Mapeamento da Rede de Atenção à Saúde Bucal da Região Metropolitana de Porto Alegre

Roberta Machado Silveira, Gustavo Almansa Bernardo, Rafaella Zappe Soares, Cassia de Oliveira Klein, Kelly da Rocha Gomes Benelli, Fernando Neves Hugo, Matheus Neves

Resumo


Objetivo: identificar a organização da rede de atenção à saúde bucal da região metropolitana de Porto Alegre através do questionário do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. Método: foram inseridas neste estudo 125 equipes de saúde bucal da região metropolitana que participaram do segundo ciclo do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. As variáveis de interesse foram analisadas através do programa IBM SPSS Statistics 18 e apresentadas por meio de suas frequências absolutas e relativas. Resultados: a partir dos dados coletados foi possível mapear a rede de atenção à saúde bucal da região metropolitana de Porto Alegre, os resultados apresentam-se favoráveis em relação à educação permanente em saúde, sendo que 93,6% (n= 117) realizam pelo menos uma das ações propostas. Em relação à coordenação do cuidado, 84% (n=105) das equipes têm disponível oferta de consultas especializadas, entretanto, a oferta de prótese dentária é escassa na região. Conclusão: foi observado desempenho regular no programa por parte das Equipes de Saúde Bucal da Região Metropolitana de Porto Alegre, no entanto, o município de Gravataí apresentou as melhores estimativas de desempenho entre os avaliados no nosso estudo. Salienta-se a importância de avaliação contínua para orientar o planejamento da assistência à saúde com o propósito de melhorar a assistência odontológica da população.

 


Palavras-chave


Saúde bucal; Avaliação em saúde; Serviços de saúde; Estratégia Saúde da Família

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Bulgareli JV, Faria ET, Cortellazzi KL, Guerra LM, Meneghim MC, Ambrosano GMB, Frias AC, Pereira AC. Factors influencing the impact of oral health on the daily activities of adolescents, adults and older adults. Rev Saude Pública. 2018; 52:44

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório Final da 2° Conferência Nacional de Saúde Bucal. Brasília, 1994

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 1.444 de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. Brasília, 2000

Brasil. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003: Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília, 2004.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília, 2004

Brasil. PORTARIA Nº 2.488, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011. Brasília, 2011

Starfield B. Atenção primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Ministério da Saúde, Unesco. 2002: 313-415.

Souza Miriam Francisco de, Santos Alaneir de Fatima dos, Reis Ilka Afonso, Santos Marcos Antônio da Cunha, Jorge Alzira de Oliveira, Machado Antônio Tomaz Gonzaga da Matta et al. Care coordination in PMAQ-AB: an Item Response Theory-based analysis. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2017 [acesso em 2018 nov 13]; 51: 87. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102017000100278&lng=en. Epub Sep 21, 2017. http://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007024.

Baratieri T, Marcon SS. Longitudinalidade no trabalho do enfermeiro: Identificando dificuldades e perspectivas de transformações. Texto Contexto Enfermagem.2012; 21 (3): 549-557.

Freitas, R. Regiões Metropolitanas: uma abordagem conceitual. Humanae. Dezembro 2009; 1(3): 44-53.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE [acessado em 10 de novembro de 2018]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

http://dab.saude.gov.br/sistemas/pmaq/estratos_para_certificacao.php

Brasil. Portaria SES Nº 575/2017. Institui remuneração para realização de procedimentos odontológico em ambiente hospitalar para atendimento a pessoas com deficiência. Porto Alegre: Governo do Estado do Rio Grande do Sul, 2017.

Seidl H. Vieira SP, Fausto MCR, Lima RCD, Gagno J. Gestão do trabalho na Atenção Básica em Saúde: uma análise a partir da perspectiva das equipes participantes do PMAQ-AB. Saúde em Debate. 2014; 38: 94-108.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde Bucal. Caderno de Atenção Básica n° 17. Brasília, 2008.

Nascimento, AC et al. Assessment of public oral healthcare services in Curitiba, Brazil: a cross- sectional study using the Primary Care Assessment Tool (PCATool), BMJ Open, p. 4–6, 2019.

Brasil. Lei no 11.889 de 24 de dezembro de 2008. Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Saúde Bucal – TSB e de Auxiliar em Saúde Bucal – ASB. Brasília, 2008

Bavaresco, C et al. Impact of teleconsultations on the conduct of oral health teams in the Telehealth Brazil Networks Programme, v. 34, p. 1–9, 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 493 de 10 de março de 2006. Diário Oficial da União. Brasília, 2006

Baratieri T, Marcon SS. Longitudinalidade no trabalho do enfermeiro: Identificando dificuldades e perspectivas de transformações. Texto Contexto Enfermagem. 2012; 21 (3): 549-557.

Basso, MB et al. A construção da rede de atenção à saúde bucal no Distrito Federal, Brasil The construction of the oral health care network in the Federal District, Brazil, Ciências e Saíde Coletiva, p. 2155–2166, 2019.

França, M et al. Indicadores de saúde bucal propostos pelo Ministério da Saúde para monitoramento e avaliação das ações no Sistema Único de Saúde : pesquisa documental, 2000-2017 *, Epidemiol. Serv. Saude. 2020; 29 (1): 1–9.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3101g645

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS