ATENÇÃO DOMICILIAR: PERCEPÇÃO DO USUÁRIO QUE APRESENTA CONDIÇÃO CRÔNICA SOBRE O CUIDADO OFERTADO PELA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p187-200

Palavras-chave:

Visita Domiciliar, Sistema Único de Saúde, Atenção Primaria, Doença Crônica.

Resumo

Nas últimas décadas os princípios que orientam a atenção à saúde vêm produzindo mudanças no cenário de prática em saúde, focalizado na atenção primaria à saúde. A assistência domiciliar no sistema público de saúde aponta para a necessidade de novas tecnologias de cuidados continuo e de forma multiprofissional. Dessa forma, o presente estudo tem por objetivo verificar a percepção do usuário acamado e/ou domiciliado relacionada ao cuidado ofertado a domicilio na atenção básica. O estudo é caracterizado por uma abordagem quantitativa de natureza descritiva e observacional, em que foram aplicados questionários estrutura dos com 33 usuários de uma Unidade Básica de Saúde do Extremo Sul Catarinense. A pesquisa destacou que o crescimento da atenção domiciliar e do número de doenças crônicas está associado ao envelhecimento populacional. A escassez de atendimentos multiprofissionais se torna falho no contexto da promoção em saúde, onde muitos dos indivíduos vem o cuidado domiciliar como indiferente. É importante destacar o reconhecimento da atenção domiciliar como possibilidade de superar as dificuldades de acesso na rede, indicando que ela atende a um conjunto de necessidades referentes às ofertas de cuidado.

Biografia do Autor

Jucieli da Silva Rabelo, Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Fisioterapeuta, Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Rafael Zaneripe de Souza Nunes, Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Psicólogo, Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Stephane Catharine Zavadil, Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Psicóloga, Especialista e Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Cristiane Damiani Tomasi, Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Enfermeira, Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Luciane Bisognin Ceretta, Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Enfermeira, Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Lisiane Tuon, Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Fisioterapeuta, Doutora em Medicina e Ciências da Saúde pela Pontificia Universidade do Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2002.

Moraes, PAD, Bertolozzi, MR, & Hino, P. Percepciones sobre necesidades de saludenlaatención básica, segúnusuarios de unservicio de salud. Rev. Esc. Enferm. USP., 2011; 45(1), 19-25.

Silva, KL, Sena, RRD, Seixas, CT, Feuerwerker, LCM, & Merhy, EE.Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Rev. Saúde Públ., 2010; 44, 166-176.

Feuerwerker, L, Merhy, EE. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas.

Rev. panam. salud pública., 2008; 24, 180-188.

Costa, GD, et al. Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistencial. Rev Bras Enferm, Brasília, 2009; v. 62, n. 1, p. 113-118.

Czeresnia, D. Para compreender a epidemiologia. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, 1998; v. 5, n. 1, p. 228-231.

Araújo, MBDS, Rocha, PDM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc. Saúde Colet., 2007; 12, 455-464.

Mathers, C. The global burden of disease: 2004 update. World Health Organization, 2008.

Malta, DC, Merhy, EE. The path of the line of care from the perspective of non-transmissible chronic diseases. Interface (Botucatu), 2010; 14(34), 593-606.

WHO. World Health Organization. Preventing chronic diseases: a vital investment, 2005.

Schmidt, MI, Duncan, BB, Silva, GA, Menezes, AM, Monteiro, CA, & Barreto, SM. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet, 2011; 6736(11), 61-74.

Lima-Costa, MF, Matos, DL, Camargos, VP, & Macinko, J. Tendências em dez anos das condições de saúde de idosos brasileiros: evidências da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003, 2008). Ciênc. Saúde Colet.,2011; 16, 3689-3696.

Brasil. Portaria 2529 de 19 de setembro de 2006. Institui a Internação domiciliar no âmbito do SUS, 2006.

Vasconcelos, CMD, & Pasche, DF. O sistema único de saúde. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec, 2006.

Wachs, LS, Nunes, BP, Soares, MU, Facchini, LA, & Thumé, E. Prevalência da assistência domiciliar prestada à população idosa brasileira e fatores associados. Cad. de Saúde Pública, 2016; 32(3), 1-9.

Biscione, FM, Szuster, DAC, Drumond, EDF, Ferreira, GUA, Turci, MA, Lima Júnior, JF, & Bersan, SAL. Avaliação de efetividade da atenção domiciliar de uma cooperativa médica de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. de Saúde Pública, 2013; 29(1), 73-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de atenção domiciliar. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012; 2v.

MacMahon, S, Neal, B & Rodgers, A. Hypertension: time to move on. Lancet (British edition), 2005; 365(9464), 1108-1109.

Prince, MJ, Wu, F, Guo, Y, Robledo, LMG, O'Donnell, M, Sullivan, R & Yusuf, S. The burden of disease in older people and implications for health policy and practice. The Lancet, 2015; 385(9967), 549-562.

Who, G. WHO methods for life expectancy and healthy life expectancy, 2014.

Linnenkamp U, Guariguata L, Beagley J, Whiting DR, & Cho NH. The IDF Diabetes Atlas methodology for estimating global prevalence of hyperglycaemia in pregnancy. Diabetes Res. Clin. Pract., 2014; 103(2), 186-196.

de Oliveira Souza, J, de Oliveira, BC, de Souza, VL, Filgueiras, SRD, & Bastos, AD. A prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em usuários acamados assistidos em uma unidade básica de saúde da família. Saúde Redes, 2016; 2(3), 292-300.

Viacava, F, Oliveira, RADD, Carvalho, CDC, Laguardia, J, & Bellido, JG. SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciênc. Saúde Colet., 2018; 23, 1751-1762.

Malta, DC, Bernal, RTI, Vieira Neto, E, Curci, KA, Pasinato, MTDM, Lisbôa, RM, & Freitas, MIFD. Doenças Crônicas Não Transmissíveis e fatores de risco e proteção em adultos com ou sem plano de saúde. Ciênc. Saúde Colet., 2020; 25, 2973-2983.

Medeiros, CRG., Freitag, AL, Martines, LSE, Saldanha, OMDFL, Grave, MQ, Jager, LK,& Dhein, G. O Apoio Matricial na qualificação da Atenção Primária à Saúde às pessoas com doenças crônicas. Saúde Debate, 2020; 44, 478-490.

da Silveira, A, Favero, NB, da Silva, JH, Rodrigues, DP, & Caurio, APC. PACIENTES EM CONDIÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE: COTIDIANO DE CUIDADO DOMICILIAR. Rev. Contexto Saúde (Online), 2019; 19(36), 39-45.

Castro, TAD, Davoglio, RS, Nascimento, AAJD, Santos, KJDS, Coelho, GMP, & Lima, KSB. Agentes Comunitários de Saúde: perfil sociodemográfico, emprego e satisfação com o trabalho em um município do semiárido baiano. Cad. de Saúde Pública, 2017; 25(3), 294-301.

Furlanetto, DDLC, Lima, ADAD, Pedrosa, CM, Paranaguá, TTDB, Xavier, MF, Silva, AKPD, & Santos, LMP. Satisfação do usuário da Atenção Primária no Distrito Federal: a importância do acesso oportuno e da visita domiciliar. Ciênc. Saúde Colet., 2020; 25, 1851-1863.

Gonçalves, HM, Zamberlan, C. Visita domiciliar como prioridade de pesquisa em saúde: uma revisão. Discip. Sci., 2016; 17(1), 1-10.

Malta, DC, Oliveira, TP, Santos, MAS., Andrade, SSCDA, & Silva, MMAD. Avanços do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011-2015. Epidemiol. Serv. de Saúde, 2016; 25, 373-390.

Romanholi, RMZ & Cyrino, EG. A Visita domiciliar na formação de médicos: da concepção ao desafio do fazer. Interface (Botucatu), 2012; 16(42), 693-705.

Rocha, KB, Conz, J, Barcinski, M, Paiva, D & Pizzinato, A. A visita domiciliar no contexto da saúde: uma revisão de literatura. Psicol. saúde doenças., 2017; 18(1), 170-185.

Becker, RM, Heidemann, ITSB, Meirelles, BHS, Costa, MFBNAD, Antonini, FO & Durand, MK. Práticas de cuidado dos enfermeiros a pessoas com Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Ver. Bras. Enferm., 2018; 71, 2643-2649.

Silocchi, C & Junges, JR. Equipes de atenção primária: dificuldades no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Trab. educ. saúde (Online), 2017; 15(2), 599-615.

Franco T, Merhy E. PSF: contradições e novos desafios [Internet]. In: Anais da 11ª Conferência Nacional de Saúde on-line; 2000 Dez 15-19; Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2000.

Neves, CAB. Saúde: a cartografia do trabalho vivo, 2008.

Silva, KL, Cardoso Silva, Y, Guimarães Lage, É, Alves Paiva, P & Veloso Dias, O. Por Que é Melhor em Casa? A Percepção de Usuários e Cuidadores da Atenção Domiciliar. Cogitare Enferm., 2017; 22(4), 1-9.

Rodrigues, RAP, Bueno, ADA, Casemiro, FG, Cunha, AND, Carvalho, LPND, Almeida, VC & Seredynskyj, FL. Pressupostos das boas práticas do cuidado domiciliar ao idoso: revisão sistemática. Ver. Bras. de Enferm., 2019; 72(2), 302-310.

Leite BC, Oliveira-Figueiredo DSTD, Rocha FL, & Nogueira MF. Multimorbidade por doenças crônicas não transmissíveis em idosos: estudo de base populacional. Ver. Bras. de Geriatr. Gerontol., 2019; 22 (6), 1-11.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais