E o passado não é apagado: Cartografando o percurso de uma usuária-guia pela sua Rede de Cuidado em Saúde Mental

Alexandre Coutinho de Melo, Luiza Andrade Pereira Ferrer Silva, Virgínia Raimunda Ferreira, Camila Souza de Almeida, Igor de Assis Rodrigues

Resumo


Objetivo: Cartografar o percurso de uma usuária-guia na Rede de Cuidado em Saúde Mental. Método: O estudo aconteceu em uma cidade de Minas Gerais, no ano de 2018. A produção dos dados se deu por meio da elaboração de narrativas e vivências da Rede de Atenção Psicossocial e das relações sociais da usuária-guia, denominada “Borracha”. Resultados: A partir do acompanhamento da produção do cuidado para com a usuária, foi possível visualizar os platôs que permeiam seu caminho, relacionados ao seu quadro psiquiátrico, ao gênero e à cor da pele e que geram estigmas que dificultam o seu caminhar na rede. Mas, apesar dos obstáculos, tem-se o acolhimento desta nos serviços substitutivos. Outro fator que desponta como possibilidade de cuidado e de reinserção social é a produtividade e geração de renda, que propicia um sentimento de pertencimento social ao indivíduo. Conclusão: Nesse sentido, apesar das falhas existentes na rede, têm-se possibilidades e mecanismos, já endossados nas políticas públicas, para a efetivação da reinserção social, como a economia solidária, bastando que Estado, gestores e profissionais de saúde se empenhem em implementá-las.


Palavras-chave


Saúde Mental; Serviços de saúde; Assistência à saúde.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Martines WRV. O cotidiano da produção de cuidado em saúde mental e a produção de prazer: uma cartografia[Internet]. Tese. São Paulo: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2011. 213 p. [acesso em 2019 ago 16]. Disponível em: www.teses.usp.br/.../publico/TeseWania.pdf.

Ayres JRCM.Sujeito,intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2001; 6(1): 63-72.

Schneider ARS. Mental healthcare network: the interaction importance between the primary care and the mental health services. Ciência & Saúde 2009; 2(2): 78-84.

Amarante P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: SDE/ENSP; 1995.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação nº. 3 e nº. 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 22 dez 2017.

Azevedo DM, Silva GWS, Miranda FAN, Bessa MS, Lins SLF, Costa JE. Perceptions of healh professionals on social inclusion in a psychosocial care center. Rev. RENE 2019;20:e33537.

Deleuze G. Conversações. 1. ed. Tradução Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Editora 34; 1992.

Santos, M. Por uma outra globalização (do pensamento único à consciência universal). Rio de Janeiro: Record; 2001.

Foucault M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes; 2008.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 4. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Verissimo VM. Economia solidária, saúde mental e arte/cultura: promovendo a racionalidade política dos comuns. Polis Revista Latinoamericana2020; 1(57): 138-159.

Feurwerker LCM, Merhy EE, Silva E. Como temos armado e efetivado nossos estudos, que fundamentalmente investigam políticas e práticas sociais de gestão e de saúde? A pesquisa sobre acesso e barreira na saúde mental. In: Feurwerker LCM, Bertussi DC,Merhy EE.Avaliação compartilhada do cuidado em saúde:surpreendendo o instituído nas redes. Rio de Janeiro: Hexis; 2016. p. 440.

Carvalho MRR, Franco TB, Jorge MSB. “My child gave me my life back”: cartography of the “Rede Cegonha”. Interface [Internet] [acesso em 2019 ago 16] 2018; 22(66): 757-767. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832018000300757&lng=pt&tlng=pt.

Rodrigues KL, Pinho LP. Limites e desafios para inclusão social pelo trabalho na saúde mental. In: Razzouk D, Aranha MGL, Cordeiro Q, organizadores. Saúde Mental e trabalho. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; 2015. p. 215-226.

Merhy EE, Franco TB. Trabalho em saúde. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, organizador. Dicionário da educação profissional em saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e Estação de Trabalho Observatório de Técnicos em Saúde. Rio de Janeiro: EPJV; 2006. 308 p.

Marx K. Teses sobre Feuerbach. In: Marx K, Engels, F. A ideologia alemã: 1º capítulo seguido das teses sobre Feuerbach. Tradução Álvaro Pina. São Paulo: Moraes; 1984.

Alvarez A, Abbês Baêta Neves C, Osorio da Silva, C. Saúde Mental e economia solidária: pesquisa cartográfica em um dispositivo clínico-político.Brazilian Journal of Mental Health 2017;9(22):124-144.

Franco TB, Galavote HS. Em busca da clínica dos afetos. In: Franco TB, Ramos VC, organizadores. Semiótica, afecção e cuidado em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010. p.70-85.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: cartografia do desejo. 8. ed. Petrópolis: Vozes; 2007.

Merhy EE, Gomes MPC, Silva E, Santos MFL, Cruz KT, Franco TB. Redes vivas: multiplicidades girando as existências, sinais da rua. Implicações para a produção do cuidado e produção de conhecimento em saúde.Divulg. Saúde Debate 2014;(52):153-164.

Franco TB. As redes na micropolítica do processo de trabalho em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Gestão em redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ/Abrasco; 2006. p. 459-474.

Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal; 1979.

Deleuze G, Guatarri F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v.1. São Paulo: Editora 34; 1995.

Connell J, Brazier J, Cathain A, Lloyd Jones M, Paisley S. Quality of life of people with mental health problems: a synthesis of qualitative research. Health Quality Life of Outcomes 2012;10(138):138-152.

Bussinguer EC, Arantes ML. O estigma da loucura como fator usurpador da dignidade humana: uma análise na perspectiva do direito à saúde. Interfaces Cient. Hum. Soc. 2016;4(2):9-19.

Carswell WA, Moré AFL. Mulheres portadoras de transtornos mentais: um estigma social? Persp. Online 2012;7(2):1-13.

Frosi RV, Tesser D. Mental health care practices in primary health care: an analysis based on experiences developed in Florianópolis, Brazil. Ciênc.SaúdeColet. 2015;20(10):3.151-3.161.

Araújo AK, Soares VL. Work and mental health: experience report in a CAPS AD III in the city of João Pessoa, PB. Saúde Debate 2018;42(spe 4):275-284.

Magnée T, Beurs DP, Boxem R, de Bakker DH, Verhaak PF. Potential for substitution of mental health care towards family practices: an observational study. BMC Fam Pract. 2017;18(1):e10.

Eslabão AD, Coimbra VCC, Kantorski LP, Pinho LB, Santos EO. Mental health care network: the views of coordinators of the Family Health Strategy (FHS). Rev.Gaúch Enferm. 2017;38(1):e60973.

Bourdieu P. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2009.

Rocha-Coutinho ML. Oral narrative, discourse analysis and gender studies. Estud. Psicol. 2006; 11(1): 65-69.

Marques TL, MyczkowskI RS. Identidade tecida: Rosana Paulino costurando os sentidos da mulher negra. Revista Estúdio 2016; 7(13): 95-103

Jorge AO, Batista GF, Parizzi MR, Pontes MG. Direitos negados a mulheres em situação de vulnerabilidade social. In: Mendes N, Merhy E, Silveira P, organizadores. Extermínio dos excluídos. 1. ed. Porto Alegre: Rede Unida; 2019. p.262-279.

Deleuze G, Guatarri F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v.4. São Paulo: Editora 34; 1996.

Barreto RO, Lopes FT, Paula APP. A economia solidária na inclusão social de usuários de álcool e outras drogas: reflexões a partir da análise de experiências em Minas Gerais e São Paulo. Cad. Psicol. Soc. Trab. 2013;16(1):41-56.

Abramovay R. Anticapitalismo e inserção social dos mercados. Tempo Soc. [Internet]. [acesso em 2020 nov 16] 01 jan 2009; 21(1): 65-87. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/12612.

Alvarez A, Neves CAB, Silva, CO. Saúde Mental e economia solidária: pesquisa cartográfica em um dispositivo clínico-político.Brazilian Journal of Mental Health 2017;9(22):124-144.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3115g646

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS