A Hora do CHA: relato de uma experiência interdisciplinar na formação em saúde

Lucas Balsanelli Souza, Fabiane Elizabetha de Moraes Ribeiro, Marina Souto Dalmaso, Cleidilene Ramos Magalhães, Andrea Wander Bonamigo

Resumo


Objetivo: Este relato tem por objetivo divulgar uma iniciativa de educação interdisciplinar. Metodologia: A experiência intitulada ‘Hora do CHA: Partilhando Conhecimento, desenvolvendo Habilidades e incentivando Atitudes no Sistema Único de Saúde’ foi concretizada por meio da criação e da execução de uma disciplina eletiva, ofertada a estudantes de graduação em saúde de uma universidade pública no Sul do Brasil. Seu corpo docente foi composto por trabalhadores da saúde pública, mestrandos de um Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde, que integraram suas práxis ao processo de ensino-aprendizagem. Utilizando-se da docência compartilhada e de metodologias ativas de ensino-aprendizagem, a disciplina teve como principais objetivos aproximar os discentes ao Sistema Único de Saúde, construir diálogos e conexões entre teoria e prática, elucidar conceitos-chave do processo histórico da saúde no Brasil e ressignificar a atuação dos sujeitos enquanto futuros profissionais da saúde. Resultados e conclusões: A participação e a satisfação dos discentes evidenciou a necessidade de uma maior aproximação da Instituição de Ensino Superior com as diferentes realidades da saúde pública. As práticas pedagógicas, fundamentadas no protagonismo dos discentes, propiciaram um ambiente favorável à aquisição de conhecimentos, de habilidades e de atitudes necessários para a atuação nos serviços de saúde coordenados pelo Sistema Único de Saúde em termos teóricos e práticos.


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Educação interprofissional; Educação baseada em competências; Educação superior

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil, Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. DF; 1988.

Ceccim RB, Bravin FP, Santos AA. Educação na saúde, saúde coletiva e ciências políticas: uma análise da formação e desenvolvimento para o Sistema Único de Saúde como política pública. Lugar comum. 2009; 2(28):159-180.

Costa DAS, Silva RF, Lima VV, et al. Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface (Botucatu). 2018; 22(67):1183-1195.

Berbel NAN. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas. 2011; 32(1):25-40.

Mitre SM, Siqueira-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva. 2008; 13(supl. 2):2133-2144.

Silva SL, Silva SFR, Santana GSM, et al. Estratégia educacional baseada em problemas para grandes grupos: relato de experiência. Revista brasileira de educação médica. 2015; 39(4):607-613.

Marques LMNSR. Active methodologies as strategies to develop education in values in nursing graduation. Escola Anna Nery. 2018; 22(3):1-6.

Xavier LN, Oliveira GL, Gomes AA, et al. Analisando as metodologias ativas na formação dos profissionais de saúde: uma revisão integrativa. Sanare. 2014; 13(1):76-83.

Roman C, Ellwanger J, Becker GC, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clinical and biomedical research, 2017; 37(4):349-357.

Colares KTP, Oliveira W. Metodologias Ativas na formação profissional em saúde: uma revisão. Revista Sustinere. 2018; 6(2):300-320.

Weber APT, Firmini F, Weber LC. Metodologias ativas no processo de ensino da Enfermagem: Revisão Integrativa. Revista Saúde Viva Multidisciplinar da AJES. 2019; 2(2):82-114.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43.ed. São Paulo: Paz e Terra; 2011a.

Nunes AR. Docência compartilhada e prática docente num contexto interdisciplinar: desafios e contribuições na transição do 5º para o 6º ano do Ensino Fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

Almeida LR. Docência compartilhada: do solitário ao solidário. Trabalho de Conclusão de Curso - Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, 2015.

Saul AM, Saul A. Uma prática docente inspirada na pedagogia freireana: a experiência na cátedra Paulo Freire da PUC-SP. Revista Interritórios. 2016; 2(2):70-83.

Pereira AMC, Pitombeira DF, Oliveira LC, et al. Contribuições do PET-Saúde na formação dos profissionais de nível superior na área da saúde In: Ferla AA, Pinto HA, organizadores. Integração entre universidades e sistemas locais de saúde: experimentações e memórias da educação pelo trabalho. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2017. p. 144-166.

Ribeiro IL, Júnior AM, Vilar RA, et al. Graduação em caráter multidisciplinar: contribuições do ensino na Atenção Primária em Saúde. In: Ferla AA, Pinto HA, organizadores. Integração entre universidades e sistemas locais de saúde: experimentações e memórias da educação pelo trabalho. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2017. p. 168-186.

Magalhães CR, Ribeiro JS, Tietzmann DC, et al. Reconstrução de saberes na experiência de formação em Educação Alimentar e Nutricional no Pró-Saúde In: Ferla AA, Pinto HA, organizadores. Integração entre universidades e sistemas locais de saúde: experimentações e memórias da educação pelo trabalho. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2017. p. 266-288.

Bicalho MGP, Menezes MS, Nunes LC, et al. Docência compartilhada e integração ensino-serviço-comunidade, na formação médica. In: Silva, D, organizadora. A docência do ensino superior em discussão. Uberlândia: Navegando Publicações; 2018. p. 101-116.

Zocche, DAA. Educação profissional em saúde: reflexões sobre a avaliação. Trabalho, educação e saúde. 2007; 5(2):311-326.

Cotta, RMM, Costa, GD; Mendonça, ET. Portfólios crítico-reflexivos: uma proposta pedagógica centrada nas competências cognitivas e metacognitivas. Interface (Botucatu). 2015; 19(54):573-588.

Belfor, JA, Sena, IS, Silva, DKB, et al. Competências pedagógicas docentes sob a percepção de alunos de medicina de universidade da Amazônia brasileira. Ciências & saúde coletiva. 2018; 23(1):73-82.

Makuch, DMV, Zagonel, IPS. A integralidade do Cuidado no Ensino na Área da Saúde: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Educação Médica. 2017; 41(4):515-524.

Azevedo, MAR, Andrade, MFR. O conhecimento em sala de aula: a organização do ensino numa perspectiva interdisciplinar. Educar em revista. 2007; 23(30):235-250.

Freire P. Educação Como Prática da Liberdade. 34.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2011b.

Vieira, ML, Sordi, MRL. Possibilidades e limites do uso do portfólio no trabalho pedagógico no ensino superior. Revista e-curriculum. 2012; 8(1):1-27.

Cotta, RMM, Silva, LS, Lopes, LL, et al. Construção de portfólios coletivos em currículos tradicionais: uma proposta inovadora de ensino-aprendizagem. Ciências & saúde coletiva. 2012; 17(3):787-796.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3398g720

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS