para problematização de temas estratégicos das políticas de saúde; além disso, promovendo reflexões e práticas para o processo de trabalho intra e intersetorial; e desenvolveu-se de maneira a construir desdobramentos para o trabalho na GERES, considerando todos os participantes no processo permanente de qualificação dos ciclos. Destaca-se que ter como base no planejamento e no desenvolvimento dos ciclos as pedagogias críticas foi fundamental para que a avaliação dos participantes fosse positiva e, assim, para o alcance dos seus objetivos. Por fim, os ciclos temáticos promovidos pelo PRMSC – Redes se configuraram como estratégia de EPS na V GERES, que deve ser continuada e aperfeiçoada cada vez mais, integrando todos os atores envolvidos e suas necessidades.  


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde. Educação Permanente. Trabalho. Formação Profissional.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988. 292 p.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF; 1990.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - comunicação, saúde, educação. Ciência & Amp; Saúde Coletiva. 2005; 9 (16): 161-78.

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência & Amp; Saúde Coletiva. 2004; 10 (4): 975-86.

Brasil. Portaria Interministerial n. 2.117, de 3 de novembro de 2005. Institui no âmbito dos Ministérios da Saúde e da Educação a Residência Multiprofissional em Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF; 2005.

Ferraz F, Backers VMS, Martínez-Mercado FJ, Prado ML. Políticas e Programas de educação permanente em saúde no Brasil: Revisão Integrativa da Literatura. Saúde Transf. Soc. 2012; 3 (2): 133-28.

Pernambuco. Projeto Político Pedagógico da Escola de Governo em Saúde Pública de Pernambuco, ESPPE – SES – PE. Recife; 2014.

França T, Medeiros KR, Belisario SA, Garcia AC, Pinto ICM, Castro JL, Pierantoni CR. Política de Educação Permanente em Saúde no Brasil: a contribuição das comissões permanentes de integração ensino – serviço. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22 (6): 1817-828.

Dallegrave D, Ceccim RB. Health care residency: what has been produced in theses and dissertations? Interface. 2013; 17 (47): 759-76.

Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças, e seus objetos de pesquisa. Rev Saude Publica. 2005; 39 (3): 507-14.

Cellard A. A análise documental. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis - RJ: Vozes; 2008.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições; 70 2010. p. 225.

Ceccim RB, Feuerweker L. O quadrilátero da formação: ensino, gestão, atenção e controle social. Saúde Coletiva. 2004; 14 (1): 41-65.

Pernambuco. Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde, Secretaria Estadual de Saúde – SES – PE. Recife; 2018.

Pereira ALF. As tendências pedagógicas e a prática educativa. Cad. Ciências da Saúde Pública. 2003; 19 (5): 1527-539.

Costa ICC, Souza GCA, Medeiros AR, Carneiro SER, Carvalho BKG. Ateliê do Sorriso: Espaço de troca de saberes e vivências compartilhadas. Extensão e Sociedade. 2013, 3 (5).

Rossit R, Batista SH, Batista NA. Formação para a integralidade do cuidado: Potencialidades de um projeto interprofissional. Rev. Inter Humanidades Med. 2014; 3 (1): 55-6.

Almeida MCP, Mishima SM. O desafio do trabalho em equipe na atenção à saúde da família: Construindo “novas autonomias” no trabalho. Interface, Comunicação e Cultura. 2001; 9: 133-41.

Silva LAA, Pinno C, Schimidt SMS, Noal HC, Gomes EM, Signor E. A educação permanente no processo de trabalho da enfermagem. Trab. Educ. Saúde. 2016; 14 (13): 765-81.

Sarreta FO. Educação Permanente em Saúde para os trabalhadores do SUS. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2009.

Merhy EE, Feueweker L, Ceccim RB. Educacíon permanente em Salud: uma estrategia para intervir em la micropolítica del trabajo em salud. Salud Colectiva. 2009; 2 (2): 147-60.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3093g643

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS