PERFIL DOS PACIENTES COM INCONTINÊNCIA URINÁRIA ATENDIDOS EM UM PROJETO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

Caio Ramon Queiroz, Jose Henrique de Lacerda Furtado, Wedla Lourdes Rebouças Matos, Leila Beuttenmüller, Andréa Nóbrega Cirino Nogueira

Resumo


Introdução: A incontinência urinária (IU) pode ser definida como qualquer perda involuntária de urina. Embora comum entre os senescentes, muitas vezes associada como parte natural do processo de envelhecimento, ela pode acometer homens e mulheres de qualquer faixa etária, e pelos mais variados motivos. Objetivo: Traçar o perfil sociodemográfico da população atendida na Unidade de Reabilitação das Disfunções do Assoalho Pélvico (UREDAPE), por queixa de IU, relacionando os principais fatores desencadeantes. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa descritiva, transversal e retrospectiva, realizada a partir da análise de 23 prontuários dos pacientes com queixa de IU, atendidos na UREDAPE-CE, no período de janeiro de 2015 a junho de 2016. Resultados: Após a análise dos prontuários, foi possível identificar que o perfil da população atendida é caracterizado, em grande parte, por idosas, com idade entre 60 a 79 anos (65,2%), multíparas, que já passaram por alguma intervenção cirúrgica que envolvesse a musculatura do assoalho pélvico. Apesar disso, foi possível identificar também, o atendimento fisioterapêutico a pacientes adultos jovens e de meia idade, de ambos os gêneros, com fatores desencadeantes associados ou não. Considerações Finais: Diante disso, faz-se necessário o desenvolvimento de novos estudos, de amplo espectro, a fim de traçar um perfil mais detalhado dos pacientes acometidos pela IU e investigar melhor os principais fatores desencadeantes, para que seja possível o planejamento de estratégias efetivas de prevenção e tratamento desses pacientes.


Palavras-chave


Incontinência Urinária; Perfil de Saúde; Diafragma da pelve; Saúde do Idoso; Fisioterapia.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Fonseca ESM, Camargo ALM, Castro RA, Sartori MGF, Fonseca MCM, Lima GR, et al. Validação do questionário de qualidade de vida (King's Health Questionnaire) em mulheres brasileiras com incontinência urinária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(5):235-42. DOI:

Oliveira JR, Garcia RR. Cinesioterapia no tratamento da Incontinência Urinária em mulheres idosas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia; 2011;14(2):343-351. DOI:

Lopes MHBM, Higa R. Restrições causadas pela incontinência urinária à vida da mulher urinária à vida da mulher. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2006; 40(1):34-41. DOI:

Martins M, Berlezi EM, Dreher DZ. O desempenho da escala de Oxford e do biofeedback manométrico perineal na avaliação da incontinência urinária de esforço em mulheres no período do climatério. Sci Med. 2016;26(1):ID22969. DOI:

Caldas CP, Conceição IRS, José RMC, da Silva BMC. Terapia comportamental para incontinência urinária da mulher idosa: uma ação do enfermeiro. Texto Contexto Enfermagem. 2010;19(4):783-8. DOI:

Kakihara CT, Sens YAS, Ferreira U. Efeito do treinamento funcional do assoalho pélvico associado ou não à eletroestimulação na incontinência urinária após prostatectomia radical. Revista brasileira de fisioterapia; 2007;11(6):481-486. DOI:

Krinski GG, Guerra FMRM, Campiotto LG, Guimarães KMF, Bennemann RM. Os benefícios do tratamento fisioterapêutico na incontinência urinária de esforço em idosas - revisão sistemática. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR. 2013;4(3):37-40. Disponível:

.

Cabral RMC, Freitas Filho GA, Sesconetto RA, Mota YL, Pires FO. Efeitos da reeducação postural global em desvios posturais e seus benefícios nos sintomas de incontinência urinária de esforço. Revista Brasileira Ciência e Movimento. 2015;23(2):5-13. DOI:

Feldner Júnior PC, Sartori MGF, Lima GR, Baracat EC, Girão MJBC. Diagnóstico clínico e subsidiário da incontinência urinária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2006;28(1): 54-62. DOI:

Silva L, Lopes MHBM. Incontinência Urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Revista Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.2009;43(1):72-8. DOI:

Santos PFD, Oliveira E, Zanetti MRD, Arruda RM, Sartori MGF, Girão MJBC et al. Eletroestimulação funcional do assoalho pélvico versus terapia com os cones vaginais para o tratamento de incontinência urinária de esforço. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31(9):447-52. DOI:

Oliveira KAC, Rodrigues ABC, Paula, AB. Técnicas fisioterapêuticas no tratamento e prevenção da incontinência urinária de esforço na mulher. Revista eletrônica F@ pciência, Apucarana-PR. 2007;1(1):31-40. Disponível:

Beuttenmüller L, Cader AS, Macena RHM, Araujo NS, Nunes ÉFC, Dantas EHM. Contração muscular do assoalho pélvico de mulheres com incontinência urinária de esforço submetidas a exercícios e eletroterapia: um estudo randomizado. Fisioterapia e Pesquisa. Fisioter Pesq. 2011;18(3):210-6. DOI:

Duarte CMR. A indissociabilidade Ensino, Pesquisa e Extensão em uma instituição isolada de Ensino Superior: pontos para discussão. Intervozes: trabalho, saúde, cultura.2017;2(2):34-41. Disponível:

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. [Internet]. Diário Oficial da União. 12 dez. 2012 (acesso 24 out. 2020). Disponível:

.

Griffiths D, Kondo A, Bauer S, Diamant N, Liau L, Lose G, et al. Dynamic testing. In: Abrams P, Cardozo L, Koury S, Wen A, editores. Incontinence – Basic & Evaluation. International Continence Society; 2005:585-674.

Auge AP, Zucchi CM, da Costa FMP, Nunes K, Cunha LPM, da Silva PVF et al. Comparações entre os índices de qualidade de vida em mulheres com incontinência urinária submetidas ou não ao tratamento cirúrgico. Rev Bras Ginecol Obstet. 2006;28(6):352-7. Disponível:

Higa R, Lopes MH, Reis MJBM. Fatores de risco para incontinência urinária na mulher. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2008;42(1):187-92. DOI:

Guarisi T, Neto AMP, Osis MJ, Pedro AO, Paiva LHC, Faúndes A. Incontinência urinária entre mulheres climatéricas brasileiras: inquérito domiciliar. Rev Saúde Pública. 2001;35(5):428-35. Disponível:

Higa R, Lopes MHBM. Fatores associados com a incontinência urinária na mulher. Rev Bras Enferm. 2005; 58(4):422-8. DOI:

Pedro AO, Pinto-Neto AM, Costa-Paiva LHS, Osis MJD, Hardy EE. Síndrome do climatério: inquérito populacional domiciliar em Campinas, SP. Revista de Saúde Pública. 2003;37(6):735-42. Disponível:

Silva LH, Serezuella KC, Bordini A, Citadini JM. Relação da incontinência urinária de esforço com a prática de atividade física em mulheres nulíparas. Salusvita. 2005;24(2):195-206.

Oliveira E, Takano CC, Sartori JP, Araújo MP, Pimentel SHC, Sartori MGF, Girão MJBC. Trato urinário, assoalho pélvico e ciclo gravídico-puerperal. Femina. 2007; 35 (2):89-94.

Lopes DBM, Praça, NS. Incontinência urinária autorreferida no pós-parto: características clínicas. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2012;46(3):559-564. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000300005

Pedro AF, Ribeiro J, Soler Z, Bugdan AP. Qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária. SMAD, Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas. 2011;7(2):63-70. DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIV14042

Glisoi SFN, Girelli P. Importância da fisioterapia na conscientização e aprendizagem da contração da musculatura do assoalho pélvico em mulheres com incontinência urinária. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2011;9(6):408-13. Disponível:




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3430g792

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS