Análise do processo ensino-aprendizagem pela ótica de preceptores de graduação no âmbito da Atenção Primária à Saúde

Afonso Luís Puig Pereira, Celso Zilbovicius, Leonardo Carnut, Antonio Carlos Souza Neto, Tarsila Teixeira Vilhena Lopes, Ramon Navarrete

Resumo


Introdução: A preceptoria é um importante elo pedagógico na integração ensino-serviço-gestão-comunidade. Dentre muitas tensões que esses profissionais sofrem na Atenção Primária à Saúde eles são instigados diariamente sobre quais métodos de ensino e avaliação podem e/ou devem ser utilizados para um adequado aprendizado dos estudantes. Assim, o objetivo deste estudo é conhecer o processo ensino-aprendizagem vivenciado pelos profissionais que atuam como preceptores de alunos de graduação no âmbito da Atenção Primária à Saúde, no município de São Paulo.

Metodologia: Trata-se de um estudo analítico-interpretativo de abordagem qualitativa. Após aplicação de questionário sócio demográfico realizou-se entrevistas semiestruturadas com 14 preceptores interpretados pela análise de conteúdo temática.

Resultados: Da análise, emergiram as categorias “estratégias e métodos de ensino” e “avaliação do processo ensino-aprendizagem”. O processo ensino-aprendizagem é guiado especialmente pela rotina da Atenção Primária à Saúde e pela prática, sendo a metodologia de ensino mais frequente porém não problematizada. Os métodos ativos de ensino são aplicados por aqueles que possuem algum tipo de formação pedagógica. Os processos avaliativos apresentaram-se incipientes e causam insegurança nos preceptores. 

Conclusão: Formar profissionais que exercem a preceptoria é essencial para compor um perfil pedagógico adequado, fomentando no profissional seu papel de educador e instrumentalizando-os de ferramentas metodológicas e avaliativas. 


Palavras-chave


Preceptoria; Atenção Primária à Saúde; Sistema Único de Saúde; Educação em Saúde; Aprendizagem Baseada em Problemas

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Oliveira MS, Lima VV, Petta HL, Pereira SMSF, Ribeiro ECO, Soeiro E, et al. Preceptoria no SUS: caderno do curso 2017. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. São Paulo: Hospital Sírio-Libanês; Ministério da Saúde; 2017.

Albiero JFG, Freitas SFT. Cenários de prática na atenção básica: tipologia para unidades docente-assistenciais. Rev Bras Promoç Saúde. 2017 jul/set;30(3):1-8. doi: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.5836.

Autonomo FROM, Hortale VA, Santos GB, Botti SHO. A preceptoria na formação médica e multiprofissional com ênfase na Atenção Primária: análise das publicações brasileiras. Rev Bras Educ Med. 2015 jun;39(2):316-27. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e02602014.

Lima PAB, Rozendo CA. Desafios e possibilidades no exercício da preceptoria do Pró-PET-Saúde. Interface (Botucatu). 2015;19(Suppl 1):779-91. doi: 10.1590/1807- 57622014.0542.

Ferreira FDC, Dantas FdC, Valente GSC. Nurses' knowledge and competencies for preceptorship in the basic health unit. Rev Bras Enferm. 2018;71(Supl 4):1564-71. doi: http://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0522.

Cosme FSMN, Valente GSC. Permanent education in the practice of preceptorship in primary health care. RSD [Internet]. 2020 Jul. 24 [cited 2020 Nov 25];9(8):e653984490. Available from: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/4490.

Rocha HC, Ribeiro VB. Curso de formação pedagógica para preceptores do internato médico. Rev Bras Educ Med. 2012 set;36(3):343-50. doi: 10.1590/S0100- 55022012000500008.

Prado ML, Velho MB, Espíndola DS, Sobrinho SH, Backes VMS. Arco de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Esc Anna Nery. 2012 jan-mar;16(1):172-7. doi: 10.1590/S1414- 81452012000100023.

Lima VV. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface (Botucatu). 2017 Jun;21(61):421-34. doi: 10.1590/1807-57622016.0316.

Anastasiou LGC, Alves LP, organizadores. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10a ed. Joinville: Ed. Univille; 2015.

Girotto LC. Preceptores do Sistema Único de Saúde: como percebem seu papel em processos educacionais na saúde [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina; 2016.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes; 2016.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 63a ed. São Paulo: Paz e Terra; 2017.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 54a ed. São Paulo: Paz e Terra; 2016.

Botti SHO, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis?. Rev Bras Educ Med. 2008 set;32(3):363-73. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022008000300011.

Junqueira SR, Oliver FC. A preceptoria em saúde em diferentes cenários de prática. Rev Docência Ens Sup. 2020;10:1-20. doi: 10.35699/2237-5864.2020.13483.

Botti SHO, Rego STA. Docente-clínico: o complexo papel do preceptor na residência médica. Physis. 2011;21(1):65-85. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312011000100005.

Cerqueira P. A formação pedagógica de preceptores dos estudantes da área da saúde: uma conversa em três tempos. In: Ribeiro VMB, organizador. Formação pedagógica de preceptores no ensino da saúde. Juiz de Fora: Ed. UFJF; 2011.

Albuquerque CP. Ensino e aprendizagem em serviços de atenção básica do SUS: desafios da formação médica com a perspectiva de integralidade: narrativas e tessituras [tese]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social; 2007.

Carrard GG. Preceptoria no SUS: análise da integração ensino-serviço e das práticas pedagógicas no contexto da atenção Primária à Saúde [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre; 2016.

Chianca-Neves MGB, Lauer-Leite ID, Priante PT. As concepções de preceptores do SUS sobre metodologias ativas na formação do profissional. Educ Rev. 2020;36:e207303. doi: https://dx.doi.org/10.1590/0102-4698207303.

Ribeiro PKC, Firmo WCA, Sousa MHSL, Figueiredo IA, Pacheco MAB. Os profissionais de saúde e a prática de preceptoria na atenção básica: assistência, formação e transformações possíveis. J Manag Prim Health Care. 2020;12:e21. doi: https://doi.org/10.14295/jmphc.v12.977.

Perrenoud P. Avaliação: da excelência à regularização das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed; 1998.

Lira MES. Portfólio no processo ensino aprendizagem na graduação em enfermagem: olhar do aluno [dissertação]. Maceió: Universidade Federal de Alagoas; 2018.

Jesus JCM, Ribeiro VMB. Uma avaliação do processo de formação pedagógica de preceptores do internato médico. Rev Bras Educ Med. 2012 jun;36(2):153-61. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022012000400002.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p06-21

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3273g759

Apontamentos



A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS