Reabilitação Psicossocial: O Relato de Um Caso na Amazônia

Autores

  • Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos Universidade Federal de Rondônia (UNIR). https://orcid.org/0000-0001-6563-6155
  • José Carlos Barboza da Silva Universidade Federal de Rondônia (UNIR).
  • Jorgenete Melo de Almeida
  • Fabio Biasotto Feitosa Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p133-150

Palavras-chave:

Reabilitação Psicossocial, Projeto Terapêutico Individual, Saúde Mental.

Resumo

Objetivo: relatar o acompanhamento de reabilitação psicossocial de um usuário da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) de um município da região Amazônica, em função de seu Projeto Terapêutico Singular (PTS). Método: utilizamos o relato de experiência como método de trabalho para narrar o acompanhamento e a intervenção em relação ao caso estudado. Resultados: os resultados demonstraram que pela articulação e implementação de projeto de reabilitação, por meio da integração entre profissionais da RAPS e família, foi possível diminuir o número de internações psiquiátricas, promover a autonomia, favorecer o exercício da cidadania, garantir a defesa dos direitos sociais e humanos ao paciente em estudo. Dessa forma, as etapas necessárias para realizar um projeto de reabilitação, à luz do caso estudado, foram registradas, apresentadas e discutidas no presente trabalho.  Conclusão: a intervenção relatada mostrou ser viável, por meio de um projeto de reabilitação psicossocial - construído e articulado através do trabalho em equipe e integração da rede de saúde mental - promover o bem-estar, a funcionalidade e certo grau de autonomia ao paciente do estudo, proporcionando-lhe o exercício da cidadania e dignidade humana.

Biografia do Autor

Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos, Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Rondônia. Mestrado Sanduíche no programa de Pós-graduação de Psicologia na Universidade Estadual de Maringá/PR (UEM). Especialização em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental (UNIARA). Especialização em Gestão de Pessoas pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Especialização em Gestão em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Capacitação em Habilidades Sociais e Saúde Mental. Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Luterana do Brasil (CEULJI/ULBRA). Experiência em enfermagem psiquiátrica e saúde mental, com ênfase na Gestão, Grupoterapia/Treinamento das Habilidades Sociais, Consulta de enfermagem e Condutas de Enfermagem, Terapia Familiar, Práticas Integrativas e Reabilitação Psicossocial de pacientes com transtornos mentais graves e persistentes. É responsável pela criação da tecnologia leve-dura denominada de Protocolo de Diagnóstico da Depressão em Adulto (PDDA). Premiado com "Certificado de Melhor Resumo", referente ao "Protocolo de Diagnóstico da Depressão em Adultos (PDDA)", na categoria Ciências Humanas aplicadas (Psicologia e Saúde Mental), no IX Seminário de Pós-Graduação, Pesquisa e II Simpósio de Inovação, Propriedade Intelectual e Tecnologia (IX SEMPP E II SINTEC), no ano de 2018.

José Carlos Barboza da Silva, Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Professor Associado do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR/RO). Doutor em Educação Escolar pela UNESP/Araraquara. Psicólogo supervisor em estágio básico e específico em Saúde Mental na UNIR.

Jorgenete Melo de Almeida

Profissional de Educação. Mestre em Ciências da Educação. Experiencia em reabilitação psicossocial e práticas corporais.

Fabio Biasotto Feitosa, Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Doutor em Treinamento de Habilidades Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar/São Carlos – SP). Pós – Doutorado na University College London (UCL/Londres – Reino Unido). Professor Associado do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR/RO).

Referências

Pinto DM et al. Projeto terapêutico singular na produção do cuidado integral: uma construção coletiva. Texto & Contexto-Enfermagem. 2011; 20(3):493-502.

Kinoshita RT. Contratualidade e Reabilitação Psicossocial. In: Pitta AMF (Org.). Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2016.

Silva EV, Ribeiro MC, Souza MCS. The performance of health professionals in a custody and psychiatric treatment hospital: the perspective of the psychosocial rehabilitation. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional. 2018; 26(2):315-327.

BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 60p.: il. color. – (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Moll MF et al. Os cuidados de enfermagem e o exercício dos direitos humanos: uma análise a partir de realidade em Portugal. Escola Anna Nery. 2016; 20(2):236-242.

Delgado PG. A Psiquiatria no território: construindo uma rede de atenção psicossocial. In: Saúde em Foco: informe epidemiológico em saúde coletiva. 1997; 6(16):41-43.

Tenório F. A Reforma Psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. In: História, Ciências, Saúde. Manguinhos. 2002; 9(1):25-59.

Campos FAAC, Guedes D, Feitosa FB. A construção do protocolo de enfermagem para operacionalizar o processo de enfermagem em Saúde Mental. Saúde em Redes. 2019; 5(1):163-179.

Campos FAAC, Feitosa FB. Protocolo de Diagnóstico da Depressão em Adulto (PDDA). Curitiba: Appris, 2018.

Souza C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. 2006; 8(16):20-45.

Pitiá ACA, Furegato ARF. O Acompanhamento Terapêutico (AT): dispositivo de atenção psicossocial em saúde mental. Interface Comunicação, Saúde, Educação. 2009; 13(30):67-77.

Townsend MC. Enfermagem Psiquiátrica: conceitos na prática baseada em evidências. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília: Diário Oficial da União, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei Federal n° 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Diário Oficial da União, 2001.

Saraceno B. Reabilitação Psicossocial: Uma Estratégia para a Passagem do Milênio. In: Pitta AMF (Org.). Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2016.

Basaglia F. A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

Birman J. A cidadania tresloucada. In: Bezerra Junior B, Amarante P (Orgs.). Psiquiatria sem hospício: contribuições ao estudo da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

Amarante P. Novos Sujeitos, Novos Direitos: o debate em torno da Reforma Psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública. 1995; 11(3):491-94.

Lobosque AM. Princípios para uma Clínica Antimanicomial. São Paulo: Hucitec, 1997.

Downloads

Publicado

2021-12-01