NÚCLEO AMPLIADO DE SAÚDE DA FAMÍLIA E ATENÇÃO BÁSICA: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO EM SAÚDE

Autores

  • Vinícius Vieira Benvindo Departamento de Nutrição Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Governador Valadares
  • Lélia Cápua Nunes Departamento de Medicina Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Governador Valadares
  • Nizia Araujo Vieira Almeida Departamento de Nutrição Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Governador Valadares

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p129-141

Palavras-chave:

Atenção Básica, Saúde da Família, Saúde Pública, Educação Profissional em Saúde Pública

Resumo

Objetivo. Caracterizar o perfil, formação e a atuação dos profissionais integrantes das equipes dos Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB), do munícipio de Governador Valadares - Minas Gerais e investigar o conhecimento desses profissionais sobre o programa e suas diretrizes.Métodos. Tratou-se de um estudo descritivo, realizado por meio da aplicação de um questionário estruturado, preenchido por 82,9% dos integrantes do programa.Resultados.  A maioria teve formação em universidades/faculdades privadas (94,1%), não realizaram nenhuma atividade prática curricular em Saúde Pública, exceto o estágio curricular obrigatório. O ingresso no programa ocorreu principalmente pela análise de currículo (47,1%). Verificou-se também mesmo percentual de profissionais sem experiência profissional em Saúde Pública prévia ao ingresso no programa. As diretrizes do NASF-AB mais citadas pelos profissionais foram as relacionadas à Promoção a Saúde (82,4%) e à Interdisciplinaridade (73,5%) e as menos referidas foram a Educação Permanente em Saúde (14,7%) e a Participação Social (17,6%). Metade dos profissionais relataram, uma boa integração entre as equipes do NASF-AB e as da Estratégia de Saúde da Família. Em relação ao planejamento em saúde em cada território foi identificada reduzida utilização de instrumentos para o planejamento (53%) e incipiente participação popular nas decisões de saúde e planejamento para o território (44%).Conclusões. Os achados desse estudo demonstram uma lacuna na formação de profissionais em saúde coletiva na graduação e em serviço para atuação no NASF-AB, o que aponta para a necessidade de aperfeiçoamento da formação em saúde e maior investimento nas ações de Educação Permanente. 

Referências

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria GM Nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Orientações para implantação dos NASF - Republicada em 04 de março, 2008. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 22 set. 2017, Seção 1, nº183, p. 68.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria N° 3.124 de 28 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, DF,2012.

Anjos KF, Meira SS, Ferraz CEO, Vilela ABA, Boery RNSO, Sena ELS. Perpectivas e desafios do núcleo de apoio à saúde da família quando às práticas em saúde. Saúde em Debate. 2013; 37(99).

Santos ER, Lanza LMB. O Matriciamento no NASF: interpretações sobre o trabalho do Assistente Social. Argumentum. 2014 jul/dez. 6 (2):233-46.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF – Núcleo de Apoio a Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 164 p.

Rodriguez MR. Análise histórica da trajetória profissional do fisioterapeuta até sua inserção nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Comun Ciênc Saúde. 2010; 21(3):261.

Melo EA (Org.). Caderno do curso: Apoio Matricial na Atenção Básica, com ênfase nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf): aperfeiçoamento. / organizado por Eduardo Alves Melo e Luciana Alves Pereira. 2014; 172 p.

Andrade LMB, Quandt FL, Campos DA, Delziovo CR, Coelho EBS, Morreti-Pires RO. Análise da implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no interior de Santa Catarina. Saúde e Transform Soc. 2012; 1(1):18-31.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Cadernos de Atenção Básica, n. 39). Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 116 p.

Silva ATC, Aguiar ME, Winck K, Rodrigues KGW, Sato ME, Grissi SJFE. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: desafios e potencialidades na visão dos profissionais da Atenção Primária do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012 nov; 28(11): 2076-84.

Gil, AC. Como elaborar Projetos de Pesquisa. Editora Atlas S.A; 6ed, 2017.

Castro ALB, Machado, CV. A política federal de atenção básica à saúde no Brasil nos anos 2000. Physis. 2012; 22(2):477-506.

Costa MML. Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF): contextualização de sua implantação na atenção básica à saúde no Brasil [monografia].Brasília, Universidade Nacional de Brasília, 2013.

Martinez JFN, Silva MS, Silva AM. O Núcleo de Apoio à Saúde da família em Goiânia (GO): percepções dos profissionais e gestores. Saúde debate. 2016; 40(110):95-106.

Bonaldi AP, Ribeiro MD. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: as ações de promoção da saúde no cenário da Estratégia de Saúde da Família. Rev de APS. 2014; 17(2):195-203.

Oliveira IC, Rocha RM, Cutolo LR. Algumas palavras sobre o NASF: Relatando uma Experiência Acadêmica. Rev Bras de Ed Méd. 2012; 36(4):574-80.

Leite DF, Nascimento DDG, Oliveira MAC. Qualidade de vida no trabalho de profissionais do NASF no munícipio de São Paulo. Physis. 2014; 24(2):507-25.

Shimizu HE, Fragelli TBO. Competências profissionais essenciais para o trabalho no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev Bras Educ Med. 2016; 40(2):216-25.

Gonçalves RMA, Lancman S, Sznelwar LI, Cordone NG, Barros JO. Estudo do trabalho em Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), São Paulo, Brasil. Rev Bras Saud Ocupac. 2015, 40(131):59-74.

Souza TS. NASF: fragmentação ou integração do trabalho em saúde na APS [dissertação]? Bahia: UFBA, 2015.

Martiniano CS, Sampaio J, Magalhães FC, Souza FF, Marcolino EC, Rocha AMO. Avaliação do processo de implantação das equipes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Rev Enferm UFPE. 2015; 7(1):53-61.

Ribeiro HMCB, Lamy ZC, Coimbra LC, Rocha LJLF, Aquino DMC, Coutinho NPS, Costa LFA. Representações sociais de profissionais de Núcleos de Apoio à Saúde da Família sobre interdisciplinaridade. Trab Edu Saúde. 2015; 13(2):97-115.

Nakamura CA, Leite SN. A construção do processo de trabalho no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: a experiência dos farmacêuticos em um município do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.21, n.5, p.1565-1572, 2016.

Camelo SHH, Angerami ELS. Formação de recursos humanos para a estratégia de saúde da família. Cien, Cuidado e Saúde. 2008; 7(1).

Carácio FCC, Conterno LO, Oliveira MAC, Oliveira ACH, Marin MJS, Braccialli LAD. A experiência de uma instituição públca na formação do profissional de saúde para atuação em atenção primária. Cien Saúde Coletiva. 2014; (19)7: 2133-42.

Ministério da Saúde/Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) nº 569, de 8 de dezembro de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2017, p. 85-90.

Fonseca RM. Educação Interprofissional em Saúde e o desenvolvimento de competências colaborativas na formação em enfermagem e medicina.[dissertação] Natal, UFRGN, 2018.

Paschoal AS, Mantovani MF, Meier MJ. Percepção da educação permanente, continuada e em serviço para enfermeiros de um hospital de ensino. Rev Esc Enferm da USP. 2007; 41(3):478-84.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O mundo da Saúde, São Paulo. 2010, 34(1):92-6.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Análise do sofrimento no trabalho em Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Rev da Escola de Enfer da USP. 2016; 50(4):847-54.

Souza TT, Knabben RJ, Calvo MCM. Caraterização dos núcleos de apoio à saúde da família e integraçao às equipes de saúde da família vinculadas. Revista de APS. 2017; 20(4).

Oliveira FRL. A integração das ações no campo da saúde mental entre a Estratégia de Saúde da Família e o Núcleo de Apoio a Saúde da Família: desafios para uma prática interdisciplinar [dissertação]. USP, São Paulo, 2013.

Mângia EF, Lancman S. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: integralidade e trabalho em equipe multiprofissional. Rev Ter Ocup Univ. 2008; 19(2).

Peduzzi M, Nornan IJ, Germani ACCG, Silva JAM, Souza GC. Educação interprofissional: formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(4):977-83.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais