Violência Obstétrica: perspectiva de médicos professores de Obstetrícia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p313-324

Palavras-chave:

Parto, Violência Obstétrica, Obstetrícia, educação Superior, Educação Profissional

Resumo

Objetivo: analisar a percepção de médicos professores de obstetrícia sobre violência obstétrica. Método: trata-se de uma pesquisa qualitativa, baseada em entrevistas semiestruturadas, com dez obstetras que atuam como docentes de uma faculdade de Medicina na cidade do Rio de Janeiro. O projeto foi aprovado por Comitê de Ética em Pesquisa. Resultados: a discussão captou diferentes nuances do tema proposto, tais como os múltiplos sentidos do termo violência obstétrica; os diferentes pontos de vista sobre a autonomia das mulheres; sobre o papel das políticas públicas em questão ao problema e as críticas ao que os médicos entendem como violência reversa. Observa-se que grande parte dos médicos professores desconhece a acepção específica do termo e o acha inadequado e ofensivo à categoria médica. Resumem a violência obstétrica a agressões físicas e pensam a autonomia das mulheres como uma instância que deve ser limitada pela autoridade médica. Embora conscientes do problema, apresentam uma postura defensiva frente a questão, vendo-a como uma forma de diferentes grupos se voltarem contra sua corporação. Conclusão: tendo em vista a importância da atuação do professor na formação dos médicos e o fato de que para além da formação técnica, o contato com os professores formata comportamentos, reflexões, práticas e até mesmo valores dos acadêmicos, conclui-se que é necessário a desmitificação da violência obstétrica, tendo como base o maior conhecimento docente sobre os aspectos mais controversos da humanização do parto e maior reconhecimento do das questões de poder e autonomia que subjazem a relação dos médicos com as parturientes.

Biografia do Autor

Luiz Antônio da Silva Teixeira, Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá, Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz e Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira / Fiocruz

Pesquisador e docente da Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá, da Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz e do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira / Fiocruz

Andreza Pereira Rodrigues, Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Docente da Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Thais Carneiro Leão Lima, Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá

Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá.

Diogo Eiras Pontes, Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá e Secretaria Municipal de Saúde / RJ

Graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá. Médico de família e comunidade da Secretaria Municipal de Saúde / RJ.

Lucia Regina de Azevedo Nicida, Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira / Fiocruz

Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira / Fiocruz

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Despacho de 03 de maio de 2019 [Internet]. 2019 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: https://sei.saude.gov.br/sei/controlador_externo.php?acao=documento_conferir&codigo_verificador=9087621&codigo_crc=1A6F34C4&hash_download=c4c55cd95ede706d0b729845a5d6481d07e735f33d87d40984dd1b39a32d870fe89dcf1014bc76a32d2a28d8f0a2c5ab928ff165c67d8219e35be

Conselho Federal de Medicina. Parecer 32/2018 [Internet]. 2018 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: http://old.cremerj.org.br/downloads/835.PDF

Brasil. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento [Internet]. Caderno Humaniza SUS. Brasília: Ministério da Saúde. Universidad Estadual do Ceará; 2014 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf

O Globo. MPF e OAB cobram que Ministério da Saúde volte atrás na decisão de abolir termo “violência obstétrica” [Internet]. 2019 [citado 9 maio 2019]. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/celina/mpf-oab-cobram-que-ministerio-da-saude-volte-atras-na-decisao-de-abolir-termo-violencia-obstetrica-23652278

FEBRASGO. Nota de apoio da Febrasgo ao despacho do Ministério da Saúde sobre a utilização da expressão “violência obstétrica” [Internet]. 2019 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/799-nota-de-apoio-da-febrasgo-ao-despacho-do-ministerio-da-saude-sobre-a-utilizacao-da-expressao-violencia-obstetrica

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção primária à saúde. Ofício de 07 de junho de 2019 [Internet]. 2019 [citado 23 set 2020]. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/sp/sala-de-imprensa/docs/oficio-ms

G1. Ministério da Saúde reconhece legitimidade do uso do termo “violência obstétrica”. Caderno Ciência e Saúde [Internet]. 10 jun 2019 [citado 23 set 2020]; Disponível em: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/06/10/ministerio-da-saude-reconhece-legitimidade-do-uso-do-termo-violencia-obstetrica.ghtml

Diniz SG, Salgado H de O, Andrezzo HF de A, Carvalho PGC de, Carvalho PCA, Aguiar C de A, et al. Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materba, e propostas para a sua prevenção. J os Hum Growth Dev [Internet]. 2015 [citado 15 dez 2019];25(3):377–376. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/jhgd/article/view/106080

Venturini G, Bokany V, Dias R. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado [Internet]. São Paulo: Fundação Perseu Abramo/Sesc; 2010 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: https://apublica.org/wp-content/uploads/2013/03/www.fpa_.org_.br_sites_default_files_pesquisaintegra.pdf

Rede Parto do Princípio. Violência Obstétrica “Parirás com dor” Dossiê elaborado pela Rede Parto do Princípio para a CPMI da Violência Contra as Mulheres [Internet]. Brasília - DF: Senado Federal; 2012 [citado 2 ago 2016]. p. 1–188. Disponível em: https://www.senado.gov.br/comissoes/documentos/SSCEPI/DOC VCM 367.pdf

Zanardo GL de P, Uribe MC, Nadal AHR De, Habigzang LF. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicol. Soc [Internet]. 2017 [citado 20 jun 2020];29(e155043). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822017000100218&lng=en&nrm=iso

OMS. Organização Mundial da Saúde. Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde [Internet]. 2014 [citado 30 jul 2016]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/134588/3/WHO_RHR_14.23_por.pdf

Aguiar JM de, D’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Cad Saude Publica [Internet]. 2013 [citado 20 jun 2020];29(11):2287–96. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013001100015&lng=en&nrm=iso

Palharini LA. Autonomia para quem? O discurso médico hegemônico sobre a violencia obstétrica no Brasil. Cad. Pagu [Internet]. 2017 [citado 23 set 2020];29(e174907). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332017000100307&lng=pt&nrm=iso

Sens MM, Stamm AMN de F. A percepção dos médicos sobre as dimensões da violência obstétrica e/ou institucional. Interface (Botucatu) [Internet]. 2019 [citado 2 mar 2020];23(e170915):1–16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v23/1807-5762-icse-23-e170915.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011. 229 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução n.o 466 de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretriz e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Conselho Nacional de Saúde [Internet]. 2012 [citado 20 jun 2020]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Nakano AR, Bonan C, Teixeira LA. O trabalho do obstetra: estilo de pensamento e normalização do “parto cesáreo”. Physis [Internet]. 2017;27(3):415–32. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312017000300415&lng=en&nrm=iso

Sens MM, Stamm AMN de F. Percepção dos médicos sobre a violência obstétrica na sutil dimensão da relação humana e médico-paciente. Interface (Botucatu) [Internet]. 2019 [citado 20 jun 2020];23(e180487):1–16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100255&lng=en&nrm=iso

Diniz SG. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciênc saúde coletiva. 2005;10(3):627–37.

Nicida LR de A, Teixeira LA da S, Nakano AR, Bonan C. Medicalização do parto: os sentidos atribuídos pela literatura de assistência ao parto no Brasil. Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. [citado 20 jun 2020]. Disponível em: http://cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/medicalizacao-do-parto-os-sentidos-atribuidos-pela-literatura-de-assistencia-ao-parto-no-brasil/17102?id=17102

Rios IC, Schraiber LB. A relação professor-aluno em medicina - um estudo sobre o encontro pedagógico. Rev Bras Educ Med [Internet]. 2012 [citado 20 jun 2020];36(3):308–16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022012000500004&lng=en&nrm=iso%3E. access on 01 Oct. 2020. https://doi.org/10.1590/S0100-55022012000500004

Doneto S. Medical students’ views of power in doctor–patient interactions: the value of teacher–learner relationships. Med Educ. 2010;22(2):187–96.

D’Oliveira AFPL, Diniz SG, Schraiber LB. Violence against women in health-care institutions: an emerging problem. Lancet [Internet]. 2002 [citado 2 mar 2020];359(May 11):1681–5. Disponível em: https://www.academia.edu/21815298/Violence_against_women_in_health-care_institutions_an_emerging_problem

Hotimsky SN. A violência institucional no parto no processo de formação médica em obstetrícia. I ENADIR [Internet]. 2009 [citado 15 ago 2018]. Disponível em: https://www.academia.edu/21564891/A_violência_institucional_no_parto_no_processo_de_formação_médica_em_obstetrícia

Sena LM, Tesser CD. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface (Botucatu) [Internet]. 2017 [citado 20 jun 2020];21(60):209–220. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832017000100209&lng=en&nrm=iso

Downloads

Publicado

2021-12-21

Edição

Seção

Artigos Originais