• A Percepção dos Profissionais do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica sobre o Apoio Matricial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8n1p177-193

Palavras-chave:

atenção básica, NASF, apoio matricial.

Resumo

OBETIVO: Conhecer a percepção dos profissionais do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) de Mossoró/RN sobre como se dá o Apoio Matricial juntos às equipes da Estratégia de Saúde da Família. MÉTODO:  Pesquisa de caráter exploratório-descritivo, com abordagem qualitativa, sendo usada entrevista semiestruturada com 16 profissionais integrantes do NASF-AB. Para a realização da análise dos dados utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin. RESULTADOS: Foi evidenciado que a operacionalização do Apoio Matricial depende de um conjunto de condições: infraestrutura; qualificação das equipes apoiadoras; comunicação entre os profissionais; relações interpessoais saudáveis; compreensão do papel do apoiador; rede de serviço disponível. Entretanto, estas ações são desenvolvidas embasadas na vivência cotidiana e na experiência individual de cada um. Observou-se também que há limitações no processo de gestão devido ao comprometimento de poder e de saber, prejudicando o processo de corresponsabilização de sujeitos e de trabalho. CONCLUSÃO:  A promoção da educação de gestores e funcionários da Atenção Básica pode ser considerada ferramenta essencial para compreensão acerca do papel do NASF-AB e do Apoio Matricial, além da reformulação dos tradicionais mecanismos de gestão para promover a participação ativa do sujeito nos processos de atenção à saúde.

Biografia do Autor

Milena Medeiros Falcão, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Médica – Estratégia de Saúde da Família

Richardson Fagner Granjeiro, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Enfermeiro, Mestre em Saúde Coletiva – Professor Substituto do Curso de Graduação em Medicina  da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Ellany Gurgel Cosme do Nascimento, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Enfermeira, Doutora em Ciências da Saúde. Professora Adjunta do Curso de Graduação em Medicina e do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade - FACS/UERN da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Referências

Brasil, Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de apoio à saúde da família. Brasília – DF, 2009.

Brocardo, D; Andrade, CLT; Fausto, MCR; Lima, SML. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf): panorama nacional a partir de dados do PMAQ. Saúde em Debate. 2018; 42(spe1):130-144.

Melo, EA; Miranda, L; Silva, AM; Limeira, RMN. Dez anos dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf): problematizando alguns desafios. Saúde em Debate. 2018; 42(spe1):328-340.

Orué, AL; Souza,AS; Ferla, AA; Nascimento, DDG; Santos, MLM . Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica: revisão integrativa da literatura. Saúde em Redes. 2018; 4(3):159-177.

Anéias, TV. Apoio Matricial dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF): uma análise da região norte do município de São Paulo. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa et al. Investigação sobre cogestão, apoio institucional e apoio matricial no sus. 2017. São Paulo: Hucitec, 8:176-206,.

Bardin, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Ed. 70; 2011.

Cunha, GT; Campos, GWS. Apoio matricial e atenção primária em saúde. Saúde e Sociedade. 2011; 20(4):961-970.

Barros, JO; Gonçalves, RMA; Kaltner, RP; Lancman, S. Estratégia do apoio matricial: a experiência de duas equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20(9):2847-2856.

Oliveira, GN. Apoio Matricial como tecnologia de gestão e articulação em rede. In: Campos, GWS; Guerreiro, AVP. Manual de Práticas de Atenção Básica. São Paulo: Hucitec, cap. 11:273-282; 2013.

Castro, CP; Oliveira, MM; Campos, GWS. Apoio Matricial no SUS Campinas: análise da consolidação de uma prática interprofissional na rede de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(5):1625-1635.

Campos, GWS; Cunha, GT; Figueiredo, MD. Práxis e formação Paideia: apoio e cogestão em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

Bispo Júnior, JP; Moreira, DC. Educação permanente e apoio matricial: formação, vivências e práticas dos profissionais dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família e das equipes apoiadas. Cadernos de Saúde Pública. 2017; 33(9): e00108116.

Souza, TS; Medina, MG. Nasf: fragmentação ou integração do trabalho em saúde na APS?. Saúde em Debate. 2018; 42(spe1):145-158.

Nascimento, CMB; Albuquerque, PC; Sousa, FOS; Albuquerque,LC; Gurgel, IGD. Configurações do processo de trabalho em núcleos de apoio à saúde da família e o cuidado integral. Trabalho, Educação e Saúde. 2018; 16(3): 1135-1156.

Campos, GWS. Projeto terapêutico e estratégias de promoção em situação de apoio matricial. In: Campos, GW. Investigação sobre cogestão, apoio institucional e apoio matricial no SUS. São Paulo: Hucitec, 2017.

Oliveira, GN. Devir apoiador= uma cartografia da função apoio. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Médicas. Campinas - SP, 2011.

Bellini, M; Pio, DAM; Chirelli, MQ. O apoiador institucional da Atenção Básica: a experiência em um município do interior paulista. Saúde em Debate. 2016; 40(108):23-33.

Campos, GWS; Castro, CP; Fernandes, JA; Anéas, TV. Investigação sobre cogestão, apoio institucional e apoio matricial no sus. São Paulo: Hucitec, 2017.

Brasil, Ministério da Saúde. Humaniza Sus: Política Nacional de Humanização. Brasília - DF, 2003.

Pinafo, E; Carvalho, BG; Nunes, EFPA. Descentralização da gestão: caminho percorrido, nós críticos e perspectivas. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(5):1511-1524.

Campos, GWS. Um método para análise e cogestão de coletivos. São Paulo: Hucitec, 2000.

Viana, MMO; Campos, GWS. Formação Paideia para o Apoio Matricial: uma estratégia pedagógica centrada na reflexão sobre a prática. Cadernos de Saúde Pública. 2018; 34(8): e00123617.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Edição

Seção

Artigos Originais