Educação à Distância e o "Programa Mais Médicos": aprimoramento das práticas em saúde na Atenção Básica em um município do Amazonas.

Guilherme Barbosa Shimocomaqui, Tahymiris Pérez Mílan, Rodrigo D'avila Lauer, Simone Gomes Costa

Resumo


O presente estudo é um relato de experiência acerca das contribuições de um curso de especialização em saúde da família, modalidade educação à distância (EaD), no aprimoramento das práticas em saúde na atenção básica (AB). O curso foi realizado por uma profissional do programa Mais Médico (PMM), desenvolvido no período de outubro de 2015 à outubro de 2016, em uma unidade de saúde de AB, localizada no interior do estado do Amazonas, Brasil. Utilizou-se o ambiente virtual de aprendizagem, Moodle, como ferramenta de ensino-aprendizagem, de forma virtual, onde era possível a aluna acessar os materiais e documentos das unidades de estudo, interagir e compartilhar experiências com os demais participantes do curso e com o seu orientador/tutor. O projeto pedagógico do curso foi baseado em uma abordagem problematizadora, contextualizada e significativa, articulou ensino-serviço e teoria-prática, promovendo, por meio da intervenção da estudante, entre outros aspectos positivos, a (re)organização do processo de trabalho da equipe, a integração entre a comunidade, gestores e profissionais de saúde, além de melhores resultados sanitários para a comunidade. A EaD na formação de profissionais de saúde na AB foi uma ferramenta potente no aprimoramento das práticas em saúde.


Palavras-chave


Ensino em Saúde; Saúde Coletiva; Educação Permanente; SUS

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Mendes EV. As redes de atenção à saúde. 2ª Edição. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011 .

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria N. 2.436 (Set 21, 2017).

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Família [online]. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 [acesso em 2017 DEZ 25]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/atencaobasica.php

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde (Out. 21, 2011).

Thumé E. Programa mais médico e a formação médica: contribuições para o fortalecimento da equipe de saúde da família. Disponível em . Acesso em 25 dez 2017.

Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Especialização em Saúde da Família – EAD – UFPel [online]. 2017 [acesso em 2017 Ago 20]. Disponível em: http://unasus.ufpel.edu.br/site

Universidade Federal do Ceará (UFC). Curso de Especialização em Saúde da Família [online]. 2011 [acesso em 2017 Dez 25]. Disponível em: http:// www.nuteds.ufc.br/cesf/index.php/o-curso

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas Públicas. Guia prático do Programa Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/partes../guia_psf1.pdf

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Dez. 20, 1996).

Belloni ML. Educação a Distância. Campinas: Autores Associados, 2006.

Rosini AM. As novas tecnologias da informação e a educação a distância. São Paulo: Thomson Learning; 2007.

Paim JS, Nunes TCM. Contribuições para um Programa de Educação Continuada em Saúde Coletiva. Cad. Saúde Pública 1992; 8 (3): 262-9.

Silva AN. et al . Limites e possibilidades do ensino à distância (EaD) na educação permanente em saúde: revisão integrativa. Ciênc. Saúde Coletiva, 2015; 20 (4): 1099-1107.

Haddad JQ. Educacíon permanente de personal de salud. Haddad JQ, Roschke MAC, Davini MC (eds.). Washington DC: OPS; 1994. (Serie Desarrollo de Recursos Humanos en Salud).

Brasil. Presidência da República. Lei 12 871/2013. Brasília: Diário Oficial da União; 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12871.htm Acessado em 22 de Novembro de 2020.

Collar JM, Neto JBA, Ferla A. Formulação e impacto do Programa Mais Médicos na atenção e cuidado em saúde: contribuições iniciais e análise comparativa. Saúde em Redes [Internet]. 2015 [citado em: 15 dez 2016]; 1(2):43-56. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.pup/rede-unida/article/view/591.

Ferla A et al. O Programa Mais Médicos e a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB): analisando efeitos nas políticas e práticas no sistema de saúde brasileiro. Porto Alegre: UFRGS; 2015.

Schweickardt JC, Ferla AA, Lima RTS, Amorim JSC. O Programa Mais Médicos na saúde indígena: o caso do Alto Solimões, Amazonas, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2020;44:e24. https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.24

Souza K. et. al. Relato de experiência docente na disciplina de Saúde Bucal em um curso de especialização a distância para equipes de saúde da família. Rev. Elet. de Com., Inf. e Inov. em Saúde 2013; 7 (3).

Almeida MEB. de. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educ. Pesqui. 2003 Dec. 29 (2): 327-40.

Maia MC, Meirelles FS. Educação a distância: o caso da Open University. RAE Eletrônica 2002 jan./jun. 1 (1): 1-15.

Perelman C, Oldebrechts-tyeca L. Tratado da argumentação. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Mills CW. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

Schweickardt JC, Lima RTS, Ferla AA, Martino A. O “Programa Mais Médicos” e o trabalho vivo em saúde em um município da Amazônia, Brasil. Saude Redes. 2016;2(3):328-341.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3342g719

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS