E o passado não é apagado: Cartografando o percurso de uma usuária-guia pela sua Rede de Cuidado em Saúde Mental

Autores

  • Alexandre Coutinho de Melo Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis
  • Luiza Andrade Pereira Ferrer Silva Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis
  • Virgínia Raimunda Ferreira Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis
  • Camila Souza de Almeida Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis
  • Igor de Assis Rodrigues Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p137-148

Palavras-chave:

Saúde Mental, Serviços de saúde, Assistência à saúde.

Resumo

Objetivo: Cartografar o percurso de uma usuária-guia na Rede de Cuidado em Saúde Mental. Método: O estudo aconteceu em uma cidade de Minas Gerais, no ano de 2018. A produção dos dados se deu por meio da elaboração de narrativas e vivências da Rede de Atenção Psicossocial e das relações sociais da usuária-guia, denominada “Borracha”. Resultados: A partir do acompanhamento da produção do cuidado para com a usuária, foi possível visualizar os platôs que permeiam seu caminho, relacionados ao seu quadro psiquiátrico, ao gênero e à cor da pele e que geram estigmas que dificultam o seu caminhar na rede. Mas, apesar dos obstáculos, tem-se o acolhimento desta nos serviços substitutivos. Outro fator que desponta como possibilidade de cuidado e de reinserção social é a produtividade e geração de renda, que propicia um sentimento de pertencimento social ao indivíduo. Conclusão: Nesse sentido, apesar das falhas existentes na rede, têm-se possibilidades e mecanismos, já endossados nas políticas públicas, para a efetivação da reinserção social, como a economia solidária, bastando que Estado, gestores e profissionais de saúde se empenhem em implementá-las.

Biografia do Autor

Alexandre Coutinho de Melo, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis

Enfermeiro graduado pela Universidade do Estado de Minas Gerais.

Luiza Andrade Pereira Ferrer Silva, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis

Acadêmica de Psicologia - 6º Semestre. Universidade do Estado de Minas Gerais.

Virgínia Raimunda Ferreira, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis

Assistente social graduada pela PUC MG. Mestra em Promoção de Saúde e Prevenção da Violência, pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Camila Souza de Almeida, Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG/Divinópolis

Doutora em enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais.  Docente em Universidade do Estado de Minas Gerais.

Referências

Martines WRV. O cotidiano da produção de cuidado em saúde mental e a produção de prazer: uma cartografia[Internet]. Tese. São Paulo: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2011. 213 p. [acesso em 2019 ago 16]. Disponível em: www.teses.usp.br/.../publico/TeseWania.pdf.

Ayres JRCM.Sujeito,intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2001; 6(1): 63-72.

Schneider ARS. Mental healthcare network: the interaction importance between the primary care and the mental health services. Ciência & Saúde 2009; 2(2): 78-84.

Amarante P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: SDE/ENSP; 1995.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação nº. 3 e nº. 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 22 dez 2017.

Azevedo DM, Silva GWS, Miranda FAN, Bessa MS, Lins SLF, Costa JE. Perceptions of healh professionals on social inclusion in a psychosocial care center. Rev. RENE 2019;20:e33537.

Deleuze G. Conversações. 1. ed. Tradução Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Editora 34; 1992.

Santos, M. Por uma outra globalização (do pensamento único à consciência universal). Rio de Janeiro: Record; 2001.

Foucault M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes; 2008.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 4. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Verissimo VM. Economia solidária, saúde mental e arte/cultura: promovendo a racionalidade política dos comuns. Polis Revista Latinoamericana2020; 1(57): 138-159.

Feurwerker LCM, Merhy EE, Silva E. Como temos armado e efetivado nossos estudos, que fundamentalmente investigam políticas e práticas sociais de gestão e de saúde? A pesquisa sobre acesso e barreira na saúde mental. In: Feurwerker LCM, Bertussi DC,Merhy EE.Avaliação compartilhada do cuidado em saúde:surpreendendo o instituído nas redes. Rio de Janeiro: Hexis; 2016. p. 440.

Carvalho MRR, Franco TB, Jorge MSB. “My child gave me my life back”: cartography of the “Rede Cegonha”. Interface [Internet] [acesso em 2019 ago 16] 2018; 22(66): 757-767. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832018000300757&lng=pt&tlng=pt.

Rodrigues KL, Pinho LP. Limites e desafios para inclusão social pelo trabalho na saúde mental. In: Razzouk D, Aranha MGL, Cordeiro Q, organizadores. Saúde Mental e trabalho. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; 2015. p. 215-226.

Merhy EE, Franco TB. Trabalho em saúde. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, organizador. Dicionário da educação profissional em saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e Estação de Trabalho Observatório de Técnicos em Saúde. Rio de Janeiro: EPJV; 2006. 308 p.

Marx K. Teses sobre Feuerbach. In: Marx K, Engels, F. A ideologia alemã: 1º capítulo seguido das teses sobre Feuerbach. Tradução Álvaro Pina. São Paulo: Moraes; 1984.

Alvarez A, Abbês Baêta Neves C, Osorio da Silva, C. Saúde Mental e economia solidária: pesquisa cartográfica em um dispositivo clínico-político.Brazilian Journal of Mental Health 2017;9(22):124-144.

Franco TB, Galavote HS. Em busca da clínica dos afetos. In: Franco TB, Ramos VC, organizadores. Semiótica, afecção e cuidado em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010. p.70-85.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: cartografia do desejo. 8. ed. Petrópolis: Vozes; 2007.

Merhy EE, Gomes MPC, Silva E, Santos MFL, Cruz KT, Franco TB. Redes vivas: multiplicidades girando as existências, sinais da rua. Implicações para a produção do cuidado e produção de conhecimento em saúde.Divulg. Saúde Debate 2014;(52):153-164.

Franco TB. As redes na micropolítica do processo de trabalho em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Gestão em redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: CEPESC-IMS/UERJ/Abrasco; 2006. p. 459-474.

Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal; 1979.

Deleuze G, Guatarri F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v.1. São Paulo: Editora 34; 1995.

Connell J, Brazier J, Cathain A, Lloyd Jones M, Paisley S. Quality of life of people with mental health problems: a synthesis of qualitative research. Health Quality Life of Outcomes 2012;10(138):138-152.

Bussinguer EC, Arantes ML. O estigma da loucura como fator usurpador da dignidade humana: uma análise na perspectiva do direito à saúde. Interfaces Cient. Hum. Soc. 2016;4(2):9-19.

Carswell WA, Moré AFL. Mulheres portadoras de transtornos mentais: um estigma social? Persp. Online 2012;7(2):1-13.

Frosi RV, Tesser D. Mental health care practices in primary health care: an analysis based on experiences developed in Florianópolis, Brazil. Ciênc.SaúdeColet. 2015;20(10):3.151-3.161.

Araújo AK, Soares VL. Work and mental health: experience report in a CAPS AD III in the city of João Pessoa, PB. Saúde Debate 2018;42(spe 4):275-284.

Magnée T, Beurs DP, Boxem R, de Bakker DH, Verhaak PF. Potential for substitution of mental health care towards family practices: an observational study. BMC Fam Pract. 2017;18(1):e10.

Eslabão AD, Coimbra VCC, Kantorski LP, Pinho LB, Santos EO. Mental health care network: the views of coordinators of the Family Health Strategy (FHS). Rev.Gaúch Enferm. 2017;38(1):e60973.

Bourdieu P. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2009.

Rocha-Coutinho ML. Oral narrative, discourse analysis and gender studies. Estud. Psicol. 2006; 11(1): 65-69.

Marques TL, MyczkowskI RS. Identidade tecida: Rosana Paulino costurando os sentidos da mulher negra. Revista Estúdio 2016; 7(13): 95-103

Jorge AO, Batista GF, Parizzi MR, Pontes MG. Direitos negados a mulheres em situação de vulnerabilidade social. In: Mendes N, Merhy E, Silveira P, organizadores. Extermínio dos excluídos. 1. ed. Porto Alegre: Rede Unida; 2019. p.262-279.

Deleuze G, Guatarri F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v.4. São Paulo: Editora 34; 1996.

Barreto RO, Lopes FT, Paula APP. A economia solidária na inclusão social de usuários de álcool e outras drogas: reflexões a partir da análise de experiências em Minas Gerais e São Paulo. Cad. Psicol. Soc. Trab. 2013;16(1):41-56.

Abramovay R. Anticapitalismo e inserção social dos mercados. Tempo Soc. [Internet]. [acesso em 2020 nov 16] 01 jan 2009; 21(1): 65-87. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/12612.

Alvarez A, Neves CAB, Silva, CO. Saúde Mental e economia solidária: pesquisa cartográfica em um dispositivo clínico-político.Brazilian Journal of Mental Health 2017;9(22):124-144.

Downloads

Publicado

2021-07-22

Edição

Seção

Artigos Originais