A CAPES e o financiamento da formação do médico pesquisador

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p97-107

Palavras-chave:

Educação Médica, Pesquisador, Política Pública

Resumo

Esse artigo tem o objetivo de apresentar o Programa de Bolsa Especial - Doutorado em Pesquisa Médica como uma política pública de alcance nacional, fomentada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, para fortalecimento do Sistema Nacional de Pós-Graduação. Essa ação traz uma estrutura formativa que teve início nos Estados Unidos e chegou ao Brasil por volta de 19958:26, o Programa de Treinamento em Pesquisa Médica. Trata-se de um currículo acadêmico diferenciado que vincula o treinamento científico ao currículo dos alunos de medicina durante a graduação. A partir de 2008 iniciou-se o financiamento dessa metodologia diferenciada da formação médica, que visa “estimular a produção acadêmica e a formação de pesquisadores, em nível de doutorado, por meio de financiamento específico”12. Para o desenvolvimento desse trabalho, como método, foram manipulados dados oficiais concedidos pela fundação pública financiadora do programa, associados a consultas na Plataforma Sucupira. E nos resultados, são apresentados levantamentos sobre a execução dessa política pública, abordando questões de investimento e difusão pelo território Nacional. Como conclusão, foi possível destacar o robusto investimento e empenho da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior para fortalecer a pós-graduação médica do país, bem como, foi possível observar um espelhamento da assimetria regional do Sistema Nacional de Pós-Graduação, com a concentração de médicos doutores titulados nas macrorregiões Sul e Sudeste.

Biografia do Autor

Hayslla Boaventura Piotto, Servidora da Capes - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Doutoranda da UFRGS - Universidade Federal do rio Grande do Sul

Doutoranda do PPG em Educação e Ciências da UFRGS, mestre na linha de pesquisa de formação de docentes da educação superior pela UFRGS e graduada em Letras pela UEG. Profissionalmente atuo como Analista em Ciência e Tecnologia da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), na Coordenação de Programas de Indução e Inovação

LUCIANA CALABRÓ, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Caxias do Sul (2001), mestrado em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008) e doutorado em Educação em Ciência pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2011). Atualmente é bolsista PNPD do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciência na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Cientometria, Divulgação Científica e Educação.

Referências

Gusso D. A Formação de Agentes de Inovação no Brasil: oportunidades e riscos em políticas públicas. In: Negri JAD, Kubota LC. Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica no Brasil. Brasília, DF: Ipea; 2008. p. 503-532.

Velho Léa. O papel da formação de pesquisadores no sistema de inovação. Cienc. Cult. [Internet]. 2007 [acesso em 2020 out 18]; 59(4): 23-28. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252007000400013&lng=en.

Brasil. Decreto nº 29.741, de 11 de julho de 1951. Institui uma Comissão para promover a Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Diário Oficial da União. 13 jul. 1951.

Sousa EF. Direito à educação: requisito para o desenvolvimento do país. Brasília: Saraiva; 2010.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [Internet]. História e missão [acesso em 20 mar. 2018]. Disponível em: http://www.capes.gov.br/historia-e-missao.

Oliveira NA, Alves LA, Luz MR. Iniciação científica na graduação: o que diz o estudante de medicina?. Rev. bras. educ. méd. 2008; 32(3):309-314.

Almeida Júnior A, Sucupira N, Salgado C, Barreto Filho J, Silva MR, Trigueiro D, et al. Parecer CFE nº 977/65, aprovado em 3 dez. 1965. Rev. Bras. Educ. 2005 Dez; 30:162-173.

Oliveira RV. O Programa de Formação em Pesquisa Médica MD-PhD da UFRJ [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ; 2009.

Costa CLF. O pensamento científico em Bachelard. In: Anais do VI Colóquio Internacional de Educação e Contemporaneidade; 2012 set 20-22; São Cristóvão/SE, Brasil. Universidade Federal de Sergipe; 2012. p.1-13.

Rasslan S. O pesquisador-médico: da academia às parcerias. Rev. Assoc. Med. Bras. [Internet]. 1999; [acesso em 11 jan 19]; 45(2):93-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ramb/v45n2/1671.pdf.

Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. 23 dez. 1996.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [Internet]. Programa de Bolsa Especial para Doutorado em Pesquisa Médica. [acesso em 20 mar 2018]. Disponível em: http://www.capes.gov.br/bolsas/programas-estrategicos/formacao-de-recursos-humanos-em-areas-estrategicas/pbe-dpm.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [Internet]. Edital nº 14/2008 – Doutorado em Pesquisa Médica. [acesso em 20 mar 2018]. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/Edital_PBE_DPM.pdf.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [Internet]. Edital nº 62/2014 – Programa de Bolsa Especial para Doutorado em Pesquisa Médica PBE-DPM II. [acesso em 20 mar 2018]. Disponível em: http://capes.gov.br/images/stories/download/editais/17112014-Edital-PBE-DPM-2014-Atualizado.pdf.

Silva CL. Políticas públicas e desenvolvimento local: instrumentos e proposições de análise para o Brasil. Petrópolis: Vozes; 2012.

Downloads

Publicado

2021-07-22

Edição

Seção

Artigos Originais