Reabilitação Psicossocial: O Relato de Um Caso na Amazônia

Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos, José Carlos Barboza da Silva, Jorgenete Melo de Almeida, Fabio Biasotto Feitosa

Resumo


Objetivo: relatar o acompanhamento de reabilitação psicossocial de um usuário da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) de um município da região Amazônica, em função de seu Projeto Terapêutico Singular (PTS). Método: utilizamos o relato de experiência como método de trabalho para narrar o acompanhamento e a intervenção em relação ao caso estudado. Resultados: os resultados demonstraram que pela articulação e implementação de projeto de reabilitação, por meio da integração entre profissionais da RAPS e família, foi possível diminuir o número de internações psiquiátricas, promover a autonomia, favorecer o exercício da cidadania, garantir a defesa dos direitos sociais e humanos ao paciente em estudo. Dessa forma, as etapas necessárias para realizar um projeto de reabilitação, à luz do caso estudado, foram registradas, apresentadas e discutidas no presente trabalho.  Conclusão: a intervenção relatada mostrou ser viável, por meio de um projeto de reabilitação psicossocial - construído e articulado através do trabalho em equipe e integração da rede de saúde mental - promover o bem-estar, a funcionalidade e certo grau de autonomia ao paciente do estudo, proporcionando-lhe o exercício da cidadania e dignidade humana.


Palavras-chave


Reabilitação Psicossocial; Projeto Terapêutico Individual; Saúde Mental.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Pinto DM et al. Projeto terapêutico singular na produção do cuidado integral: uma construção coletiva. Texto & Contexto-Enfermagem. 2011; 20(3):493-502.

Kinoshita RT. Contratualidade e Reabilitação Psicossocial. In: Pitta AMF (Org.). Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2016.

Silva EV, Ribeiro MC, Souza MCS. The performance of health professionals in a custody and psychiatric treatment hospital: the perspective of the psychosocial rehabilitation. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional. 2018; 26(2):315-327.

BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 60p.: il. color. – (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Moll MF et al. Os cuidados de enfermagem e o exercício dos direitos humanos: uma análise a partir de realidade em Portugal. Escola Anna Nery. 2016; 20(2):236-242.

Delgado PG. A Psiquiatria no território: construindo uma rede de atenção psicossocial. In: Saúde em Foco: informe epidemiológico em saúde coletiva. 1997; 6(16):41-43.

Tenório F. A Reforma Psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. In: História, Ciências, Saúde. Manguinhos. 2002; 9(1):25-59.

Campos FAAC, Guedes D, Feitosa FB. A construção do protocolo de enfermagem para operacionalizar o processo de enfermagem em Saúde Mental. Saúde em Redes. 2019; 5(1):163-179.

Campos FAAC, Feitosa FB. Protocolo de Diagnóstico da Depressão em Adulto (PDDA). Curitiba: Appris, 2018.

Souza C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. 2006; 8(16):20-45.

Pitiá ACA, Furegato ARF. O Acompanhamento Terapêutico (AT): dispositivo de atenção psicossocial em saúde mental. Interface Comunicação, Saúde, Educação. 2009; 13(30):67-77.

Townsend MC. Enfermagem Psiquiátrica: conceitos na prática baseada em evidências. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília: Diário Oficial da União, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei Federal n° 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Diário Oficial da União, 2001.

Saraceno B. Reabilitação Psicossocial: Uma Estratégia para a Passagem do Milênio. In: Pitta AMF (Org.). Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2016.

Basaglia F. A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

Birman J. A cidadania tresloucada. In: Bezerra Junior B, Amarante P (Orgs.). Psiquiatria sem hospício: contribuições ao estudo da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

Amarante P. Novos Sujeitos, Novos Direitos: o debate em torno da Reforma Psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública. 1995; 11(3):491-94.

Lobosque AM. Princípios para uma Clínica Antimanicomial. São Paulo: Hucitec, 1997.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3272g713

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS