Abaré I: Atenção Básica em contextos ribeirinhos na região Oeste do Pará

Larissa Ádna Neves Silva, Juliana Gagno Lima, Hernane Guimarães dos Santos Júnior, Rui Massato Harayama

Resumo


Objetivo: Descrever a experiência do Estágio Supervisionado Observacional em Saúde Pública, realizado na UBSF-Abaré I, na região do Baixo Tapajós, Santarém - Pará, no ano de 2019. Métodos: Trata-se de um relato de experiência pautado em atividades de estágio que foram desenvolvidas durante 10 dias de atendimento da unidade de saúde fluvial em contextos ribeirinhos. Esse artigo foi dividido em: histórico da UBSF – Abaré I, estrutura da unidade, modelo de atenção e atividades de formação desenvolvidas na unidade. Resultados: A vivência na unidade evidenciou a importância dos serviços básicos de saúde para as comunidades ribeirinhas. Alguns dos avanços proporcionados pela UBSF estão relacionados ao maior acesso e cobertura da Atenção Básica para essa população; o desenvolvimento de um trabalho interprofissional, intersetorial e interinstitucional; o trabalho de apoio e acompanhamento dos ACS para essas comunidades; e, a contribuição da unidade para formação em saúde. Entretanto, ainda persistem grandes desafios à gestão como a necessidade de realização de monitoramento e avaliação dos serviços disponibilizados, assim como a execução dos princípios dos eixos estratégicos da Politica Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas, a partir de qual a unidade é financiada, reafirmando a valorização dessa politica pública como estratégia para a promoção da equidade em saúde. Conclusões:  O fortalecimento da Atenção Básica para as populações ribeirinhas e a garantia dos princípios da universalidade, integralidade e equidade são essenciais para promoção de estratégias que contemplem as diferentes necessidades dessas populações, garantindo a prestação dos cuidados em saúde. 


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Saúde das comunidades; Amazônia.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta. 1. Ed. 1. reimp. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013. 48 p.

Pessoa VM, Almeida MM, Carneiro FF. Como garantir o direito à saúde para as populações do campo, da floresta e das águas no Brasil. Saúde debate. Rio de Janeiro, 2018; 42 (esp. 1): 302-14.

Viana ALD, Bousquat A, Pereira APCM, Uchimura LYT, Albuquerque MV, Mota PHS et al. Tipologia das regiões de saúde: condicionantes estruturais para a regionalização no Brasil. Saúde Soc. São Paulo, 2015; 24 (2): 413-22.

Figueira MC, Marques D, Vilela MF, Pereira JA, Bazílio J, Silva EM. Fluvial family health: work process of teams in riverside communities of the Brazilian Amazon. Rural and Remote Health 2020; 20: 5522.

Albuquerque MV, Viana ALA, Lima LD, Ferreira MP, Fusaro ER, Iozzi FL. Desigualdades regionais na saúde: mudanças observadas no Brasil de 2000 a 2016. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(4): 1055-64.

Santos JAF. Classe Social, território e desigualdade de saúde no Brasil. Saúde Soc. São Paulo, 2018; 27 (2): 556-72.

Garnelo L, Sousa ABL, Silva CO. Regionalização em Saúde no Amazonas: avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 2017; 22(4): 1225-34.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 22 out. 2011 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 21 set. 2017 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 1.229, de 6 de junho de 2014. Define os valores do incentivo financeiro mensal de custeio das Equipes de Saúde da Família Ribeirinhas (ESFR), das Equipes de Saúde da Família Fluviais (ESFF) e das Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF). Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 7 jun. 2014 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1229_06_06_2014.html.

Brasil, Ministério da Educação. Resolução nº 6, de 19 de outubro de 2017. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Farmácia e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 20 out. 2017 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19363913/do1-2017-10-20-resolucao-n-6-de-19-de-outubro-de-2017-19363904.

Brasil. Universidade Federal do Oeste do Pará. Resolução nº 182, de 10 de fevereiro de 2017. Aprova o Projeto Pedagógico do curso de Farmácia da Universidade Federal do Oeste do Pará. Disponível em: http://www2.ufopa.edu.br/ufopa/arquivo/consun/resolucoes/resolucao-no-182.17-consepe-ppc-de-farmacia/view.

Atlas de Desenvolvimento Humano [internet]. Dados do município de Santarém (PA), 2010 - [citado em 20 de mai. 2020]. Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2013/.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente. Floresta Nacional do Tapajós: Plano de Manejo. Nov. de 2004. 580 p.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente. Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns. Brasília, DF, 02 de set. 2014. 141 p.

Brasil, Ministério da Saúde. E-Gestor Atenção Básica. Informação e Gestão da Atenção Básica. Cobertura da Atenção Básica do município de Santarém (PA), 2020 - [citado em 20 de mai. 2020]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml.

Brasil, Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, 2020 – [citado em 20 de mai. 2020]. Disponível em: http://cnes2.datasus.gov.br/Index.asp?home=1.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [acesso em 25 mar. 2020]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016 [acesso em 25 mar. 2020]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

Bernades DC, Oliveira FPA. Projeto Saúde e Alegria: educação em saúde para melhorar a qualidade de vida. Revista Saúde e Desenvolvimento, 2012; 1 (2).

Kadri MRE, Santos BS, Lima RTS, Schweickardt JC, Martins FM. Unidade Básica de Saúde Fluvial: um novo modelo de atenção básica para a Amazônia, Brasil. Interface (Botucatu) [Internet]. 2019 [citado 2020 mai 12]; 23 (180613). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100262&lng=en&nrm=iso.

Projeto Saúde e Alegria [Internet]. Saúde comunitária; 2020 [acesso em 25 mai. 2020]. Disponível em: https://saudeealegria.org.br/saude-comunitaria/.

Brasil. Universidade Federal do Oeste do Pará. Resolução nº 40, de junho de 2017. Aprova o Termo de Doação e incorporação da Unidade Fluvial Abaré à Universidade Federal do Oeste do Pará. 2017.

Prefeitura de Santarém [Internet]. Prefeitura e Ufopa assinam termo de cooperação mútua e Abaré retoma atividades na área de saúde; 2018 [acesso em 25 mai. 2020]. Disponível em: http://agenciasantarem.com.br/noticia/2379/.

Projeto Saúde e Alegria [Internet]. 13 anos de Abaré e quase nove de política pública; conheça algumas das 70 Unidades Básicas de Saúde Fluvial inspiradas no primeiro Barco Hospital; 2019 [acesso em 25 mai. 2020]. Disponível em: https://saudeealegria.org.br/redemocoronga/13-anos-de-abare-e-quase-nove-de-politica-publica-conheca-algumas-das-70-unidades-basicas-de-saude-fluvial-inspiradas-no-primeiro-barco-hospital/.

Farias DN, Ribeiro KSQS, Anjos UU, Brito GEG. Interdisciplinaridade e interprofissionalidade na estratégia saúde da família. Trab. Educ. Saúde. Rio de Janeiro, 2018; 16 (1): 141-62.

Santos RABG, Uchôa-Figueiredo LR, Lima LC. Apoio matricial e ações na atenção primária: experiência de profissionais de ESF e Nasf. Saúde debate. Rio de Janeiro, 2017; 41 (114): 694-706.

Kadri MR, Wilson DR, Schweickardt JC, Linn JG, Farias LSG, Moreira A et al. The Igaraçu fluvial mobile clinic: Lessons learned while implementing an innovative primary care approach in Rural Amazonia, Brazil. International Journal of Nursing and Midwifery. 2017; 9 (4): 41-45.

Santos EP. Guia de boas práticas de imunização em áreas remotas de difícil acesso. Sociedade Brasileira de Imunizações. 2017. 44 p.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3292g715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS