FRAGILIDADES NO CONTEXTO DO ATENDIMENTO AO PRÉ-NATAL DE ALTO RISCO

Flávia Pimentel dos Santos, Adriane Cobucci, Patrícia Dickie, Dejeane de Oliveira Silva

Resumo


Objetivo: Analisar as fragilidades na assistência as gestantes de alto risco na Atenção Primária a Saúde. Metodologia: Trata-se de um relato de experiência, de natureza descritiva e abordagem qualitativa, desenvolvida em uma Unidade Básica de Saúde, localizada em um município na região Sul do Estado da Bahia, no período de março a julho de 2020. Resultados e Discussões: A Atenção Primária a Saúde é compreendida como o primeiro contato do usuário na rede de serviços, por isso a não garantia da qualidade no pré-natal de alto risco, resulta em fragilidades que comprometem a saúde materno infantil. As dificuldades vivenciadas envolveram atrasos nos resultados dos exames laboratoriais, indisponibilidades de vagas para ultrassonografias, deficiência na captação precoce das gestantes, busca ativa das gestantes faltosas, encaminhamentos tardios, fragmentação da integralidade do cuidado e da comunicação efetiva entre a referência e contra referência, bem como limitação dos recursos humanos e materiais, principalmente farmacológicos. Considerações Finais: As fragilidades observadas no atendimento do pré-natal de alto risco, permitiram o (re)conhecimento e a análise da importância do compromisso e da responsabilidade que cada serviço de saúde deve exercer no cuidado inerente às gestantes, sendo necessário a implementação das políticas públicas existentes no país, com o envolvimento de todos os atores no processo, seja na gestão ou na produção do cuidado.

Palavras-chave: Gestação; Complicações na Gravidez; Assistência Pré-Natal; Atenção Primária a Saúde.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Costa LD, Perondi AR, Cavalheiri JC, Ferreira AS, Teixeira GT, Bortoloti DS. Adequação do pré-natal de alto risco em um hospital de referência. Revista Rene. 2016 jul-ago; 17(4):459-65. Disponível em: Acesso em: 14 de agosto de 2020.

GADELHA, I. P. Et al. Determinantes sociais da saúde de gestantes acompanhadas no pré-natal de alto risco. Revista Rene. 2020;21. Disponível em: <http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/42198/99993 Acesso em: 16 de agosto de 2020.

Vitória TO; Moreira RCR. Acessibilidade de gestantes ao pré-natal de alto risco. Rev. Saúde Col. UEFS, Feira de Santana, 7(3): 45-51, 2017. Disponível em: <http://periodicos.uefs.br/ojs/index.php/saudecoletiva Acesso em: 18 de agosto de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. - 5. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

Neto JF, Braccialli LAD, Correa MESH. Comunicação entre médicos a partir da referência e contrarreferência: potencialidades e fragilidades. Atas CIAIQ -Investigação Qualitativa em Saúde/Investigación Cualitativa en Salud, Volume 2, 2018. Disponível em: Acesso em: 16 de agosto de 2020.

Silva AA, Jardim MJA, Rios CTF, Fonseca LMB, Coimbra LC. Pré-natal da gestante de risco habitual: potencialidades e fragilidades. Revista Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 9, ex, p. 1-20, 2019. Disponível em: Acesso em: 16 de agosto de 2020.

Caldeira S, Luz MS, Tacla MTGM, Machineski GG, Silva RMM, Pinto MPV, Ferrari RAP. Ações de cuidado do enfermeiro no Programa Rede Mãe Paranaense. REME, 2017. Disponível em: Acesso em 21 de agosto de 2020.

Canever BP, Mattia D, Virtuoso AM, Schmitt KR, Fontoura MHC, Amestoy SC, Trindade LL. Percepções das agentes comunitárias de saúde sobre o cuidado pré-natal. Invest Educ Enferm. 2011;29(2): 204 -211. Disponível em: Acesso em: 21 de agosto de 2020.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas; 2007.

Silva EL, Menezes EM. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3ª ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC; 200. Disponível em: Acesso em: 21 de agosto de 2020.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

Ruschi GEC, Zandonade E, Miranda AE, Antônio FF. Determinantes da qualidade do pré-natal na Atenção Básica: o papel do Apoio Matricial em Saúde da Mulher. Cad. Saúde Colet., 2018, Rio de Janeiro, 26 (2): 131-139. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-462X2018000200131&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 14 de agosto de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Sírio – Libanês de Ensino e Pesquisa. Protocolos da Atenção Básica. Saúde das Mulheres. Brasília/ DF, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro. Portaria Nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília/DF. Disponível em: Acesso em: 19 de agosto de 2020.

Peralta CFA, Barini R. Ultrassonografia obstétrica entre a 11ª e a 14ª semanas: além do rastreamento de anomalias cromossômicas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011; 33(1):49-57. Disponível em: Acesso em: 22 de agosto de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde, Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília/ DF. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html> Acesso em: 22 de agosto de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos. Estratégicos em Saúde Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais. Brasília/DF, 2019. Disponível em: Acesso em: 22 de agosto de 2020.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3316g700

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS