Educação em saúde na Estratégia Saúde da Família: Saberes e práticas de enfermeiros – Revisão integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n1p233-247

Palavras-chave:

Enfermeiros e enfermeiras, educação em saúde, Estratégia Saúde da Família

Resumo

O objetivo dessa pesquisa é caracterizar o conteúdo das produções científicas em relação aos saberes e práticas de enfermeiros e enfermeiras acerca da educação em saúde no contexto da Estratégia Saúde da Família. Foi realizada uma revisão integrativa de literatura que se utilizou dos descritores ‘enfermeiros e enfermeiras’, ‘educação em saúde’ e ‘Estratégia Saúde da Família’, com a busca no portal da Biblioteca Virtual em Saúde encontrando-se inicialmente 203 estudos e, a partir dos critérios de inclusão (textos disponíveis e completos e sem duplicidade), oito artigos compuseram a amostra, com síntese destes em tabela e posteriormente representados em duas categorias – ‘Educação em saúde – Saberes de enfermeiros e enfermeiras da Estratégia Saúde da Família’ e ‘Do discurso à prática: Paradoxos e barreiras na educação em saúde’.  Apesar dos estudos apontarem que estes profissionais consideram a educação em saúde como um momento ímpar para o empoderamento dos usuários, suas práticas não condizem com a construção desse fenômeno, inclusive, considerando as metodologias aplicadas pelos profissionais, identificadas ainda numa perspectiva de educação tradicional e bancária.

Biografia do Autor

Mirna Neyara Alexandre de Sá Barreto Marinho, Universidade Estadual do Ceará

Enfermeira. Mestre em Ensino na Saúde pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde (UECE). Bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Olga Maria de Alencar, Universidade Estadual do Ceará.

Enfermeira. Mestre em Saúde Pública pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPSAC) - UECE.

André Ribeiro de Castro Júnior, Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP - CE).

Enfermeiro. Mestre em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Ceará (UFC).Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP - CE).

Maria Rocineide Ferreira da Silva, Universidade Estadual do Ceará

Enfermeira. Mestre em Saúde Pública pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Doutora em Saúde Coletiva pela associação ampla - Universidade Estadual do Ceará / Universidade de Fortaleza / Universidade Federal do Ceará. Professora do curso de graduação em enfermagem da UECE. Docente dos Programas de Pós-Graduação Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde (PPCCLIS), Saúde Coletiva (PPSAC) e do Mestrado Profissional da Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família (RENASF) - UECE.Estágio pós-doutoral em andamento pela Universidade de Campinas (UNICAMP) - São Paulo.

Referências

Silva RMMS, Vieira CS, Toso BRGO, Neves ET, Silva-Sobrinho RA. A integralidade na assistência à saúde na visão dos cuidadores. Saúde debate. 2015; 39(106):716–729. [Acesso em 25 Mai 2019].

Costa DW, Parreira BDM, Borges FA, Tavares DMS, Chaves LDP, Goulart BF. Educação em saúde e empoderamento do usuário da Estratégia Saúde da Família. Rev enferm UFPE on line. 2016;10(1):96-102. [Acesso em 22 Jun 2020].

Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad. Saúde Pública 2018; 34(8):1-5. [Acesso em 13 Out 2020].

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html [Acesso em 13 Out 2020].5.

Pinto HA. Análise da mudança da política nacional de atenção básica. Saúde em Redes. 2018; 4(2):191-217. [Acesso em 13 Out 2020].

Almeida ER, Moutinho CB, Leite MTS. Prática pedagógica de enfermeiros de Saúde da Família no desenvolvimento da Educação em Saúde. Interface (Botucatu). 2016; 20(57):389-402. [Acesso em 28 Mai 2019].

Santos ROM, Romano VF, Engstrom EM. Vínculo longitudinal na Saúde da Família: construção fundamentada no modelo de atenção, práticas interpessoais e organização dos serviços. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2018; 28(2) e280206. [Acesso em 25 Jun 2020].

Maia JDS. A educação em saúde para usuários hipertensos: Percepções de profissionais da Estratégia Saúde da Família. Rev. Ciênc. Plur. 2018; 4(1):81-97. [Acesso em 29 Mai 2019].

Soares AN, Souza V, Santos FBO, Carneiro ACLL, Gazzinelli MF. Dispositivo educação em saúde: Reflexões sobre práticas educativas na atenção primária e formação em enfermagem. Texto Contexto Enferm, 2017; 26(3):1-9. [Acesso em 14 Out 2020].

Gonzáles CM, Teixeira MLO, Castelo Branco EMS. Cuidado educativo compartilhado: estratégia de ação da enfermagem junto a usuários com insuficiência renal crônica. Rev baiana de enfermagem. 2017;31(3):e17536. [Acesso em 30 Mai 2019].

Feitosa MDS, Machado MFAS, Feitosa Júnior FP, Guimarães JMX, Marinho MNASB. Práticas de educação em saúde dos profissionais da estratégia saúde da família de Barbalha, Ceará. In: Vasconcelos MIO, Vieira NFC, Monteiro CFS (Org.). Educação e saúde: construção e caminhos na estratégia saúde da família. Ied. Sobral - CE: Edições UVA, 2016, p. 283-294.

Ramos CFV, Araruna RC, Lima CMF, Santana CLA, Tanaka LH. Práticas educativas: pesquisa-ação com enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm 2018;71(3):1144-51. [Acesso em 25 Mai 2019].

Bruno J, Costa NMS, Moraes BA. Concepções e práticas de educação em saúde na Estratégia Saúde da Família. Congresso de Investigação Qualitativa 2018. v. 2 (2018): Atas - Investigação Qualitativa em Saúde. [Acesso em 23 Mai 2019].

Bomfim ES, Slob EMGB, Oliveira BG, Ribeiro BS, Carmo EA, Santos PHS, Santana MLAAM, Rosa RS. Práticas educativas do enfermeiro no cotidiano na Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde e Desenv. 2016:10(5):37-52. [Acesso em 25 Jun 2020].

Vieira FS, Portela NLC, Sousa GC, Costa ES, Oliveira DEP, Neiva MJLM. Inter-relação das ações de educação em saúde no contexto da Estratégia Saúde da Família: percepções do enfermeiro. Rev Fund Care Online. 2017 out/dez; 9(4): 1139-1144. [Acesso em 29 Mai 2019].

Ercole FF, Melo LS, Alcoforado CLGC. Revisão integrativa versus revisão sistemática. [Editorial]. Rev Min Enferm. 2014 jan/mar; 18(1): 9:11. [Acesso em 29 Jun 2020].

Mira QLM, Barreto RMA, Vasconcelos MIO. Impacto do PET-Saúde na formação profissional: Uma revisão integrativa. Rev. baiana saúde pública 2016 abr/jun; 40(2):514-531. [Acesso 28 Jun 2020].

Conselho Federal de Enfermagem. Biblioteca virtual de enfermagem. Bases da saúde. Disponível em: http://biblioteca.cofen.gov.br/bases-da-saude/. [Acesso em 14 Out 2020].

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Bonfim ES, Araújo IB, Santos AGB, Silva AP, Vilela ABA, Yara SD. Atuação do enfermeiro acerca das práticas educativas na Estratégia Saúde da Família. Rev enferm UFPE on line. 2017 mar;11(Supl. 3):1398-1402. [Acesso em 30 Mai 2019].

Sousa GS, Monroe KCMC, Ferreira MGS. Percepção dos enfermeiros das equipes de saúde da família sobre o desenvolvimento de práticas educativas em ortopedia e traumatologia. Rev enferm UFPE on line. 2016 mar;10(Supl. 4):3593-3600. [Acesso em 27 Mai 2020].

Santos AR, Santos RB, Santos Marta RM, Nascimento JC, Vilela ABA. Educação popular como ferramenta de participação e promoção da cidadania na Estratégia Saúde da Família. Rev enferm UFPE on line. 2016 mar; 10(9):3259-364. [Acesso em 29 Mai 2019].

Oliveira DM, Santos AMX, Paula AM, Silva EA, Ribeiro L, Mendonça ET. Concepções e práticas de educação em saúde: Perspectivas de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Rev enferm UFPE on line. 2016 nov:10(11):3901-3910. [Acesso em 28 Mai 2019].

Cervera DPP, Parreira BD, Goulart BF. Educação em saúde: percepção dos enfermeiros da atenção básica em Uberaba (MG). Ciênc. saúde coletiva. 2011:16(supl. 1):1547-1554. [Acesso em 30 Mai 2019].

Feio A, Oliveira CC. Confluências e divergências conceituais em educação em saúde. Saúde Soc. São Paulo. 2015:24(2):703-715. [Acesso em 30 Mai 2019].

Nogueira IS, Vergaças HM, Santos LF, Cypriano PE, Moreno MG, Lima SO, Baldissera VDA. A prática educativa na Estratégia Saúde da Família: Estratégia para repensar e construir ações dialógicas. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR. 2015:19(1):11-17. [Acesso em 29 Mai 2019].

Lemos CLS. Educação permanente em saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Cien Saude Colet. 21(3):913-922, 2016. [Acesso em 14 Out 2020].

Sthal HC, Leal CRAA. Educação popular como política de saúde: interfaces com a formação profissional em saúde. Cad. Pes., São Luís, v. 24, n. 2, mai./ago. 2017. [Acesso em 14 Out 2020].

Lima LO, Silva MRF, Cruz PJC, Pekelman R, Pulga VL, Dantas VLA. Perspectivas da educação popular em saúde e de seu grupo temático na Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). Ciênc. saúde coletiva. 25(7):2737-2742, 2020. [Acesso em 14 Out 2020].

Lubini VT, Willrich JQ, Pinheiro GEW, Kantorski LP, Pickersgill MF. Impactos das ações educativas nos indicadores de saúde: Potencialidades e fragilidades. Rev enferm UFPE on line. 2018:12(6):1640-1647. [Acesso em 30 Mai 2019].

Jesus MCP, Santos SMR, Amaral AMM, Costa DMN, Aguilar KSM. O discurso do enfermeiro sobre a prática educativa no Programa Saúde da Família em Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Rev. APS. 2008 jan/mar:11(1):54-61. [Acesso em 30 Mai 2019].

Strehlow BR, Dahmer L, Oliveira TB, Fontana RT. Percepção dos usuários sobre os grupos de educação em saúde do pet - vigilância em saúde. Rev Fund Care Online. 2016. abr./jun. 8(2):4243-4254. [Acesso em 28 Jun 2020].

Santos RCA, Miranda FAN. Articulação ensino-serviço na perspectiva dos profissionais de Saúde da Família. Rev. APS. 2016 jan/mar; 19(1): 7-13. [Acesso em 14 Out 2020].

França T, Medeiros KR, Belisario SA, Garcia AC, Pinto ICM, Castro JL et al. Política de educação permanente em saúde no Brasil: a contribuição das Comissões Permanentes de Integração Ensino-Serviço. Ciênc. saúde coletiva 22(6):1817-1828, 2017. [Acesso 27 Jun 2020].

Downloads

Publicado

2022-05-10

Edição

Seção

Artigo de Revisão