A FORMAÇÃO DAS RESIDÊNCIAS MULTIPROFISSIONAIS NA APS: COMPETÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p27-40

Palavras-chave:

Sistemas de Saúde, Capacitação Profissional, Competência profissional, Internato e Residência, Sistema Único de Saúde

Resumo

O artigo discute como a Residência Multiprofissional na Atenção Primária à Saúde (APS) desenvolve as competências para atuação nas Redes de Atenção à Saúde (RAS). A metodologia foi composta por uma pesquisa documental e por um survey eletrônico com 182 residentes e 10 coordenadores dos 24 programas incluídos no estudo. Os dados foram analisados a partir dos referenciais teóricos de Schwartz e Perrenoud sobre competência profissional. Os resultados indicaram avanços na relação campo e núcleo profissional; na dimensão política da formação; na compreensão e humanização do processo de trabalho, e na forma como o profissional apreende a interação entre os determinantes sociais da saúde. Foi constatado que a relação de articulação, coordenação e ordenação de cuidado do usuário da APS junto aos demais níveis de atenção, no âmbito da formação, embora apresente avanços, ainda é baixa e possui inúmeros desafios. Concluímos que a inserção do residente em cenários de práticas diversificados demonstra ser um fator determinante para que se desenvolva competências para a coordenação do cuidado a partir da APS. No entanto, coexistem questões estruturais que extrapolam o eixo formação e limitam a construção linhas e fluxos de cuidado compartilhados no âmbito das RAS.

Biografia do Autor

Cássia de Andrade Araújo, Fundação Oswaldo Cruz. Fiocruz Brasília.

Mestre em Políticas Públicas em Saúde pela FIOCRUZ/Brasília. Possui graduação em Nutrição, Especialização em Programa Saúde da Família pela Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande-FCM, Especialização em caráter de Residência em Saúde da Família pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - Sobral-CE, Especialização em Vigilância Sanitária de Alimentos pela Universidade Estadual do Ceará e Especialização em Gestão de Políticas de Alimentação e Nutrição pela FIOCRUZ. Atualmente é colaboradora do Núcleo de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da Fiocruz Brasília. Foi consultora técnica do Departamento de Planejamento e Regulação da Provisão de Profissionais de Saúde no Ministério da Saúde (2013-2017) e coordenadora do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (Nasf-AB) do município de Pedras de Fogo-PB (2017-2018). Linhas de pesquisa: Saúde Coletiva - Políticas, Planejamento, Gestão e Atenção em Saúde, Saúde Mental e Direitos Humanos, Segurança Alimentar e Nutricional, Nutrição Humana e Social.

Francini Lube Guizardi, Fiocruz. Fiocruz Brasília.

Graduada em Psicologia, com mestrado e doutorado em Saúde Coletiva. É pesquisadora em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz, na Escola Fiocruz de Governo, Fiocruz Brasília. Compõe o Núcleo de Estudos em Democratização e Sociabilidades na Saúde (NEDSS) e o Laboratório de Pesquisas sobre Práticas de Integralidade em Saúde (LAPPIS). Atua como editora junior da Revista Interface - saúde, educação e comunicação. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, principalmente nos temas: educação profissional em saúde, políticas públicas, Estado e democracia institucional.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde, Portaria no 4.279, de 30 de dezembro de 2010 [Internet]. Diário Oficial da União. 2010 [Acesso em 16 abr 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc. saúde coletiva 2010; 15(5): 2297-2305.

Brasil. Decreto no 7.508, de 28 de junho de 2011 [Internet]. 2011 [Acesso em 16 abr 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.htm

Magalhães Junior HM. Redes de Atenção à Saúde: rumo à integralidade. Divulg. saúde debate 2014; 52:15-37.

Mendes EV. A Atenção Primária nas Redes de Atenção à Saúde. In: Mendes EV, editor. A construção social da Atenção Primária à Saúde. Brasília: CONASS; 2015.

Silva Júnior AG, Alves CA. Modelos Assistenciais em Saúde : desafios e perspectivas. In: Morosini MVGC, Corbo AD, organizadoras. Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV, 2007. p 27-41.

Cecílio LCO. Modelos tecno-assistenciais em saúde : da pirâmide ao círculo , uma possibilidade a ser explorada. Cad Saúde Pública 1997; 13(3):469–78.

Mendes, E.V. A Atenção Primária nas Redes de Atenção à Saúde. In: A Construção Social da Atenção Primária à Saúde. Brasília, DF: CONASS, 2015.

Rosa SD, Lopes RE. Residência Multiprofissional em Saúde e pós-graduação lato sensu no Brasil: apontamentos históricos. Trab. Educ. Saúde 2010; 7(3):479–98.

Brasil. Lei 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem, cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional da Juventude; e dá outras providências. [Internet]. 2005 [Acesso em 30 abr 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11129.htm

Nascimento DDG do, Oliveira MAC de. A política de formação de profissionais da saúde para o SUS: considerações sobre a residência multiprofissional em saúde da família. Reme Rev Min Enf. 2006; 10(4):435-439.

Schwartz Y. Os ingredientes da competência: Um exercício necessário para uma questão insolúvel. Educ Soc 1998; 19(65):1–17.

Perrenoud P. Construir Competências é Virar as Costas aos Saberes? Pátio – Revista Pedagógica 1999; 11:15–9.

Brasil. Ministérios de Estado da Educação e da Saúde. Portaria Interministerial N. 16, de 22 de dezembro de 2014. 2014.

Carácio FCC. A experiência de uma instituição pública na formação do profissional de saúde para atuação em atenção primária. Ciênc. saúde coletiva 19 (7) Jul 2014. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2014.v19n7/2133-2142/

Vieira SP et al. A graduação em medicina no Brasil ante os desafios da formação para a Atenção Primária à Saúde Saúde debate 42 (spe1) Set 2018 https://www.scielosp.org/article/sdeb/2018.v42nspe1/189-207/

Campos GWDS. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciênc Saúde Coletiva 2000; 5(2):219–30.Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde : conceito e tipologia. Revista de Saúde Pública. 2001; 35(1):103–9.

Scherer MDDA, Pires DEP De, Jean R. A construção da interdisciplinaridade no trabalho da Equipe de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva 2013; 18(11): 3203–12.

CNRMS. Resolução No 5, de 7 de Novembro de 2014 [Internet]. 2014 [Acesso em 16 abr 2017]. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=34&data=10/11/2014

Aguiar AC, et al. Preceptoria em Programas de Residência no Brasil e Espanha: Ensino, Pesquisa e Gestão. Rio de Janeiro: CEPESC Editora, 2017.

Mendes, E.V. As situações das condições de saúde e os Sistemas de Atenção à Saúde. In: As redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde : conceito e tipologia. Revista de Saúde Pública. 2001; 35(1):103–9.

Izecksohn MMV, Teixeira Junior JE, Stelet BP, et al. Preceptoria em Medicina de Família e Comunidade: desafios e realizações em uma Atenção Primária à Saúde em construção. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22(3):737-746.

Hartz ZMA, Contandriopoulos A-P. Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um “sistema sem muros”. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20 Sup 2:S331-S336, 2004

Evangelista MJO et al. O Planejamento e a construção das Redes de Atenção à Saúde no DF, Brasil Ciência & Saúde Coletiva, 24(6):2115-2124, 201

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais