Abaré I: Atenção Básica em contextos ribeirinhos na região Oeste do Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p161-174

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Saúde das comunidades, Amazônia.

Resumo

Objetivo: Descrever a experiência do Estágio Supervisionado Observacional em Saúde Pública, realizado na UBSF-Abaré I, na região do Baixo Tapajós, Santarém - Pará, no ano de 2019. Métodos: Trata-se de um relato de experiência pautado em atividades de estágio que foram desenvolvidas durante 10 dias de atendimento da unidade de saúde fluvial em contextos ribeirinhos. Esse artigo foi dividido em: histórico da UBSF – Abaré I, estrutura da unidade, modelo de atenção e atividades de formação desenvolvidas na unidade. Resultados: A vivência na unidade evidenciou a importância dos serviços básicos de saúde para as comunidades ribeirinhas. Alguns dos avanços proporcionados pela UBSF estão relacionados ao maior acesso e cobertura da Atenção Básica para essa população; o desenvolvimento de um trabalho interprofissional, intersetorial e interinstitucional; o trabalho de apoio e acompanhamento dos ACS para essas comunidades; e, a contribuição da unidade para formação em saúde. Entretanto, ainda persistem grandes desafios à gestão como a necessidade de realização de monitoramento e avaliação dos serviços disponibilizados, assim como a execução dos princípios dos eixos estratégicos da Politica Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas, a partir de qual a unidade é financiada, reafirmando a valorização dessa politica pública como estratégia para a promoção da equidade em saúde. Conclusões:  O fortalecimento da Atenção Básica para as populações ribeirinhas e a garantia dos princípios da universalidade, integralidade e equidade são essenciais para promoção de estratégias que contemplem as diferentes necessidades dessas populações, garantindo a prestação dos cuidados em saúde. 

Biografia do Autor

Larissa Ádna Neves Silva, Universidade Federal do Oeste do Pará

Bacharel em Saúde e Acadêmica de Farmácia do Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal do Oeste do Pará

Juliana Gagno Lima, Universidade Federal do Oeste do Pará

Docente do Instituto de Saúde Coletiva na Universidade Federal do Oeste do Pará. Doutora em Saúde Pública pela ENSP/FIOCRUZ.

Hernane Guimarães dos Santos Júnior, Universidade Federal do Oeste do Pará

Docente do Instituto de Saúde Coletiva na Universidade Federal do Oeste do Pará. Doutorando em Epidemiologia e Saúde Pública na ENSP/FIOCRUZ.

Rui Massato Harayama, Universidade Federal do Oeste do Pará

Docente do Instituto de Saúde Coletiva na Universidade Federal do Oeste do Pará. Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta. 1. Ed. 1. reimp. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013. 48 p.

Pessoa VM, Almeida MM, Carneiro FF. Como garantir o direito à saúde para as populações do campo, da floresta e das águas no Brasil. Saúde debate. Rio de Janeiro, 2018; 42 (esp. 1): 302-14.

Viana ALD, Bousquat A, Pereira APCM, Uchimura LYT, Albuquerque MV, Mota PHS et al. Tipologia das regiões de saúde: condicionantes estruturais para a regionalização no Brasil. Saúde Soc. São Paulo, 2015; 24 (2): 413-22.

Figueira MC, Marques D, Vilela MF, Pereira JA, Bazílio J, Silva EM. Fluvial family health: work process of teams in riverside communities of the Brazilian Amazon. Rural and Remote Health 2020; 20: 5522.

Albuquerque MV, Viana ALA, Lima LD, Ferreira MP, Fusaro ER, Iozzi FL. Desigualdades regionais na saúde: mudanças observadas no Brasil de 2000 a 2016. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(4): 1055-64.

Santos JAF. Classe Social, território e desigualdade de saúde no Brasil. Saúde Soc. São Paulo, 2018; 27 (2): 556-72.

Garnelo L, Sousa ABL, Silva CO. Regionalização em Saúde no Amazonas: avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 2017; 22(4): 1225-34.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 22 out. 2011 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 21 set. 2017 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 1.229, de 6 de junho de 2014. Define os valores do incentivo financeiro mensal de custeio das Equipes de Saúde da Família Ribeirinhas (ESFR), das Equipes de Saúde da Família Fluviais (ESFF) e das Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF). Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 7 jun. 2014 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1229_06_06_2014.html.

Brasil, Ministério da Educação. Resolução nº 6, de 19 de outubro de 2017. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Farmácia e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, de 20 out. 2017 [acesso em 17 jan 2020]. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19363913/do1-2017-10-20-resolucao-n-6-de-19-de-outubro-de-2017-19363904.

Brasil. Universidade Federal do Oeste do Pará. Resolução nº 182, de 10 de fevereiro de 2017. Aprova o Projeto Pedagógico do curso de Farmácia da Universidade Federal do Oeste do Pará. Disponível em: http://www2.ufopa.edu.br/ufopa/arquivo/consun/resolucoes/resolucao-no-182.17-consepe-ppc-de-farmacia/view.

Atlas de Desenvolvimento Humano [internet]. Dados do município de Santarém (PA), 2010 - [citado em 20 de mai. 2020]. Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2013/.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente. Floresta Nacional do Tapajós: Plano de Manejo. Nov. de 2004. 580 p.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente. Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns. Brasília, DF, 02 de set. 2014. 141 p.

Brasil, Ministério da Saúde. E-Gestor Atenção Básica. Informação e Gestão da Atenção Básica. Cobertura da Atenção Básica do município de Santarém (PA), 2020 - [citado em 20 de mai. 2020]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml.

Brasil, Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, 2020 – [citado em 20 de mai. 2020]. Disponível em: http://cnes2.datasus.gov.br/Index.asp?home=1.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [acesso em 25 mar. 2020]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016 [acesso em 25 mar. 2020]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

Bernades DC, Oliveira FPA. Projeto Saúde e Alegria: educação em saúde para melhorar a qualidade de vida. Revista Saúde e Desenvolvimento, 2012; 1 (2).

Kadri MRE, Santos BS, Lima RTS, Schweickardt JC, Martins FM. Unidade Básica de Saúde Fluvial: um novo modelo de atenção básica para a Amazônia, Brasil. Interface (Botucatu) [Internet]. 2019 [citado 2020 mai 12]; 23 (180613). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100262&lng=en&nrm=iso.

Projeto Saúde e Alegria [Internet]. Saúde comunitária; 2020 [acesso em 25 mai. 2020]. Disponível em: https://saudeealegria.org.br/saude-comunitaria/.

Brasil. Universidade Federal do Oeste do Pará. Resolução nº 40, de junho de 2017. Aprova o Termo de Doação e incorporação da Unidade Fluvial Abaré à Universidade Federal do Oeste do Pará. 2017.

Prefeitura de Santarém [Internet]. Prefeitura e Ufopa assinam termo de cooperação mútua e Abaré retoma atividades na área de saúde; 2018 [acesso em 25 mai. 2020]. Disponível em: http://agenciasantarem.com.br/noticia/2379/.

Projeto Saúde e Alegria [Internet]. 13 anos de Abaré e quase nove de política pública; conheça algumas das 70 Unidades Básicas de Saúde Fluvial inspiradas no primeiro Barco Hospital; 2019 [acesso em 25 mai. 2020]. Disponível em: https://saudeealegria.org.br/redemocoronga/13-anos-de-abare-e-quase-nove-de-politica-publica-conheca-algumas-das-70-unidades-basicas-de-saude-fluvial-inspiradas-no-primeiro-barco-hospital/.

Farias DN, Ribeiro KSQS, Anjos UU, Brito GEG. Interdisciplinaridade e interprofissionalidade na estratégia saúde da família. Trab. Educ. Saúde. Rio de Janeiro, 2018; 16 (1): 141-62.

Santos RABG, Uchôa-Figueiredo LR, Lima LC. Apoio matricial e ações na atenção primária: experiência de profissionais de ESF e Nasf. Saúde debate. Rio de Janeiro, 2017; 41 (114): 694-706.

Kadri MR, Wilson DR, Schweickardt JC, Linn JG, Farias LSG, Moreira A et al. The Igaraçu fluvial mobile clinic: Lessons learned while implementing an innovative primary care approach in Rural Amazonia, Brazil. International Journal of Nursing and Midwifery. 2017; 9 (4): 41-45.

Santos EP. Guia de boas práticas de imunização em áreas remotas de difícil acesso. Sociedade Brasileira de Imunizações. 2017. 44 p.

Downloads

Publicado

2021-12-01