Estratégias de enfrentamento em saúde coletiva no contexto da COVID-19 para populações vulneráveis de Macapá-AP: resultados preliminares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n1Supp35-45

Palavras-chave:

Saúde Coletiva, Covid-19, Estratégias Comunitárias de Cuidado, Educação em Saúde, Informação em Saúde

Resumo

Este artigo apresenta a fase inicial de uma pesquisa ação participativa sobre as estratégias coletivas de enfrentamento diante da COVID-19, em territórios vulneráveis da cidade de Macapá, Amapá. As precariedades atuais das redes de atenção à saúde, somadas as vulnerabilidades sociais, habitacionais, de saneamento, baixa taxa de empregabilidade produzem condições que fragilizam sobremaneira sua população diante deste momento pandêmico. A pesquisa objetiva reduzir os danos causados à saúde da população vulnerável através da construção de uma rede de estratégias coletivas de educação, participação e informação em saúde, propor parceria e articulação com atores sociais e instituições do território e auxiliar os atores sociais no diálogo com o Estado. A pesquisa se dá na região periférica com Índice de Desenvolvimento Humano mais baixo da capital e, a partir dos agentes comunitários de saúde do território, foi produzido um mapeamento humano da região. Como pesquisa ação os participantes configuram-se como pesquisadores, produtores de conhecimento e protagonistas em seus contextos de vida. A pesquisa prevê a realização de onze ciclos espirais da pesquisa ação (planejamento, ação e reflexão), sendo os dois primeiros ciclos executados plenamente e os três posteriores parcialmente. Com os dados preliminares identificou-se o potencial de ação da atenção primária e ações comunitárias, identificando e discutindo sobre os dados de infraestrutura, segurança, economia, impactos da doença, especifidades do trabalho em território, a estrutura urbana precária e o modo como constroem suas atuações e a importância dos afetos no enfrentamento da pandemia

Referências

¹. Organização Pan-Americana da Saúde. Organização Mundial da Saúde. Folha Informativa COVID-19 da OMS/OPAS Brasil. [internet] 2020 [acesso 2020 abr 26]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875.

². Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 8 - COE Coronavírus - 09 de abril de 2020. Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública. Doença pelo novo Coronavírus 2019 (COE-COVID19). [internet] 2020 Abr [acesso 2020 abr 26]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2020/04/be-covid-08-final.pdf.pdf

³. Cabral KV. Belloc MM. Política, subjetividade e saúde: linhas de resistência e reinvenção. IN: Lemos FCS, Nascimento ML. Biopolítica e tanatopolítica: a agonística dos processos de subjetivação contemporâneos. Curitiba: CRV; 2019.

Menéndez EL. Modelo médico hegemónico: tendencias posibles y tendencias más o menos imaginarias. Salud Colectiva. [internet] 2020 Mai [acesso 2020 jun 27] 16:e2615. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/scol/2020.v16/e2615/es

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 15 - COE Coronavírus - 08 de maio de 2020. Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública. Doença pelo novo Coronavírus 2019 (COE-COVID19). [internet] 2020 Mai [acesso 2020 jun 27]. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2020/May/09/2020-05-06-BEE15-Boletim-do-COE.pdf

Santos BS. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina; 2020.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Aglomerados Subnormais 2019: Classificação Preliminar e informações de saúde para o enfrentamento à COVID-19 – Nota Técnica. [internet] 2020 Mai. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101717_notas_tecnicas.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Informações de saúde: subsídios ao enfrentamento regional à COVID-19 – Nota Técnica. [internet] 2020 Mai. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/12cf546ecf4d11235dd776b8eb952c82.pdf

Núcleo de Métodos Analíticos para Vigilância em Saúde Pública do PROCC/Fiocruz e EMAp/FGV. Estimativa de risco de espalhamento da COVID-19 no Brasil e avaliação da vulnerabilidade socioeconômica nas microrregiões brasileiras: 2º Relatório do Núcleo de Métodos Analíticos para Vigilância em Saúde Pública do PROCC/Fiocruz e EMAp/FGV. [internet] 2020 Mar [acesso 2020 abr 26] Disponível em: https://gitlab.procc.fiocruz.br/mave/repo/tree/master

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo Demográfico-2010. [internet] 2010 [acesso 2020 abr 26]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ap/macapa/panorama

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. departamento de Atenção Básica. o trabalho do agente comunitário de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Lancetti A. Clínica peripatética. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

Merhy E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 4ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

Saidón O. Devires da clínica. São Paulo: Hucitec, 2008.

Tripp D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Rev. Educação e Pesquisa. [internet] 2005 Set-Dez [acesso 2020 jun 27. 31(3):443-466. Disponível em:

Kemmis S. McTaggart R. Como planificar la investigación-acción. Barcelona: Laertes, 1988.

Downloads

Publicado

2021-07-23

Como Citar

Belloc, M. M., Sussuarana, A. C., dos Santos, A. C. T., dos Santos, B. V. T., Rodrigues, E. N. R., Oliveira, R. S., & Almeira, V. de A. (2021). Estratégias de enfrentamento em saúde coletiva no contexto da COVID-19 para populações vulneráveis de Macapá-AP: resultados preliminares. aúde m edes, 7(1Sup), 35–45. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n1Supp35-45